Porto Alegre, sexta-feira, 20 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
18°C
21°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1660 4,1680 0,09%
Turismo/SP 4,1200 4,3600 0,69%
Paralelo/SP 4,1300 4,3700 0,69%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
906262
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
906262
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
906262
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

COPA 2014 Notícia da edição impressa de 29/02/2012

Porto Alegre trabalha para assegurar sede da Copa

Fernando Soares, Jefferson Klein, Patrícia Comunello e Rafael Vigna

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Luigi (e) foi ao Palácio Piratini e cobrou responsabilidade da construtora
Luigi (e) foi ao Palácio Piratini e cobrou responsabilidade da construtora

Episódios registrados ao longo do dia de ontem reforçaram a mobilização local por um único objetivo: assegurar a Copa do Mundo em Porto Alegre. E as jogadas disparadas em público, e nos bastidores, espelham mais uma partida de xadrez em curso que de futebol. Cada movimento dos próximos dias, dependendo da direção e da estratégia, pode confirmar o estádio Beira-Rio como sede dos jogos ou transferir o palco à Arena Tricolor, que se ergue em ritmo acelerado no bairro Humaitá, com inauguração prevista até o fim do ano. Para muitos interlocutores, entre governo e lideranças empresariais e esportivas, ter duas opções é zona de conforto. O Beira-Rio foi a escolha do Comitê Local da Copa em Porto Alegre, validada pelo Comitê Organizador Local (COL) nacional, mas a indefinição do contrato para as obras da reforma com a construtora Andrade Gutierrez (AG) agora tem prazo para apresentar um desfecho: fim de março, avisou o prefeito José Fortunati. O COL já alertou que mudança de estádio é tarefa do gestor porto-alegrense. 

O dia D poderá ser 7 de março, quando uma comitiva de 45 pessoas da Federação Internacional de Futebol (Fifa) desembarca na Capital para vistoriar obras - de estádio à infraestrutura viária e aeroporto. O Inter ainda está nas mãos da Andrade Gutierrez, que no começo da tarde de ontem entrou e saiu de uma reunião com a direção do Banrisul com a mesma posição: aporta apenas 20% das garantias para acessar um financiamento superior a R$ 200 milhões. Diante da conduta, o presidente da instituição, Túlio Zamin, avisou que não bancará a operação e, se assumir a contratação (se houver garantias), não deve ir sozinho.  

A frustração do encontro no prédio-sede do Banrisul provocou uma reação inusitada do presidente colorado, Giovanni Luigi, que pegou o caminho do Palácio Piratini, em vez de subir no avião para uma conversa com os construtores na capital paulista, agenda que chegou a ser cogitada pela manhã. No Piratini, Luigi foi literalmente consolado pelo vice-governador Beto Grill, mas de concreto, nenhuma solução à vista. Grill assumiu a pauta na cúpula do governo estadual a pedido de Tarso Genro, que foi a primeira autoridade a admitir dúvida sobre a escalação do Beira-Rio para 2014. 

Como nem só do drama Colorado com sua empreiteira eleita pelo Conselho Deliberativo em 2011 vive a Capital, prefeitura, bancada de deputados federais e lideranças empresariais operam com medidas para qualificar o entorno da Arena do Grêmio e devem cobrar posição da empreiteira, a ser convocada para reunião na próxima segunda-feira. Ontem, Fortunati entregou na Caixa Econômica Federal os primeiros projetos das obras viárias que melhorarão o trânsito na conexão com o estádio novo. Logo depois, presidentes de associações de hotéis, comércio, serviços e restaurantes foram ao gabinete do prefeito comunicar o apoio a eventual mudança de endereço dos jogos.  

A última jogada foi dada na noite de ontem em nota enviada pela assessoria de imprensa da Andrade Gutierrez, cujo conteúdo nada explicou sobre o impasse da negociação com o Banrisul, nada projetou sobre prazo para firmar o contrato e nada acrescentou para tranquilizar o Internacional.

Para Fortunati, situação não é desesperadora

A cada dia que passa, a indecisão sobre o contrato entre Inter e a construtora Andrade Gutierrez favorece a opção da Arena do Grêmio como alternativa a ser sede dos jogos da Copa de 2014. O presidente da Grêmio Empreendimento, empresa criada para cuidar da construção do novo estádio, Eduardo Antonini, evita comentar a situação, mas admite que a cogitação da Arena como plano B já está dando visibilidade ao empreendimento. “Não tem o que o Grêmio faça. O que existe é o Inter ou a Andrade não fazer”, declarou Antonini. A condição da obra tricolor, que deve ficar pronta até dezembro, vira facilidade para resolver a equação local e não colocar em risco o Mundial. 

O prefeito José Fortunati disse que está preocupado com o impasse. “Estamos perdendo tempo, mas ainda não é uma situação desesperadora”, dimensionou, lembrando que a resposta não está nas mãos dele e nem do COL, por enquanto. “No dia 7 de março a Fifa estará em Porto Alegre com mais de 40 pessoas. Espero que, até esse dia, essa situação esteja resolvida”, torce o prefeito. A alternativa da Arena oferece saia justa ao prefeito, que é integrante do conselho do Grêmio. 

O tricolor está focado em outra janela que se abriu: o mutirão de deputados federais e da prefeitura para obter recursos às obras do entorno do estádio. “Se a Copa vier para nós, teremos um ano e meio de mobilidade pronta”, anima-se o dirigente. Se não vier, o Grêmio tem a chance de melhorar a infraestrutura. O secretário de Gestão, Urbano Schmitt, esteve ao lado de Fortunati na entrega dos projetos na Caixa, que prometeu agilidade. As intervenções custam R$ 15,3 milhões, mas só estão assegurados R$ 8,7 milhões. Schmitt vai ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para completar a cifra. Faltarão ainda R$ 30,5 milhões para o restante das melhorias em ruas e avenidas, que já estão em emendas de parlamentares. 

O presidente do Sindicato da Hotelaria e Gastronomia de Porto Alegre, Ricardo Ritter, reforçou o coro da comitiva integrada do setor, que levou a Fortunati apoio à eventual troca de local dos jogos. “Não podemos correr o risco que algum impasse não garanta a Copa”, sinalizou Ritter.

Comissão da Câmara aprova texto base da Lei Geral

A comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou ontem o texto base da Lei Geral da Copa, conjunto de regras para a organização do evento. Por acordo dos líderes dos partidos na comissão, os dez destaques com as polêmicas da Lei Geral ficaram para hoje, como a liberação de bebida alcoólica nos estádios e as regras para meia-entrada. Outro ponto questionado é uma “cláusula penal” para quem desistir de comprar o ingresso da Fifa. O texto da Lei Geral da Copa deverá ir ainda ao plenário da Câmara e seguir para o Senado antes de virar lei.

Pelo texto do relator, os estudantes terão meia-entrada somente na categoria 4 de ingressos, na chamada cota social. O benefício valerá também para integrantes do Bolsa Família e o preço final deverá sair a US$ 25,00 (cerca de R$ 42,00). Ao contrário dos estudantes, os idosos terão o desconto em todas as categorias, que inclui ingresso de até US$ 900,00 (pouco mais de R$ 1.500,00). O projeto apresentado na comissão libera o consumo de cerveja nos estádios, desde que em copo plástico e somente durante a Copa do Mundo e Copa das Confederações. 

Encontro entre o Banrisul e a Andrade Gutierrez amplia impasse sobre financiamento 

Uma longa reunião realizada no início da tarde de ontem, na sede do Banrisul, em Porto Alegre, acentuou o impasse que envolve as garantias financeiras da proposta da Andrade Gutierrez (AG) para a contratação de financiamento superior a R$ 200 milhões em recursos para a reforma do estádio Beira-Rio. O encontro dos dirigentes do banco com os executivos da construtora terminou sem avanços e contribuiu para aumentar as especulações de que a sede oficial do Rio Grande do Sul para a Copa do Mundo não será concluída em tempo hábil para a realização dos jogos em 2014. 

