Porto Alegre, segunda-feira, 17 de janeiro de 2022.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
148236
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
148236
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
148236
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Mercado Financeiro Notícia da edição impressa de 18/11/2011

Standard & Poor’s eleva rating do Brasil

Classificação reflete a capacidade do País para saldar compromissos financeiros

Em meio à crise econômica mundial, agência de classificação Standard & Poor's informou nesta quinta-feira que elevou o rating soberano de longo prazo do Brasil de BBB- para BBB, e o rating de longo prazo da moeda de BBB+ para A. Ao mesmo tempo, reafirmou os ratings de curto prazo para País de A-3 para moeda estrangeira e A-2 para a moeda local. A perspectiva do País é estável. A nota de classificação de risco de uma empresa ou país, o rating, é uma opinião sobre a capacidade desses agentes saldarem seus compromissos financeiros.

Segundo divulgou em nota, a administração de Dilma Rousseff demonstrou seu compromisso com metas fiscais, alargando o escopo para usar os instrumentos de política monetária para influenciar a economia doméstica. O diretor de rating soberano da S&P, Sebastian Briozzo, afirmou que a administração austera das contas públicas pelo governo federal foi fundamental para que a agência elevasse o rating soberano do Brasil. "Precisamos de algum tempo para avaliar o desempenho da economia pela administração da presidente Dilma Rousseff e comprovamos que vários indicadores, especialmente os fiscais, apresentaram um desempenho positivo", destacou.

Ele referiu-se à decisão do governo de cumprir um superávit primário cheio de R$ 117,89 bilhões neste ano. No dia 29 de agosto, quando a crise internacional ingressava no seu estágio mais grave neste ano, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou que esse resultado foi aumentado para R$ 127,89 bilhões.

De acordo com Briozzo, as manifestações do governo, por parte de várias autoridades, como Mantega, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, e pelo secretário-executivo da Fazenda, Nelson Barbosa, de que o superávit primário cheio é a meta também para 2012, 2013 e 2014 foi outro elemento essencial para a elevação do rating do País. "O compromisso fiscal de médio e longo prazo também foi um fator importante para a nossa decisão", destacou. "A questão fiscal é um elemento decisivo que permite ao Banco Central dar continuidade ao processo de queda dos juros", destacou.

Por meio de nota, o Ministério da Fazenda afirmou que a decisão da S&P de melhorar a classificação de risco do Brasil "em um momento delicado da economia internacional é um reconhecimento de que a política econômica encontra-se na direção correta e de que são sólidos os fundamentos macroeconômicos do País". "Numa conjuntura em que vários países têm sofrido rebaixamento de suas classificações de risco e governos têm-se enfraquecido por conta de problemas econômicos, o anúncio da agência de rating evidencia o sucesso da gestão da economia brasileira em seu objetivo de fortalecer o País", continua a nota.

No mês passado, outra agência de classificação de risco, a Fitch, confirmou a nota de risco BBB do Brasil, com perspectiva estável. O rating BBB do Brasil foi obtido em abril, quando a Fitch elevou a nota soberana de crédito do País.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Ibovespa melhora, mas não escapa da 5ª queda seguida
Bovespa trabalhou parte da tarde desta quinta-feira em alta, mas não conseguiu escapar de terminar no vermelho
Juro futuro tem forte queda após ações do BC e Tesouro
Sessão de negócios teve dois momentos completamente distintos, com forte alta pela manhã e forte baixa à tarde
O mercado de câmbio teve dois momentos completamente distintos nesta quinta-feira
Dólar perde fôlego após fala de Tombini e cai 2,15% em dia de variações extremas
Em dia de recuo do dólar, petróleo fecha em alta após 2 dias de baixas
Os preços do petróleo subiram nesta quinta-feira (24) recuperando terreno depois de dois dias consecutivos de quedas, em dia de baixa do dólar diante do iene e do euro