Porto Alegre, quinta-feira, 15 de novembro de 2018.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
26°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7880 3,7900 1,09%
Turismo/SP 3,7900 3,9800 0,25%
Paralelo/SP 3,8000 3,9900 0,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
239052
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
239052
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
239052
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 23/11/2011

Sucateamento das Forças Armadas

Os comandantes militares das Forças Armadas encaminharam ao Palácio do Planalto documento sigiloso sobre a real situação da defesa nacional que mostra o sucateamento dos equipamentos. O professor de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e doutorando da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, Vitelio Brustolin, explica o porquê da situação de sucateamento das Forças Armadas que com essa realidade esvaziam, inclusive, as pretensões do Brasil de obter uma cadeira permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas. “É chocante a situação da nossa defesa, não tanto pelo que se tornaram os equipamentos, mas o abandono generalizado.” Argumenta que a “defesa tem um orçamento alto. Não é pouco que se gasta em defesa no Brasil. De todos os ministérios da União, é o terceiro que mais recebe recursos. Só fica atrás da Previdência e da Saúde”.

Contingenciamentos para folha

Há, no entanto, um bom motivo para as reclamações de sucateamento. Os recursos, que sofrem constante contingenciamento, são utilizados da seguinte forma: 80% (R$ 40 bilhões) do montante é destinado para as Forças Armadas saldar a folha de pagamento, sendo que desse total, 63% (R$ 25,2 bilhões) servem para pagar os 330 mil inativos e pensionistas. Sobra muito pouco, só 5%, para custeio que é exatamente a manutenção do equipamento. Para investimentos restam apenas 3%. Na avaliação do professor Vitelio Brustolin, o mais grave é que não se tem uma visão de como seria útil a defesa para fins científicos. Ao contrário do que acontece nos Estados Unidos. “Todo mundo critica os americanos que investem em defesa. Mas na verdade a política norte-americana é de ciência, tecnologia e defesa. Então, muitas das tecnologias desenvolvidas para a Defesa acabaram tendo utilização no mercado civil, como, por exemplo, o computador, o telefone celular, a internet, a fibra ótica, o micro-ondas, o GPS. Todas essas tecnologias foram geradas no período pós-Segunda Guerra, na corrida da Guerra Fria contra a ex-União Soviética e elas acabaram entrando no mercado civil. Então, a gente tem no País investimentos de Estado que vêm se desenvolvendo  há décadas, como o submarino nuclear”,explicou.

Modernização da Defesa

Mas o governo não vê um sucateamento. Para o Palácio do Planalto, os recursos da Defesa são direcionados para investimentos em profissionalização e modernização das Forças Armadas. “As políticas dos últimos anos são todas com o objetivo de qualificar as Forças Armadas”, afirmou o deputado gaúcho Henrique Fontana, do PT,  titular da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional. Ele explica que é política do governo aumentar o uso de produtos nacionais na defesa. Mas admite certo abandono. “É verdade que as Forças Armadas vivem um momento de escassez. Ainda temos débitos que precisamos resgatar”, disse.

COMENTÁRIOS
Márcio - 23/11/2011 - 14h20
Não ficaria acanhado, caso fosse colonizado pelos ingleses nos dias de hoje. Talvez limpasse a imundície deixada pelos portugueses e nos fizesse ter uma história. E um povo também, quem sabe?


Silva -
12/12/2011 - 23h21
A verdade: quando algum país resolver atacar o Brasil para ficar com uma parte do pré-sal, amazônia, etc, não terão nenhuma dificuldade. A Dilma está simplesmente entregando o Brasil de graça para quem quiser ao agir desta forma para com nossos militares. Parece que o PT se esqueceu que ele estando no poder precisa zelar pela segurança do país e para tanto, precisa de FFAA realmente fortes. Continuem com esse revanchismo tolo, e vocês verão o resultado. Por que será que falam tanto em internacionalização da amazônia? ABRA O OLHO, BRASIL!

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Golpe e corrupção
A sessão desta quinta-feira na Câmara deverá ser marcada principalmente por duas palavras: golpista e corrupto
Depósitos judiciais
Está sendo discutido no Supremo Tribunal Federal (STF) o uso de depósitos judiciais para pagar despesas públicas
Estatuto do Desarmamento
A comissão especial que trata do projeto de lei que revoga o Estatuto do Desarmamento deve votar o relatório do deputado Laudívio Carvalho (PMDB-MG) hoje
Brasil chinês
A Câmara dos Deputados aprovou a urgência na tramitação do projeto de lei que regula a compra de terras brasileiras por estrangeiros