Porto Alegre, terça-feira, 18 de junho de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
24°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8990 3,9010 0,02%
Turismo/SP 3,8600 4,0600 0,49%
Paralelo/SP 3,8700 4,0700 0,49%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
173386
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
173386
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
173386
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Editorial Notícia da edição impressa de 14/02/2012

Um outro trânsito é possível

Com o lema “um outro mundo é possível”, o Fórum Social Mundial trouxe a Porto Alegre debates e propostas alternativas de soluções para problemas dos mais diversos matizes. Assim, o encontro de ativistas de Organizações Não Governamentais debate, desde 2001, ideias para se obter mais justiça social, melhoras nas questões ambientais, nas condições de trabalho, democracia participativa, mais tolerância às diferenças de cor ou opção sexual, enfim, uma infinidade de temas.

Gradativamente, foram surgindo eventos paralelos ou complementares, que foram aprofundando temas específicos, casos do Fórum Mundial da Educação, Fórum Mundial da Saúde, sem falar nos encontros regionais, nacionais e continentais realizados sob o guarda-chuva do Fórum Social Mundial.

Para a próxima semana, após o Carnaval, mais uma dessas iniciativas sairá do papel. E, mais uma vez, terá como sede a Capital gaúcha. Trata-se do 1º Fórum Mundial da Bicicleta, que acontece de 23 a 26 de fevereiro. A ideia é difundir a cultura da bicicleta como meio de transporte e não apenas como um esporte ou uma prática de lazer. A data não foi escolhida por acaso. Marca um ano do atropelamento de ciclistas que participavam de uma manifestação do grupo Massa Crítica, no bairro Cidade Baixa.

Organizados, os ciclistas estão reivindicando mais espaços para utilizar este meio de transporte ecologicamente correto. Mas veem a necessidade de maior segurança para difundir esse meio alternativo. Isso passa, necessariamente, pela construção de ciclovias, o que já está no papel, através do Plano Diretor Cicloviário, e começa a se tornar realidade, caso da via que está sendo construída junto ao Arroio Dilúvio, na avenida Ipiranga.

Mesmo com dificuldades e disputando espaço com os carros, as bicicletas ganham cada vez mais as ruas, em Porto Alegre. É visível o aumento gradual do número de pessoas que optam por esse meio de transporte.
A realização do Fórum Mundial da Bicicleta, com oficinas, palestras de segurança e orientações aos ciclistas pode impulsionar essa saudável prática. A vinda de convidados internacionais também pode servir de estímulo e exemplo. Mas não é preciso viajar à Europa para ver exemplos de municípios em que boa parte da população utiliza a bicicleta como meio de locomoção. Diversos municípios do Interior gaúcho adotam a prática.

Para presenciar esse uso massivo em um grande centro urbano, aí sim pode-se recorrer a modelos do continente europeu. Cidades como Berlim, na Alemanha, ou Amsterdã, na Holanda, são tomadas todos os dias por milhares de ciclistas. Não é raro ver um trabalhador, vestido de terno e gravata, e indo para o sua atividade profissional em uma bicicleta. É claro, que para distâncias médias e longas, a bicicleta pode não ser uma solução razoável para a maioria das pessoas. Mas mesmo nestes casos, é possível que sirva como transporte complementar - para ir de casa até uma estação de trem ou de um estacionamento até o serviço. Poder-se-ia comparar a bicicleta à energia eólica ou solar. Ou seja, não resolve todo o problema do trânsito, mas ajuda e é uma alternativa não poluente.

Assim, além de debates para buscar soluções, como o 1º Fórum Mundial da Bicicleta, faz-se necessário o crescimento dos espaços para ciclistas e o respeito dos motoristas a eles. Dessa forma, estaremos provando que um “outro trânsito é possível”. A diferença, com certeza, será para melhor.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Gaúchos não são realistas e pedem o impossível
A Assembleia Legislativa aprovou o aumento do ICMS de 17% para 18%, mas apenas no governo José Ivo Sartori (PMDB)
Na ONU, Brasil e Vaticano com boas mensagens
"A importância das regras não pode ser maior que o amor", afirmou o Papa Francisco
O debate entre a inação e os reformistas gaúchos
A Assembleia Legislativa está aprovando reformas de base para que o Rio Grande do Sul consiga voltar a crescer
As tarifas e os juros que nos atormentam a vida
Há palestrantes ganhando um bom dinheiro para dizer às pessoas como elas devem administrar as suas finanças