Porto Alegre, sexta-feira, 14 de dezembro de 2018.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
30°C
32°C
23°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9070 3,9090 0,72%
Turismo/SP 3,8700 4,0700 0,24%
Paralelo/SP 3,8800 4,0800 0,24%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
141842
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
141842
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
141842
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Pesquisa Notícia da edição impressa de 07/11/2011

Estado é o 6º no índice Firjan de Desenvolvimento

O Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (IFDM) aponta recuo do Rio Grande do Sul de 0,7% entre 2008 e 2009. O indicador leva em conta três fatores (educação, saúde e emprego e renda). No item emprego e renda, o Estado ficou em 5º lugar entre os estados brasileiros, em consequência da queda de 7,2% da produção industrial e redução no ritmo de contratações de 90 mil para 64,2 mil empregos no período.

A saúde gaúcha, com leve aumento de 0,6% (3º lugar no ranking nacional) carrega o histórico de alto grau de desenvolvimento, mantendo 96,3% dos municípios no nível moderado a alto entre 2000 (primeiro ano da pesquisa) e 2009. Entre os 500 melhores municípios do País nessa vertente, 165 estão no Rio Grande do Sul, com destaque também para o Paraná (118 cidades) e São Paulo (95).

Três cidades atingiram a nota máxima no ranking nacional de saúde: Lobato e Rancho Alegre do Oeste, ambos no Paraná, e Santo Antonio do Palma (RS) - município desmembrado de Casca em 1992. A educação gaúcha teve crescimento moderado de 3% no período, ficando em 5º no País.

Algumas das cidades responsáveis por manter o Rio Grande do Sul ainda no topo do ranking, em 6º lugar no quadro geral - atrás de São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Minas Gerais - são Bento Gonçalves, Farroupilha e Lajeado, as únicas três gaúchas entre as cem mais desenvolvidas do Brasil. Em comum, as três cidades têm queda na empregabilidade, mas crescimento em educação e saúde. As últimas colocadas no Estado são Barra do Quaraí, Pedras Altas e São Valério do Sul.

Porto Alegre ficou em 11º entre as capitais, recuando, como o Estado, 0,7% em relação ao ano anterior, mas com acréscimo de 16,9% na variação da década, e manteve altas as variáveis de saúde e emprego e renda.

O IFDM da Firjan revela expansão de 2,6% na área de educação no País em 2009, em relação a 2008, entre os 5.565 municípios brasileiros. Esse crescimento se deve, principalmente, às melhores notas da edição do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2009.

"Em 2009, os municípios brasileiros alcançaram a média estipulada pelo Ministério da Educação para 2011", disse o gerente de Estudos Econômicos da Firjan, Guilherme Mercês. Pela primeira vez, os municípios de Dolcinópolis e Oscar Bressane, ambos situados em São Paulo, obtiveram a nota máxima nessa variável. O pior resultado ficou com Piraí do Norte (BA). No ranking dos 100 melhores municípios brasileiros em educação, 98% são paulistas.

Mercês lembrou, contudo, que em comparação aos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil ainda permanece em posição desfavorável no campo da educação. Ele indicou a necessidade de mais ações governamentais nessa área. "Se até a década de 2000, a discussão era colocar as crianças na escola, hoje o grande desafio é a qualidade da educação fornecida às crianças brasileiras."

Em termos de saúde, o aumento apurado pelo IFDM para o Brasil atingiu 0,9% em 2009, concedendo a essa vertente a posição de alto desenvolvimento. Guilherme Mercês chamou a atenção para o fato de que o índice mede a atenção básica de saúde, que é de competência constitucional dos municípios.

O estudo da Firjan mostra ainda que todos os estados das regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste, incluindo o Distrito Federal, alcançaram alto grau de desenvolvimento na área de saúde. O ranking por estados foi liderado pelo Paraná, seguido de São Paulo e do Rio Grande do Sul.

São Paulo registra 14 municípios entre os melhores do ranking

O estado de São Paulo continuou liderando em 2009 o ranking dos municípios de maior desenvolvimento do Brasil, de acordo com o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal (IFDM), divulgado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio.

Em 2009, a primeira colocação foi alcançada por Barueri, que se mantém entre as dez cidades de alto desenvolvimento desde a primeira edição do IFDM, em 2008. Entre os 15 melhores municípios do Brasil em termos de desenvolvimento, apenas um - Lucas do Rio Verde (MT) - não é paulista.

"Lá tem importante cultivo de commodities, como soja, milho e algodão", disse o economista Guilherme Mercês, gerente de Estudos Econômicos da Firjan. Commodities são produtos agrícolas e minerais comercializados no mercado internacional.

Em contrapartida, o Maranhão, por meio do município de São Felix das Balsas, teve a pior posição no ranking geral de desenvolvimento. O IFDM de 2009 mostra ainda que, pela primeira vez, outras capitais, além de São Paulo, Vitória e Curitiba, entraram no rol das 100 melhores cidades do País. Elas são Florianópolis, Campo Grande, Belo Horizonte, Palmas, Rio de Janeiro e Goiânia.

Mercês destacou que Palmas, capital do Tocantins, foi o primeiro e único município da região Norte que chegou aos 100 melhores do Brasil, "por conta, principalmente, de incrementos na área de emprego e renda. No ambiente de crise, conseguiu se destacar".

Em relação à cidade do Rio de Janeiro, o economista da Firjan explicou que a inclusão entre os 100 municípios de maior desenvolvimento é resultado dos avanços registrados no setor de educação. A capital fluminense apresentou as melhores notas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). "O Rio de Janeiro manteve um alto índice de emprego e renda, por conta principalmente do setor petrolífero."

De acordo com o estudo, em termos absolutos, o estado de São Paulo apresenta o maior número de municípios (168) incluídos entre os 500 melhores em emprego e renda, seguido de Minas Gerais (51) e do Rio Grande do Sul (48). Em termos relativos, isto é, quando se considera o número de cidades em cada estado, o Rio conseguiu incluir 29 dos seus 92 municípios entre os 500 melhores do IFDM Emprego e Renda, refletindo o bom momento da economia fluminense.

O único município, entretanto, a receber nota máxima do IFDM Emprego e Renda foi Ipojuca (PE), enquanto Tarrafas (CE) ficou em último lugar. Guilherme Mercês informou que Ipojuca é um grande centro petrolífero. "A maior refinaria do Hemisfério Sul está localizada em Ipojuca". Segundo o economista, isso reflete o início do movimento de exploração de petróleo na camada do pré-sal, que demandou mão de obra qualificada e elevou o índice de emprego e renda daquela cidade ao máximo.

Em geral, o IFDM Emprego e Renda de 2009 registrou queda de 5,2% no País, em relação ao ano anterior, em função da crise mundial, principalmente nos grandes centros econômicos. "Dos 50 maiores mercados de trabalho do País, 37 recuaram na área de emprego e renda. O impacto da crise foi bastante agudo", disse o gerente de Estudos Econômicos da Firjan.

Leia mais no caderno Empresas & Negócios

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
IBGE nega revisão de dados na Pnad referente a 2013
Os dados da pesquisa foram usados em uma análise do Instituto de Economia Aplicada
Dieese aponta queda no custo de vida, mas alerta sobre alta dos alimentos
De um total de dez grupos pesquisados, sete apresentaram aumentos, com destaque para alimentação e saúde
Apenas 33% dos brasileiros ligam felicidade a dinheiro
O quesito dinheiro veio em quarto lugar entre os itens que mais fazem as pessoas felizes