Porto Alegre, segunda-feira, 14 de outubro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
14°C
24°C
16°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1250 4,1270 0,75%
Turismo/SP 4,0900 4,3360 0,88%
Paralelo/SP 4,1000 4,3300 0,93%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
538174
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
538174
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
538174
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Artigo Notícia da edição impressa de 10/04/2012

Escola pública

Antonio Augusto d´Avila

O Estado Democrático de Direito tem o dever de propiciar ensino aos menos favorecidos; o Estado totalitário tem o direito de educar todos os súditos. Aqui no Brasil estamos a meio caminho: diz a Constituição que o ensino é direito de todos (dos mais ricos inclusive) e persegue-se o ensino público básico universal; mas permite-se o ensino particular. Entretanto, como não há “almoço grátis”, a estrutura tributária determina quem paga pelo ensino público. Abstraída a ineficiência estatal e admitida uma distribuição justa da carga tributária, definida, ao menos, pela sua proporcionalidade em relação à renda pessoal, se todo o ensino fosse público e se todos o cursassem do início ao fim, não haveria perdas e ganhos financeiros, exceto pelo número de filhos. Ocorre que a carga tributária é regressiva. Em proporção à renda, os mais pobres pagam muito mais impostos que os mais ricos, além disso, quanto mais pobre, menor a permanência na escola pública, ou seja, apesar de os mais ricos utilizarem bem menos o ensino público básico, são eles que mais usufruem dos cursos nobres das universidades de ponta.

Importante, também, a situação de boa parcela da classe média que paga pelo ensino público mas, em razão da sua baixa qualidade, é obrigada a se socorrer do ensino privado, ou seja, suporta uma carga duplamente pesada (ao contrário da classe A, para a qual a educação particular pouco representa em termos financeiros e o ônus tributário é bem menor). Aliás, nesses moldes, a escola pública só funciona porque é ruim, se fosse de boa qualidade seria inviável. Em resumo, além de serem obrigados a financiar o próprio ensino básico, aos pobres ainda são impostas duas opressivas cargas adicionais: a brutal ineficiência econômica desse ensino e o caríssimo e esbanjador ensino universitário, necessariamente elitista. Mas isso não basta, queremos um ensino de qualidade! Assim, o discurso politicamente correto exige que deles, dos mais pobres, sejam extraídos mais recursos para a educação de todos. Tinha razão o velho Marx: as ideias dominantes são as ideias da classe dominante.

Economista

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil