Porto Alegre, segunda-feira, 21 de janeiro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7700 3,7720 0,37%
Turismo/SP 3,7300 3,9300 0,51%
Paralelo/SP 3,7400 3,9400 0,51%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
983422
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
983422
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
983422
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Cinema Notícia da edição impressa de 22/11/2011

Livro e documentário celebram os 25 anos da APTC

Priscila Pasko

APTC/DIVULGAÇÃO/JC
Giba Assis Brasil é fio condutor de documentário sobre a produção gaúcha, também resgatada em livro
Giba Assis Brasil é fio condutor de documentário sobre a produção gaúcha, também resgatada em livro

Falar sobre o cinema gaúcho sem citar a Associação Profissional de Técnicos Cinematográficos (APTC) é ignorar a trajetória comum entre os dois. “Ela está implicada em tudo o que criou o mercado de cinema nestes últimos anos. A importância da APTC é a de continuar pressionando os governos em vários níveis para que se tenha uma política pública para audiovisual, além de avaliar quais os mecanismos são mais adequados para difundir o cinema local”, conta o ex-presidente da entidade, Jaime Lerner.

É para celebrar os 25 anos que a entidade lança hoje, às 19h, no Santander Cultural (Sete de Setembro, 1.028), o livro APTC 25 anos: eles só queriam fazer seu próximo filme junto ao documentário APTC 25 anos - Menos corta e mais ação. Resultado de uma parceria com a Ufrgs através da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, o livro conta com informações e entrevistas com dirigentes e ex-dirigentes da APTC.

Coordenador dos projetos dos 25 anos da APTC, Lerner explica que a intenção da entidade era que o livro e o filme não “tivessem uma cara institucional”: “O objetivo é mostrar as conquistas políticas de mercado, dos editais e transparência e as atividades de formação nos últimos 25 anos”. Além disso, Lerner destaca que um dos grandes méritos da associação é que, apesar de ser uma entidade pequena, sua atividade é ininterrupta. “Nunca estivemos perto de fechar as portas. É um feito histórico.”

A melhor forma encontrada por eles para contar a trajetória da APTC no cinema foi trazer o olhar da nova geração sobre aqueles que ajudaram a construir a sua história. Para isso, os alunos de curso Produção Audiovisual da Pucrs abraçaram o projeto. Com direção e roteiro de Emiliano Cunha e Abel Roland, o documentário conta com imagens de filmes e depoimentos de realizadores.

O documentário APTC 25 anos - Menos corta e mais ação colhe depoimentos dos presidentes de diversas épocas da associação. “Colocamos em prática a ideia de fazer uma busca atrás do Giba Assis Brasil, que representava o espírito de luta, representação e de conquistas bastantes árduas para o cinema gaúcho. E é através destes relatos que a história do filme é construída”, conta Cunha. Durante as entrevistas, cada um apresenta um panorama de sua gestão, do cenário político do Estado e do Brasil, além de passar sua impressão sobre a figura de Giba Assis Brasil.

“Aprender com a história do cinema gaúcho foi fantástico. Tivemos contato com gente de renome nacional e internacional”, conta o diretor Emiliano Cunha. A origem da APTC remete a uma época de engajamento da parte da categoria cinematográfica. No entanto, Lerner aponta que tal comportamento não parece estar tão presente atualmente, postura considerada “generalizada” por ele. “Na época em que a APTC começou, não existia mercado de cinema no Rio Grande do Sul. Não tinha essa de ‘viver de fazer cinema’. Hoje, vejo que as pessoas não sentem a necessidade urgente de se engajar. Mas se não mantivermos esta militância, tudo que a gente conseguiu vai por água abaixo.” Em outras palavras, menos “corta!” e mais “ação!”.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Evereste retrata tragédia ocorrida na maior montanha do planeta
Evereste é drama épico de gelar os ossos
Regina Casé vive a empregada Val, que cria filho da patroa em Que horas ela volta?
Que horas ela volta? é um retrato de um Brasil
Aos 53 anos e sem dublês, Tom Cruise retorna pela quinta vez na série Missão impossível
Franquia Missão Impossível retorna aos cinemas
Mesmo fora da competição, longa de Anna Muylaert arrebatou a plateia
Festival de Gramado: Que horas ela volta? arrebata a plateia