Porto Alegre, sexta-feira, 20 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
22°C
9°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1510 4,1530 0,26%
Turismo/SP 4,1200 4,3600 0,69%
Paralelo/SP 4,1300 4,3700 0,69%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
181600
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
181600
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
181600
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

CONSUMO Notícia da edição impressa de 10/04/2012

Cesta básica tem quarta queda seguida na Capital

Clarisse de Freitas

A pesquisa mensal de preços da cesta básica em Porto Alegre, feita pelo Dieese, mostrou queda de -2.01% nos preços em março – o quarto mês seguido de retração. Com isso, o custo médio dos produtos passou de R$ 269,61 em fevereiro, para R$ 264,19 em março. A variação negativa aconteceu em 11 das 17 capitais pesquisadas, porém a Capital se manteve como a segunda mais cara do País, atrás apenas de São Paulo (onde a cesta caiu -1,19% e custa R$ 273,25).

Daniela Sandi, economista do Dieese, afirmou que a redução foi puxada pelos produtos in natura, como tomate (-17,20%), banana (-10,53%) e batata (-11,11%), que encontraram clima mais favorável ao cultivo no início do ano. Já os grãos e produtos beneficiados tiveram altas em função da quebra da última safra. Os maiores aumentos foram no óleo (3,65%), arroz (2,91%) e feijão (2,25%).

“O custo da cesta básica em março representou 46,17% do salário-mínimo líquido, contra 47,11% em fevereiro e 52,08% em março do ano passado. Isso significa que o trabalhador com rendimento equivalente a um salário-mínimo precisou cumprir uma jornada de 97 horas e 27 minutos só para adquirir os bens alimentícios básicos”, afirmou. A economista ponderou  que desde a entrada em vigor do Plano Real, a cesta básica ficou 296,38% mais cara em Porto Alegre, enquanto o INPC (que mede a inflação) subiu 307,14% e o salário-mínimo aumentou 860,02%.

Nas demais capitais, a cesta básica apresentou alta em seis cidades das regiões Norte e Nordeste. A maior delas foi verificada em Salvador, onde os preços subiram 3,6% e a cesta somou R$ 211,90, seguida por em Aracaju; 1,77% em Manaus; 1,68% no Recife; e 0,89% em João Pessoa. Já a maior retração foi em Goiânia, onde os preços caíram -6,73% e a cesta passou a custar R$ 234,14.

Com base nesses dados, o Dieese calcula que, para que o salário-mínimo cumprisse sua função constitucional (conforme o artigo 7º da Constituição), de sustentar uma família de quatro pessoas, ele precisaria ser, em março, de R$ 2.295,58 – o que corresponde a 3,69 vezes o valor vigente, de R$ 622,00.

O Dieese realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica em Aracaju, Belém, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, João Pessoa, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Vitória.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Projeção indica que segmentos de vestuário, calçados e eletrônicos serão afetados
Venda de Dia das Crianças deve ter queda de até 3,5%
Mandic criou app que hoje tem mais de 14 milhões de usuários
Empresários apoiam consumo compartilhado
Intenção de consumo das famílias cai 2,4% em setembro, diz CNC
Na comparação com setembro do ano passado, a queda chegou a 34,5%, informou a CNC
Nutricionistas e curadoria de produtos são apostas de Lempert
Guru prevê supermercados fornecendo mais informações sobre os alimentos