Porto Alegre, quinta-feira, 23 de setembro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
195179
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
195179
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
195179
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

PARTIDOS Notícia da edição impressa de 17/02/2012

Padilha quer composição entre as forças do PMDB

Alexandre Leboutte

JOÃO MATTOS/JC
A favor da renovação, Padilha avalia que só não deseja essa mudança natural quem se serve do partido
A favor da renovação, Padilha avalia que só não deseja essa mudança natural quem se serve do partido

Dizendo-se um defensor da disputa política como um instrumento de vitalidade de qualquer partido, o deputado federal Eliseu Padilha (PMDB) ponderou que o PMDB vive uma circunstância específica que torna a busca pelo entendimento a melhor opção neste momento.

O peemedebista, que também é presidente nacional da Fundação Ulysses Guimarães - responsável pelo estudo, reflexão e formação política na sigla em todo o Brasil - defende que as forças que compuseram o diretório estadual no final de 2010, para evitar um racha na legenda após a derrota eleitoral daquele ano, deveriam novamente buscar uma composição.

A proposta dele é formar a executiva que comandará a legenda no Estado até o final de 2012 nessa composição. “Agora é o momento de construir a unidade do partido, para depois pensar em enfrentar uma disputa”, opina.
Segundo o parlamentar, o PMDB teria “a maior estrutura política do Estado”, o que aumentaria a possibilidade de tensões. “Em sendo o maior, é natural que haja uma série de pessoas que se preocupam com o partido, no sentido de ter participação, de coordenar, de poder comandar a sigla. Isso é absolutamente natural no processo político e no gênero humano”, argumenta.

“O que estamos vivendo nesse momento, embora alguns, pelo que parece, não queiram entender, é que o partido é eterno e as pessoas são passageiras. O partido é muitas vezes maior do que qualquer pessoa, qualquer líder”, avalia. Questionado se o alvo da declaração era o senador Pedro Simon (PMDB), Padilha disse que não se referia a nenhuma liderança especificamente.

“Não estou me referindo a ninguém. O Ibsen (Pinheiro, atual presidente estadual do PMDB) está dizendo que não quer mais. Eu estou dizendo que não vou mais ser dirigente no Estado. Quem serve ao partido quer renovação permanente e muita gente dirigindo a legenda. Quem se serve do partido, não quer renovação, até porque iria diminuir a sua possibilidade de se servir da sigla. São coisas óbvias, mas é nas obviedades que são ditas grandes coisas” teoriza.

“A própria ordem da natureza faz com que eu, Eliseu Padilha, não seja o mesmo de 20 anos atrás. É natural que o espaço ocupado por mim há 20 anos seja preenchido por outras pessoas,” complementa.

Embora afirme que não indicaria nomes para presidir a legenda, Padilha revela que sempre está em contato com muitos correligionários e afirma ter apreço pelo presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski (PMDB), citando a entrevista publicada pelo Jornal do Comércio na terça-feira. “Gostei muito das posições dele”, comentou.

Também menciona os integrantes da bancada federal, excluindo-se das possibilidades, além de deputados estaduais, prefeitos e ex-prefeitos. Mas o nome que recebe maior destaque em suas análises é o do ex-governador Germano Rigotto (PMDB).

“Conversei com o ex-governador Rigotto. Acho que ele tem todas as condições de ser presidente do partido. A legenda ganharia uma mobilidade, que é própria do seu temperamento. Ele não entra em campanha de forma passiva. Ele faz campanha com muita vontade”, elogia.

Em relação à eleição para a prefeitura de Porto Alegre, o parlamentar defende a manutenção da aliança com o atual prefeito José Fortunati (PDT). “Nós fizemos um acordo na eleição do nosso brilhante prefeito (José) Fogaça. Indicaríamos o prefeito e o PDT o vice, e depois, o PDT indicaria o prefeito e o PMDB o vice. Eu era secretário-geral do partido no Estado e também assinei o documento. Acordo ninguém é obrigado a fazer, mas depois que fez, é obrigado a cumprir”, conclui.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
PMDB pede no rádio e na TV união de todos para enfrentar a crise
Na abertura do programa, a âncora fez um relato da situação do Brasil no olhar dos peemedebistas
Líder do PT na Câmara diz que há insatisfação com ministros de Dilma
O líder do PT na Câmara dos Deputados, Sibá Machado (AC), negou nesta quinta-feira (24) que tenha pedido a cabeça de ministros do governo Dilma, mas afirmou que há insatisfação na bancada em relação a eles, além de receio de que a sigla perca espaço na reforma administrativa
FHC devolve críticas e diz que PT está 'mordendo a língua' com alta do dólar
Em post publicado no Facebook, ex-presidente diz que os petistas nunca reconheceram que o dólar disparou e inflação subiu em 2002
Somente um de 51 deputados tucanos votou por fator previdenciário, criado por FHC
Para ser derrubado, o veto precisava de pelo menos 257 votos na Câmara e 41 no Senado