Porto Alegre, domingo, 07 de março de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
266029
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
266029
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
266029
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

CIDADANIA Notícia da edição impressa de 03/02/2012

Fundadores relembram trajetória do Grupo Palmares

Cláudio Isaías

JOÃO MATTOS/JC
Silva e Côrtes ajudaram na criação do Dia da Consciência Negra
Silva e Côrtes ajudaram na criação do Dia da Consciência Negra

Na década de 1970, seis universitários negros decidiram rever um importante fato histórico. A proposta era criar uma data comemorativa em confrontação ao 13 de Maio, dia da abolição da escravatura. Para a comunidade afrodescendente, o 20 de Novembro é uma data que representa melhor a história dos negros brasileiros.

Foram esses jovens, fundadores do Grupo Palmares, que ajudaram a instituir o Dia da Consciência Negra. Para resgatar a trajetória do grupo, a reportagem do Jornal do Comércio acompanhou o reencontro de dois dos remanescentes do movimento, o comerciário aposentado Ilmo da Silva e o advogado Antônio Carlos Côrtes.

Os dois relataram ao JC fatos importantes sobre a atuação dos universitários em plena ditadura militar. O grupo, que também era composto por Jorge Antônio dos Santos (Jorge Xangô), Luiz Paulo Assis Santos, Oliveira da Silveira e Vilmar Nunes, se reunia no Centro da Capital. O tema das conversas tinha um propósito: resgatar a identidade da população negra.

A primeira reunião oficial foi realizada no dia 2 de julho de 1971. Foi no segundo encontro, na casa dos pais de Côrtes, que decidiram pelo nome Palmares. Ele explica que os outros integrantes constantemente eram incitados por Jorge Xangô a dizer “não” ao 13 de Maio. “O Jorge e o Luiz Paulo eram os mais indignados e afirmavam que a data não nos elevava culturalmente. Começamos a buscar uma data escolhida pelos negros, e não pelo oficialismo, como era o 13 de Maio”, explica.

Na época, Côrtes, que já era estudante de Direito, dizia que a Lei Áurea era vazia. “O Artigo 1º dizia que ‘fica abolida a escravidão no Brasil’ e o 2º que ‘revoga-se as disposições em contrário’. A justificativa sequer existia, ou seja, excluíram a mão de obra do escravo e o abandonaram”, destaca.

Durante as discussões do grupo, o advogado descobriu o livro O Quilombo dos Palmares, de Edison Carneiro. Após pesquisar esta e outras obras, o movimento se decidiu pelo 20 de Novembro, dia da morte de Zumbi dos Palmares.

Silva explica que começaram a surgir manifestações em todo o País dando apoio à iniciativa. “Tivemos como aliado uma matéria publicada no Jornal do Brasil sobre um grupo de negros em Porto Alegre que contestava o 13 de Maio e era favorável às comemorações no dia 20 de novembro”, acrescenta.

O ex-ativista ressalta que as escolas gaúchas realizavam festejos no dia da abolição e as crianças negras sofriam piadas, o que geralmente acabava em brigas. “Era comum comentários como: ‘vocês foram escravos’! Havia escolas que apresentavam peças de teatro em que as crianças faziam o papel de escravos e prestavam homenagens à princesa Isabel”, conta.

Uma história curiosa é que os universitários foram confundidos com a Vanguarda Armada Revolucionária Popular (VAR-Palmares), que combatia o regime de 1964. O grupo foi até chamado pela Polícia Federal para depor. “Nos ouviram e perceberam que não havia ligação com o grupo político”, ressalta.

O Grupo Palmares encerrou as atividades no fim da década de 1970, porque, segundo Silva, o objetivo dos ativistas já havia sido alcançado. Em seguida, a causa foi assumida pelo Movimento Negro Unificado (MNU), que, com base nas pesquisas dos gaúchos, oficializou a data. Em 1978, o escritor paulista Osvaldo de Camargo, em um evento realizado pelo MNU, em Salvador, propôs que 20 de novembro fosse o Dia da Consciência Negra.

COMENTÁRIOS
Ubirajara P. Martins - 03/04/2012 - 13h47
gostaria de encontrar obras do poeta Oliveira Silveira, especialmente o livro Germinou.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Reconhecimento do Areal da Baronesa será votado em até um mês
Quilombolas lutam para preservar a própria história
Imagem mostra a edição do evento no Rio de Janeiro
Evento para mulheres negras ocorre em Porto Alegre neste sábado
Órgãos sociais defendem engajamento estudantil nas políticas públicas de saúde
A presidente do Conselho Nacional de Saúde, Maria do Socorro de Souza, pediu que os jovens se interessem pelos conselhos de saúde e ajudem a fortalecê-los
Pesquisa diz que 94% dos moradores das favelas do país se dizem felizes
A pesquisou foi transformada no livro  Um País Chamado Favela, lançado oficialmene hoje (14) no Rio de Janeiro