Porto Alegre, quinta-feira, 18 de julho de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
26°C
13°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7270 3,7290 0,87%
Turismo/SP 3,7100 3,9100 0,25%
Paralelo/SP 3,7200 3,9200 0,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
202699
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
202699
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
202699
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Editorial Notícia da edição impressa de 21/09/2011

Na ONU, o confronto entre Palestina e Israel

É tradição o representante do Brasil fazer o discurso inaugural da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), desde 1947, com Oswaldo Aranha. Foi justamente sob a presidência deste gaúcho que o Estado de Israel foi criado e estava previsto, igualmente, um Estado da Palestina. De lá até os nossos dias, radicalismos de ambas as partes impediram que isso se concretizasse, bem como as guerras. Mas a esperança não deve esmorecer, pois há muitos israelenses pregando a criação do Estado da Palestina como muitos árabes e palestinos pedindo o reconhecimento formal, definitivo e irreversível do Estado de Israel, com a paz que, acredita-se, virá como consequência. Por isso há expectativa para o discurso que a presidente Dilma Rousseff fará na Assembleia Geral da ONU. É provável que dê apoio à criação de um Estado da Palestina, mas pedirá também o óbvio, que as guerras e os atentados contra Israel parem. Simultaneamente, o presidente dos Estados Unidos (EUA), Barack Obama, se reuniu ontem com a nossa presidente, em paralelo à Assembleia Geral. Eles lançaram uma iniciativa de governo aberto que abrange compromissos assumidos por Brasil e EUA para assegurar a transparência e a imputabilidade nas fileiras governamentais.

Nesta quinta-feira, Dilma Rousseff colocará em discussão temas que considera fundamentais para a pauta internacional, como o combate à desigualdade social, com políticas de inclusão, apontando os programas de transferência de renda do Brasil como alternativa. Nas conversas que terá com os presidentes dos Estados Unidos, da França, Nicolas Sarkozy, do México, Felipe Calderón, e da Nigéria, Goodluck Jonathan, assim como com o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, a presidente brasileira também mencionará a Conferência Rio+20, que será realizada de 28 de maio a 6 de junho de 2012, no Rio de Janeiro. Dilma Rousseff destacará o fato de que será a maior conferência mundial sobre a preservação ambiental, desenvolvimento sustentável e economia verde, definindo um novo padrão para o setor. A previsão é reunir mais de 100 líderes mundiais nesse encontro. Também defenderá a reforma do Conselho de Segurança da ONU. Para o governo brasileiro, o órgão não reflete o mundo atual, pois mantém a estrutura dos anos após a Segunda Guerra Mundial - com 15 membros, cinco permanentes e dez rotativos. Os membros permanentes do conselho são a China, França, Rússia, o Reino Unido e os Estados Unidos. A presidente e o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, participarão ainda das reuniões bilaterais com chanceleres do Brics - bloco formado pelo Brasil, pela Rússia, Índia, China e África do Sul - e do G-4, integrado pelo Brasil, pela Alemanha, Índia e Japão, países que defendem a ampliação dos assentos no Conselho de Segurança e querem ter um lugar permanente no órgão. Quando discursar na ONU, Barack Obama tratará das mudanças ocorridas na esteira dos levantes ocorridos no Oriente Médio e no Norte da África em 2011. Obama também deve se reunir com o líder interino da Líbia, Mustafa Abdel Jalil, após a queda de Muamar Kadafi. É a esperança que se renova por um mundo melhor e mais justo.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Gaúchos não são realistas e pedem o impossível
A Assembleia Legislativa aprovou o aumento do ICMS de 17% para 18%, mas apenas no governo José Ivo Sartori (PMDB)
Na ONU, Brasil e Vaticano com boas mensagens
"A importância das regras não pode ser maior que o amor", afirmou o Papa Francisco
O debate entre a inação e os reformistas gaúchos
A Assembleia Legislativa está aprovando reformas de base para que o Rio Grande do Sul consiga voltar a crescer
As tarifas e os juros que nos atormentam a vida
Há palestrantes ganhando um bom dinheiro para dizer às pessoas como elas devem administrar as suas finanças