Porto Alegre, quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
28°C
32°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,3630 4,3650 0,11%
Turismo/SP 4,3100 4,5900 0,52%
Paralelo/SP 4,3200 4,5800 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
798418
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
798418
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
798418
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

CONJUNTURA Notícia da edição impressa de 23/11/2011

Crescimento pode ser zero no terceiro trimestre

Para secretário-executivo da Fazenda, no entanto, já há sinais de recuperação

O secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, disse ontem que os indicadores apontam que o crescimento econômico brasileiro no terceiro trimestre de 2011 pode ser zero. No entanto, afirmou ele, já há sinais de uma recuperação da economia no quarto trimestre.

Barbosa disse que, depois da divulgação oficial do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, o governo pode reavaliar suas projeções. Ele destacou que, por enquanto, as estimativas para o crescimento da economia no ano variam de 3,2%, na expectativa do mercado, a 3,8%, que é a previsão do governo. Segundo ele, a moderação do crescimento da economia ocorreu em função do cenário internacional e de medidas adotadas pelo governo para melhorar as contas públicas e conter a inflação.

O secretário avaliou que as medidas já tomadas pelo governo este ano garantem uma expansão do PIB em ao menos 4% no ano que vem. Segundo ele, porém, uma aceleração para até 5% de crescimento ainda dependeria de novas ações governamentais. "Para chegar a 5% depende de ações do governo, cabe ao governo dar direção às expectativas. Para 2012, esperamos nova expansão do investimento público", afirmou, durante apresentação em evento que fez um balanço do andamento da segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2).

Entre as medidas já tomadas que teriam efeito em 2012, Barbosa citou o aumento previsto para o salário-mínimo em janeiro, as desonerações do Simples e do plano Brasil Maior, além do impacto defasado das reduções na taxa básica de juros ocorridas no segundo semestre deste ano. Segundo ele, o crédito livre deve retomar a trajetória de crescimento. "Já a política fiscal será neutra, não vai estimular nem puxar para baixo o crescimento. Vamos cumprir a meta cheia de superávit", completou Barbosa.

O secretário analisou que, mantida a condução da atual política econômica, será possível que o Banco Central continue com a trajetória de queda dos juros até 2014. Ele destacou que a taxa de juros no Brasil começou a cair no início do governo Lula, com a estabilização da economia, e continua com tendência de queda. Segundo ele, o mais importante para baixar os juros neste momento é a ampliação dos investimentos no País para aumentar a capacidade produtiva brasileira.

Ele destacou a revisão, na semana passada, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dos dados de investimento em 2009. Disse que a revisão passou despercebida, mas deve alterar os dados de 2010 e 2011. "A implicação para 2010 e 2011 a gente não sabe, mas muda a referência", destacou. A taxa de investimento em 2009 subiu em 1,2 ponto percentual para 18,1% do PIB.

Inflação deve cair a patamar abaixo de 5% em 2012

O secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, avaliou que a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve desacelerar para um patamar inferior a 5% em 2012. Para 2011, completou, a evolução de preços deve se manter dentro do intervalo superior da meta (de 6,5%), "apesar dos choques internos e externos que elevaram a inflação".

Para Barbosa, entre os fatores que levarão à desaceleração da inflação está a perspectiva de estabilidade ou queda nos preços internacionais das commodities. Além disso, acrescentou, alguns preços monitorados - como o de energia elétrica - terão reajustes menores em 2012. "Também esperamos maior estabilidade nos preços do etanol, ao contrário do choque que houve em 2011", completou.

Apesar das incertezas que pairam sobre as economias dos Estados Unidos e da Europa para o próximo ano, o secretário executivo da Fazenda avaliou que a atual crise nos países avançados não deve se transformar em uma crise financeira nos moldes da que ocorreu em 2008. "É provável que os EUA tenham um ano de baixo crescimento e que a Europa passe por uma recessão, mas crise não deve afetar seriamente o sistema bancário mundial", afirmou Barbosa.

COMENTÁRIOS
Nina Caleffi Scaletscky - 24/11/2011 - 16h05
O PIB NAO TEM COMO SER ZERO, O CRESCIMENTO SIM. VCS DEVERIAM PRESTAR MAIS ATENÇAO NESSES DETALHES!!!


Maria Gedoz Tieppo -
24/11/2011 - 16h12
Prezado Jornalista, NAO EXISTE PIB ZERO. Siceramente, esse erro absurdo e inaceitável em qualquer jornal, principalmente um de COMÉRCIO. Por favor, leiam, pesquisem, estudem antes de escrever. Não é possível que alguém formado em jornalismo escreva uma bobagem dessas. Nao vale a pena ler um jornal que nao faz nem ideia do que está escrevendo nos títulos, imagina entao o que deve vir no desenvolvimento!


Philipp Moser -
24/11/2011 - 16h14
Prezado Jornalista, NAO EXISTE PIB ZERO. Siceramente, esse erro absurdo e inaceitável em qualquer jornal, principalmente um de COMÉRCIO. Por favor, leiam, pesquisem, estudem antes de escrever. Não é possível que alguém formado em jornalismo escreva uma bobagem dessas. Nao vale a pena ler um jornal que nao faz nem ideia do que está escrevendo nos títulos, imagina entao o que deve vir no desenvolvimento!


Redação JC -
24/11/2011 - 16h18
Caros leitores, De fato, o título, que foi manchete na edição desta quarta-feira do JC, não é apropriado. Estamos ajustando a notícia, adotando o título da matéria. Obrigado.


Nina Caleffi Scaletscky -
24/11/2011 - 16h47
Nós esperamos que as devidas providências sejam tomadas. E se um dia o pib for zero [hahahaha], nos avisem, assim poderemos fugir do país a tempo.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Recompra de dívidas se torna atraente para bancos brasileiros, diz Fitch
A agência de classificação de risco Fitch apontou em relatório que alguns bancos pequenos e médios brasileiros têm buscado recomprar dívidas abaixo do valor de face
Awazu fala em vigilância para assegurar convergência da inflação à meta em 2016
O diretor de Política Econômica do Banco Central, Luiz Awazu Pereira, afirmou nesta quinta-feira (24) que é preciso manter a vigilância para assegurar a convergência da inflação para a meta ao fim de 2016
Tombini diz que País passa por 3 ajustes importantes: externo, fiscal e monetário
Segundo o presidente, movimento é resultado de uma economia que está em contração, mas também do ajuste de preços, o que reduz a necessidade de financiamento do país em 2015
Câmbio e inflação presente dominam as previsões de 2016, segundo BC
Em estudo apresentado no relatório trimestral de inflação o BC resolveu investigar mais a fundo as determinantes das expectativas de inflação e a inércia inflacionária