O principal entrave nas negociações se refere ao baixo nível de comprometimento da empresa com o valor total do investimento. O presidente do Banrisul, Túlio Zamin, considerou a proposta “absolutamente insuficiente” e revelou que os representantes da AG não apresentaram alterações substanciais ao acordo. Segundo Zamin, a empresa continua com disponibilidade de assumir somente 20% dos ativos de captação do financiamento. O restante seria oferecido por meio da participação nos lucros de exploração do estádio. De acordo com o presidente do Banrisul, a medida contradiz as regulamentações da política de gestão de riscos do sistema financeiro e nenhuma flexibilização à questão será aceita.   

“As garantias jamais podem estar vinculadas à exploração do empreendimento, pois devem ser independentes da taxa de sucesso do negócio. Solicitamos o aval de 100% do investimento. Na proposta, se pressupõe que o banco assuma parte dos lucros de exploração. Isto não vai ser feito de maneira alguma. Está fora dos padrões normativos do mercado”, garante Zamin. 

Mesmo que o Banrisul se posicione favorável à continuidade das negociações, a falta de empenho com o aumento do percentual de garantias, por parte da construtora, coloca em xeque a relação entre a empresa e o banco gaúcho. Zamin não descarta que o Bndes possa contratar a totalidade dos investimentos. Sobre a razão de a construtora não aportar 100% das garantias, já que o grupo fatura mais de R$ 18 bilhões, o presidente do banco preferiu não opinar. No entanto, para ele, o fato de não haver outras instituições financeiras envolvidas até o momento demonstra que a operação estruturada não está pronta para ser aceita.

Zamin nega qualquer tipo de responsabilidade com os atrasos no cronograma de obras para o Mundial de 2014. O executivo afirma que um despacho formal do Comitê de Crédito do Banrisul, firmado pela diretoria no dia 23 de dezembro do ano passado, já informava o indeferimento da solicitação de recursos. “Não somos o banco exclusivo do Andrade Gutierrez e deste negócio. Muito pelo contrário, temos pouquíssimas relações com o grupo. Tem sido um constrangimento para todos os gaúchos, mas se contratássemos a operação nesses termos, estaríamos desonrando o cargo para o qual fomos designados. Estaríamos comemorando o andamento agora, mas poderíamos arcar com um altíssimo risco no futuro”, defende. 

Na opinião de Túlio Zamin, a dificuldade de conseguir investidores tem relação com a incerteza sobre o êxito dos negócios. “Há preocupação sobre o êxito na gestão dos equipamentos futuros. A construtora não conseguiu outras empresas para se integrar”, justifica. Para o presidente do Banrisul, seria positivo para todos os envolvidos que a construtora buscasse um novo banco para a contratação da operação. Entretanto, Zamin afirma que o negócio demandará um compartilhamento com outras instituições financeiras, através de consórcios ou fundos de investimento, em função de seu valor elevado. 

Internacional e governo do Estado fazem reunião de emergência

Os ponteiros do relógio passavam das 15h30min quando o presidente do Internacional, Giovanni Luigi, adentrou o Palácio Piratini com um semblante de preocupação. O mandatário colorado logo se encaminhou para um encontro marcado às pressas com o vice-governador do Estado, Beto Grill, e o deputado estadual Adão Villaverde (PT). A pauta: avaliar os impactos da nova tentativa de financiamento para a reforma do estádio Beira-Rio negada pelo Banrisul em reunião com representantes da Andrade Gutierrez (AG) encerrada pouco antes.

