Porto Alegre, segunda-feira, 09 de dezembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
29°C
34°C
19°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1570 4,1590 0,31%
Turismo/SP 4,1000 4,3520 0,86%
Paralelo/SP 4,1100 4,3500 0,68%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
157301
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
157301
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
157301
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Mercado Financeiro Notícia da edição impressa de 16/04/2012

Consumo testa força da moveleira gaúcha Unicasa

Patrícia Comunello

FREDY VIEIRA/JC
Êxito da fabricante de móveis depende muito do apetite de consumidores como Daysi, ao lado da filha
Êxito da fabricante de móveis depende muito do apetite de consumidores como Daysi, ao lado da filha

Aos seis anos, a pequena Helena sabe bem o que quer. Levada pela mãe, a bióloga Daisy Bessa, a uma loja da marca de móveis planejados Favorita, do grupo Unicasa, em Porto Alegre, Helena compôs o futuro mobiliário sob medida para seu quarto no computador e saiu ansiosa para ver tudo montadinho em casa. “Fiz lista do que queria e mudei só algumas coisinhas”, observa a menina. A mãe encarou tudo com muito astral e tentando acomodar o desejo de Helena ao fôlego da renda doméstica. Com o salto dos ganhos dela e do marido em dois anos, Daisy conseguirá custear a encomenda, que não sairá barato. “É um investimento e um carinho que a gente se faz”, rendeu-se a bióloga.

Decisões como essa da mãe de Helena alicerçam a ambição do grupo moveleiro gaúcho, que marcou para 27 de abril sua estreia na BM&FBovespa. A Unicasa, que é dona ainda das grifes Dell Anno, New e Telasul, dependerá muito da manutenção do consumo de classes emergentes e mesmo de alta renda para convencer o mercado a comprar seu papéis. A indústria, com sede em Bento Gonçalves e cujo maior acionista é o megaempresário Alexandre Grendene, tem a seu favor um trunfo. “A venda de móveis planejados cresceu três vezes mais que as linhas prontas nos últimos anos”, registra o presidente da Associação das Indústrias de Móveis do Estado (Movergs), Ivo Cansan. E isso só foi possível, emenda o próprio Cansan, porque o ramo não comercializa só guarda-roupa ou cozinha. “Vende-se personalização, satisfação e serviço”, esquadrinha o dirigente, o que justificaria preços que triplicam frente aos modulados ou prontos.

Ao anunciar o lançamento de ações (emissões primária e secundária), cujo potencial de captação é estimado em uma cifra acima de R$ 540 milhões, a Unicasa canaliza seu poder de gerar caixa e lucros nas quatro marcas, que abocanham todos as faixas de renda, de A a D. O presidente da Movergs lembra ainda que o player, que se posiciona como o líder no ramo de planejados, descola-se pela veia dos acionistas, já acostumados aos desafios de metas de eficiência.

O ramo moveleiro, que tem o segundo maior polo justamente na região da Serra gaúcha, é dominado ainda por empresas familiares e de pequeno e médio porte. “O exemplo da Unicasa pode ser seguido, com mais grupos buscando fusão e quem sabe o mercado de capitais”, especula Cansan. O consultor do Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi) e analista da indústria de móveis Marcelo Villin Prado agrega requisitos como forte profissionalização para alcançar o patamar. “É preciso visão além das necessidades da família. Quando dá certo vira um ativo”, provoca Prado.    

Mas antes disso, o candidato a IPO e seus concorrentes terão de torcer para as vendas de 2012 se recomporem. O ano passado teve crescimento de 4,3% no volume, muito longe do paraíso da alta de 10% de 2010. A própria Unicasa sentiu na pele. O prospecto para investidores indica recuo de 5,7% na quantidade total vendida e avanço de 2,6% na receita bruta. No mercado doméstico, o volume caiu 7,6%, e o faturamento subiu 2,3%. A largada deste ano não está muito animadora. A Movergs espera desempenho um pouco acima da inflação até dezembro. As medidas do governo para desoneração da folha ainda não estão valendo e o corte no IPI tem efeito momentâneo. Na loja, os arquitetos e sócios Ricardo Vasconcellos e Ana Favieiro, franqueados da marca Favorita, assinalam que os três primeiros meses estão mais animadores que o ano passado, marcado por altos e baixos. “O planejado ficou mais acessível e vemos que tanto donos de imóvel novo como usado tentam ir mobiliando aos poucos”, descreve Vasconcellos.

