Porto Alegre, quinta-feira, 20 de janeiro de 2022.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
444542
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
444542
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
444542
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

CONJUNTURA INTERNACIONAL Notícia da edição impressa de 30/03/2012

UE sugere que o acordo com o Mercosul exclua a Argentina

MARCELLO CASAL JR/ABR/JC
Embaixador em Londres, Jaguaribe diz que Brasil é contrário à divisão
Embaixador em Londres, Jaguaribe diz que Brasil é contrário à divisão

A postura considerada protecionista da Argentina provoca debate sobre a exclusão do país, num primeiro momento, do acordo de livre comércio em negociação entre a União Europeia e o Mercosul. O tema, que vinha sendo tratado nos bastidores, foi tornado público na quinta-feira pelo diretor de Relações Internacionais da Comissão Europeia, John Clarke. As especulações sobre o papel da Argentina cresceram nas duas últimas semanas. 

Entre os envolvidos nas negociações, os comentários explodiram com a informação de que a próxima reunião sobre o acordo de livre comércio não será realizada em Buenos Aires, como previsto inicialmente, mas em Brasília. A última rodada de negociação ocorreu há duas semanas, em Bruxelas. Desde a retomada das tratativas, em maio 2010, o local das reuniões se alterna entre a União Europeia e o Mercosul. “No último dia do encontro em Bruxelas, fomos informados de que Buenos Aires não marcou a reunião de junho. Isso gerou grande questionamento entre os envolvidos”, disse uma fonte que acompanha o tema de perto.

A próxima rodada está prevista para julho, em Brasília. Segundo um negociador da UE, o motivo é que o Brasil assume a presidência do Mercosul em julho, no lugar da Argentina, que fica no posto rotativo até junho. De qualquer forma, os comentários sobre a possível exclusão da Argentina se acumulam nos bastidores. Cresce a ideia de que o país poderia ficar de fora num primeiro momento, para ser inserido ao acordo posteriormente. “Estou ouvindo informalmente de representantes de todos os governos do Mercosul, inclusive do governo Dilma, que a única forma de prosseguir é sem a Argentina”, disse o negociador europeu, ao lembrar que as medidas contra importações têm dado trabalho ao governo brasileiro.

Oficialmente, a UE e o Brasil se colocam contra a obtenção de um acordo em duas etapas. “Para a UE, esse resultado não seria satisfatório”, afirmou Clarke. Para o embaixador do Brasil em Londres, Roberto Jaguaribe, não há chance de que o acerto seja feito individualmente. “Ou é um acordo do Mercosul ou não é um acordo”, rebateu prontamente, durante seminário sobre a agricultura brasileira realizado pelo Financial Times, em Londres. Nos bastidores, a avaliação é a de que a Argentina está amarrando as conversas. Até agora, a discussão ficou centrada na parte normativa do acordo de livre comércio, com a definição de regras. A expectativa é a de que, a partir da próxima reunião, em julho, as ofertas de abertura possam ser colocadas na mesa. “O setor privado já está cansado de esperar”, disse um representante.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Déficit orçamentário de Portugal em 2014 deve subir para 7,2% do PIB
O déficit orçamentário de Portugal relativo ao ano de 2014 deve aumentar para 7,2% do Produto Interno Bruto
China vai investir mais de 300 bilhões de yuans em recursos ociosos
Em comunicado, o conselho informou que retomou 10,9 bilhões de yuans do governo central e outros 296,6 bilhões de yuans de governos locais no fim de agosto
Apoio a Tsipras nas urnas garantirá 145 cadeiras ao partido no Parlamento
Partido de esquerda retorna ao poder na Grécia
Mais de 20 países aguardam adesão a banco internacional proposto pela China
Banco terá sede em Pequim e deverá ser estabelecido até ao final de 2015 com um capital de 100.000 milhões de dólares