Luigi havia solicitado a reunião via telefone, logo após o presidente do banco gaúcho, Túlio Zamin, ratificar publicamente a inexistência de garantias financeiras da empreiteira para a tomada do empréstimo destinado à reformulação do palco dos jogos da Copa do Mundo de 2014 em Porto Alegre. Tendo o pedido prontamente aceito, o dirigente se dirigiu ao gabinete do vice-governador, que foi designado pelo governador Tarso Genro para auxiliar a destravar o processo.

A conversa durou pouco mais de uma hora. O principal empecilho para a aprovação do repasse dos recursos continua sendo os parceiros da Andrade Gutierrez na composição da Sociedade de Propósito Específico (SPE). A construtora apresentou, mais uma vez, à instituição financeira garantias apenas sobre sua parte na iniciativa. “Ficou evidente que a Andrade Gutierrez não fez o dever de casa. Ela nem constituiu a SPE que teria de constituir, como tarefa e responsabilidade sua”, constatou Villaverde. 

Diante desse cenário, Luigi disse que aguarda uma solução para o impasse nos próximos dias. “Esperamos que a construtora assuma sua responsabilidade sobre essa dificuldade que existe com relação aos avalistas dessa operação. O Internacional aguarda e espera que a construtora encontre um modelo e represente, seja ao Banrisul ou outro, as garantias necessárias”, afirmou. O presidente do Inter se disse surpreso que as garantias financeiras sejam o principal entrave, visto que foi a AG que procurou o Inter, há mais de um ano, para conduzir o processo. “É uma construtora que atua em tantos países, tem um faturamento anual superior a US$ 10 bilhões. Portanto, ela tem condições numa obra pequena, como essa, de dar as garantias. Há porte para ela assumir sozinha ou com parceiros essa questão toda”, analisou.

O vice-governador garantiu que o Rio Grande do Sul está engajado na busca de uma solução, mas não irá interferir no trâmite para a liberação do dinheiro. “Tudo aquilo que governo puder fazer, a gente vai fazer. Mas a operação com o banco é uma questão técnica”, assinalou, garantindo a realização da Copa no Estado. De acordo com Beto Grill, um novo interessado em participar da empresa que está sendo formada apareceu nos últimos dias. 

COMENTÁRIOS
Guilherme Lori Furlan - 29/02/2012 - 12h28
Rivalidade Grenal à parte, não consigo entender por que a resistência em se falar na troca de estádio. Segundo Fortunati, ainda não é uma situação desesperadora? Teremos ao total, desde outubro de 2007 a julho de 2014, quase sete anos para organização da Copa do Mundo! Ou seja, estamos sim MUITO atrasados, em todos os sentidos. Sendo assim, já é mais que hora de focar nos resultados, garantir a Copa em Porto Alegre e tentar, no que for possível, aliar Copa com projetos de longo prazo (o famoso "legado"). Já perdemos a Copa das Confederações e devemos contar com outros imprevistos que surgirão. Ou seja, façam a troca, resolvam o problema e foquem em todas as outras tarefas que ainda devem ser concluídas (Aeroporto, infraestrutura, transporte público, atrações para os turistas...)

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Institutos europeus dizem que Brasil ‘perdeu’ com Copa
Para membros da Fifa, o impacto real da Copa no Brasil apenas será conhecido em um prazo de cinco anos
Copa elevou percepção de demanda fraca em serviços
Para a Fundação Getulio Vargas (FGV), que apura o índice, este padrão "confirma o efeito negativo da paralisação parcial das atividades durante a Copa"
Visa divulga gastos com cartões em estádios e Fan Fest
No total, foram feitas 582,3 mil transações financeiras de 12 de junho a 13 de julho nas 12 cidades-sede do mundial
Segundo ANTT, 19 mil turistas chegaram ao País de ônibus na Copa
Os fretamentos internos somaram 6.869 viagens com destino às cidades-sede, o que representa 32% do total de deslocamentos interestaduais realizados no período do Mundial