O pós-venda é outra variável nessa indústria. É consenso entre fabricantes e varejo que a montagem dos projetos tem falhas e gera descontentamento nos clientes. A Unicasa mais uma vez é exemplo. No site Reclame Aqui, duas marcas do grupo figuram no ranking dos nomes mais recentes que são alvos da ira de consumidores: a New (voltada à classe C) figura em sexto lugar, e a Favorita (classes B e C), em 20º. Ivo Cansan alega que os problemas estão ligados principalmente à oferta de mão de obra qualificada, que não acompanhou o ritmo de ascensão do planejado. “É nosso grande problema hoje”, admite o presidente da Movergs. Segundo o dirigente, as empresas tentam suprir dificuldades com treinamento e parceria no comércio. Lojistas que atuam com o segmento cobram maior presença da indústria, para não pagarem sozinhos pelos erros. A bióloga Daisy já passou pelo dissabor ao contratar o projeto da sua cozinha. “Nunca mais comprei da marca. Erraram feio.”    

Grupo enfrenta maré baixa de estreias na bolsa

Mais que provar seu poder de gerar rentabilidade em um setor sensível a consumo e condições de crédito e renda, a Unicasa enfrentará o ambiente em baixa dos IPOs na BM&FBovespa. Este ano registra apenas 11 ofertas públicas de distribuição de ações em andamento, com dois cancelamentos. Entre as empresas está o BTG Pactual, banco de investimento que lidera o processo de abertura de capital da moveleira gaúcha. Desde 2008, o setor enfrenta desaquecimento e altos e baixos, efeito da crise internacional de 2008. O recorde de estreantes foi em 2007. Em 2009, houve um sopro de retomada, que não manteve o vigor desde 2010. 

“A janela de oportunidade não está tão aberta”, pondera o sócio-diretor da Fundamenta Administradora de Recursos, Valter Bianchi Filho. O analista acredita que a oferta destinada a pagamento de dividendos deve se firmar, já que os bancos responsáveis pela estruturação do negócio fizeram sondagens prévias. Mas tudo dependerá ainda do encerramento da reserva dos papéis, que vai até dia 24. No dia 25, ocorre a precificação, para posterior oferta na bolsa, marcada para dia 27. O valor da ação varia na faixa de R$ 16,50 e R$ 20,50.

Pioneira entre fabricantes de móveis na BM&FBovespa, a Unicasa desfila como atrativo sua abrangência de mercado, que agregou linhas corporativas, de olho na demanda para empreendimentos ligados à Copa do Mundo de 2014 e à Olimpíada de 2016. O boom do ramo de construção residencial também pavimenta as projeções da companhia. Marcelo Villin Prado, do Instituto de Estudos e Marketing Industrial (Iemi), aponta que o desafio do grupo será manter a liderança em seus mercados, já que atua com uma marca para cada faixa de renda, e elevar o giro financeiro. “A empresa compensa isso com margem maior de preço. Mas é possível melhorar esta proporção com trabalho forte nos canais próprios.”

COMENTÁRIOS
Ophir Ribeiro - 06/09/2013 - 15h05
Esta empresa (UNICASA) não consegue entregar o que vende e ainda vai à bolsa?? Deveriam responder aos milhares de processos e honrar seus compromissos antes. Péssimo serviço, material e atendimento, sinônimo de problemas e frustração é UNICASA.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Ibovespa melhora, mas não escapa da 5ª queda seguida
Bovespa trabalhou parte da tarde desta quinta-feira em alta, mas não conseguiu escapar de terminar no vermelho
Juro futuro tem forte queda após ações do BC e Tesouro
Sessão de negócios teve dois momentos completamente distintos, com forte alta pela manhã e forte baixa à tarde
O mercado de câmbio teve dois momentos completamente distintos nesta quinta-feira
Dólar perde fôlego após fala de Tombini e cai 2,15% em dia de variações extremas
Em dia de recuo do dólar, petróleo fecha em alta após 2 dias de baixas
Os preços do petróleo subiram nesta quinta-feira (24) recuperando terreno depois de dois dias consecutivos de quedas, em dia de baixa do dólar diante do iene e do euro