Porto Alegre, segunda-feira, 21 de janeiro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7700 3,7720 0,37%
Turismo/SP 3,7300 3,9300 0,51%
Paralelo/SP 3,7400 3,9400 0,51%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
175235
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
175235
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
175235
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

energia Notícia da edição impressa de 21/12/2011

Rio Grande do Sul contará com mais 119 MW eólicos

Jefferson Klein

Aprodução de energia eólica no Rio Grande do Sul continuará crescendo nos próximos anos. O leilão de energia promovido ontem pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) registrou a comercialização de mais 119,6 MW eólicos de potência instalada, que serão implantados nos municípios de Osório, Palmares do Sul e Viamão.

A empresa Enerfin desenvolverá 72 MW em Palmares do Sul e outros 22 MW em Osório. Em ambas as cidades o grupo já verifica a operação de parques eólicos. Em Viamão, a Oleoplan construirá 25,6 MW. O presidente da companhia, Irineu Boff, informa que o complexo deve ser concluído em 2014. Pelo contrato, o parque eólico só precisaria entregar a energia para as distribuidoras que compraram no leilão em 2015. No entanto, a ideia é antecipar o cronograma para vender durante um ano a energia no ambiente de mercado livre (composto por grandes consumidores que podem escolher de quem vão adquirir a energia). Boff estima em aproximadamente R$ 100 milhões o investimento nessa nova usina eólica.

Antes desse empreendimento, a Oleoplan deve finalizar no próximo ano a construção de um parque eólico de 10,8 MW também em Viamão. Esse projeto comercializou sua geração de energia em um leilão realizado em agosto do ano passado. "A nossa empresa acredita nesse setor e estamos avançando nessa área", destaca o dirigente. Ele adianta que o grupo estará presente no próximo leilão de energia, marcado para março do ano que vem.

No total, habilitaram-se para participar do certame de ontem 231 projetos (hidrelétricos, termelétricos e eólicos), que somaram 6.286 MW de potência instalada. O Estado inscreveu 58 projetos eólicos (1.515 MW) e duas pequenas centrais hidrelétricas (48 MW). O leilão resultou na contratação de 42 projetos, com capacidade instalada total de 1.211,5 MW (cerca de um terço da demanda média de energia do Rio Grande do Sul). O preço médio ao final do certame foi de R$ 102,18/MWh, alcançando um deságio médio de 8,77%. O evento atendeu a 100% da demanda das concessionárias de distribuição, que contrataram a energia negociada.

As usinas serão instaladas nos estados do Rio Grande do Sul, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo, e implicarão investimentos da ordem de R$ 4,3 bilhões. Assim como nos últimos leilões de geração realizados, a fonte eólica foi o grande destaque desta licitação, com 39 projetos contratados somando 976,5 MW. Este montante equivale a 81% da potência total negociada. A hidrelétrica de São Roque, em Santa Catarina, foi arrematada pela empresa Desenvix ao preço de R$ 91,20/MWh - deságio de aproximadamente 35% em relação ao preço inicial de R$ 123/MWh.

Na avaliação do presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Mauricio Tolmasquim, o certame foi muito bem-sucedido, na medida em que toda a demanda foi atendida integralmente por fontes renováveis. "É importante destacar que a contratação de usinas eólicas e hidrelétricas é muito interessante para o País, já que se trata de duas fontes renováveis e complementares entre si", observa o presidente da EPE.

"Estamos muito felizes, pois esperávamos dominar o leilão e foi isso o que aconteceu", enfatiza a presidente-executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), Élbia Melo. Ela diz que a expectativa é de que a fonte eólica repita o bom desempenho no próximo leilão. A sócia da área de Impostos da Ernst & Young Terco em Fortaleza, Maria do Carmo Leocádio, concorda que, considerando o cronograma de contratação projetado para os próximos dez anos, apresentado pelo governo federal para o mercado regulado, a tendência é de o Brasil manter o crescimento no setor de energias renováveis.

COMENTÁRIOS
Carlos Rodrigues Sarti - 21/12/2011 - 05h14
Compram o kilowatt hora por 10 centavos e nos revendem por 60 centavos. Bom negócio.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Decisão judicial a favor da Abrace implica nova alta na conta de luz, diz Aneel
Agência livrou associados da Abrace do pagamentos de parte dos programas do fundo setorial Conta de Desenvolvimento Energético
Ministério cogita queda de até 2% no consumo de energia em 2015
Pior cenário cogitado aponta retração mais acentuada do que aquela estimada pela Empresa de Pesquisa Energética em julho
Governo ainda não definiu modelo de pagamento de indenizações ao setor elétrico
De acordo com Aneel, a única certeza neste momento é a inviabilidade desse custo ser incorporado à tarifa
Cemig irá disputar suas 18 usinas em leilão de outubro, diz presidente
O presidente da Cemig disse que a companhia irá disputar as 18 usinas antigas que eram controladas por ela e que irão a leilão no dia 30 de outubro