Porto Alegre, sábado, 19 de outubro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
16°C
20°C
15°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1180 4,1200 1,24%
Turismo/SP 4,0600 4,3200 1,09%
Paralelo/SP 4,0700 4,3100 1,14%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
290452
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
290452
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
290452
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

CRÉDITO Notícia da edição impressa de 10/04/2012

CEF reduz o juro cobrado para concessão de crédito

FABIO RODRIGUES POZZEBOM/ABR/JC
Hereda (d) reforça a meta de derrubar taxas dos bancos privados
Hereda (d) reforça a meta de derrubar taxas dos bancos privados

Depois do Banco do Brasil, na semana passada, ontem foi a vez de a Caixa Econômica Federal avisar ao mercado que reduziu as taxas de juros cobradas dos clientes nas operações de crédito. Assim, a Caixa também passa a reforçar a política do governo de pressionar o sistema financeiro para que reduza o spread bancário, que é a diferença entre o custo do dinheiro que o banco capta dos investidores e as taxas que oferece a quem precisa de crédito.

Coube ao presidente da Caixa, Jorge Hereda, informar que os clientes contam com juros mais baixos no cheque especial, cartão de crédito, crédito direto ao consumidor (CDC), crédito consignado e financiamento de veículos, além da disponibilidade de um novo cartão para aqueles que recebem salário pelo banco estatal.

O objetivo dos dois bancos estatais é induzir os bancos privados a também oferecer taxas mais baixas para o público em geral. A Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) está negociando uma audiência com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para discutir a questão ainda esta semana.

Ao anunciar as mudanças, na capital paulista, o presidente da Caixa disse que a redução dos juros chega a 88% ao ano e o volume de recursos destinados às operações de crédito aumentou 24% em relação ao ano passado, totalizando R$ 300 bilhões neste ano. Hereda ressaltou que as medidas foram pautadas por critérios técnicos, amparados na análise da carteira de crédito e no nível de risco das operações. “Queremos ampliar a base de clientes com a estratégia de dar melhores condições de crédito e menores juros do mercado. A Caixa é a quarta carteira de crédito do País e queremos ser a terceira até o fim do ano”, explicou.

Clientes de outros bancos também poderão se beneficiar das taxas de juros mais baixas do banco estatal. A Caixa lançou um plano para estimular as pessoas a renegociar dívidas caras, mesmo contraídas em outras instituições bancárias, por dívidas com taxas de juros mais baixas ou prazos mais longos.

Para o cheque especial, os juros passam de 8,25% ao mês (a.m.) para 4,27%, podendo chegar a 1,35% dependendo do relacionamento do cliente com o banco. Quem tem crédito salário terá redução da taxa de 8,185 a.m. para 3,5% a.m. No ano, a redução deve chegar a 67%. Segundo a Caixa, serão beneficiados 5 milhões de clientes que já usam o cheque especial.

Para o cartão de crédito nacional (para uso exclusivo no Brasil), os juros devem cair dos atuais 12,86% para 9,47% ao mês. Para o cartão internacional, a taxa cai de 12,17% para 8,8% a.m. No caso do Cartão Azul Caixa, para clientes que recebem o salário pelo banco, a taxa de juros mensal vai ficar em 2,85% a.m., queda de 87%.

Para o CDC e o crédito consignado, a redução anual será 34%. No CDC, as taxas foram reduzidas de 5,4% para 3,88%. Para os clientes com conta-salário, a redução anual chega a 54%, passando de 4,65% a.m. para 2,39% a.m. De acordo com dados da Caixa serão beneficiados 4,2 milhões de clientes.

No consignado, a taxa passou de 2,82% para 1,95% ao mês. Para os aposentados, caiu de 2,14% para 1,8%, beneficiando 15 milhões de pessoas. A taxa para o financiamento de veículos foi reduzida de 1,19% para 0,98%.

Para pessoa jurídica, as taxa passam de 2,72% para 0,94% ao mês, redução de 68,73% do custo anual. Serão destinados R$ 8 bilhões para financiar capital de giro. O prazo máximo de pagamento foi estendido de 18 para 40 meses, e os limites de contratação passaram de R$ 60 mil para até R$ 1 milhão. A Caixa prevê beneficiar 680 mil empresas.

O financiamento imobiliário ficou de fora do programa de corte de juros anunciado pela Caixa.

COMENTÁRIOS
Oly Azevedo Neto - 10/04/2012 - 09h51
Não conta danossa empresa do Banco do Brasil, não mudou nada!!!


Flavio Pires -
21/04/2012 - 20h15
Uma pena a tx do credito Imobiliário não ter entrado no pacote que é o carro chefe da CEF,Por que será????

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Crédito para veículos para pessoa física cai 1,3% em agosto, diz BC
O total de recursos para aquisição de automóveis por esse grupo de clientes ficou em R$ 168,695 bilhões no mês passado - em julho, o volume foi de R$ 171,003 bilhões
Volume de cheques devolvidos tem maior nível para agosto em 24 anos, diz Serasa
O porcentual de documentos que não foi compensado por falta de fundos foi de 2,11% no oitavo mês deste ano, sendo o mais elevado desde o início do levantamento, em 1991
Quatro em cada dez pequenos empresários dizem que crédito está difícil no Brasil
Levantamento apontou que entre esses empresários pessimistas em relação à obtenção de crédito, 40% apontaram a burocracia como principal barreira, seguida pelas altas taxas de juros
Crédito de banco de montadoras para financiamento de veículos sobe 4,31%, segundo Anef
Os recursos liberados por bancos de montadoras para financiamento de veículos totalizaram R$ 8,081 bilhões em julho deste ano