Porto Alegre, sexta-feira, 14 de dezembro de 2018.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
null°C
null°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8790 3,8810 0,72%
Turismo/SP 3,8600 4,0600 1,24%
Paralelo/SP 3,8700 4,0700 1,24%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
351813
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
351813
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
351813
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

LEGALIDADE - 50 ANOS Notícia da edição impressa de 26/08/2011

Militares da base aérea de Canoas impediram bombardeio ao Piratini

Suboficial enfrentou a hierarquia para resistir à ordem de ataque ao Palácio, que servia de base para Brizola

Samir Oliveira

MARCO QUINTANA/JC
Caetano Vasto conta  que mandou esvaziar  os pneus dos aviões
Caetano Vasto conta que mandou esvaziar os pneus dos aviões

O major Cassiano Pereira segurava o coldre de sua arma na cintura, vermelho de raiva. Tinha acabado de ouvir do suboficial Caetano Vasto que não iria haver bombardeio ao Palácio Piratini.

Era uma segunda-feira, 28 de agosto de 1961, e, apesar do rigoroso inverno, a base aérea de Canoas fervilhava. Doze caças estavam a postos, municiados com uma bomba de 130 quilos em cada asa.

Dependiam apenas de uma ordem para decolar e despejar a carga sobre a sede do governo gaúcho e sobre as pontes do rio Guaíba e do rio Gravataí. O comando veio direto de Brasília, via rádio, em mensagem codificada. Mas esbarrou na determinação de Caetano Vasto e de um grupo de sargentos e suboficiais da Aeronáutica.

Enquanto os ministros militares tramavam para barrar a posse do vice-presidente João Goulart, que estava em viagem oficial à China, Vasto e seus colegas agiam para impedir uma guerra no Rio Grande do Sul.

Com a renúncia de Jânio Quadros no dia 25 de agosto de 1961, o governador Leonel Brizola liderava um levante popular contra a tentativa de golpe de Estado em curso pelos chefes das três armas.

O caudilho mobilizou a Brigada Militar, fez erguerem barricadas na Praça da Matriz e ordenou que fossem colocadas metralhadoras antiaéreas no terraço do Palácio Piratini. Brizola queria estar preparado para o caso de um ataque aéreo.

E o ataque só não aconteceu porque Vasto - o suboficial mais antigo em atividade no local - e cerca de 25 sargentos se negaram a acatar a determinação do comando. “Desobedecemos a uma ordem superior. Mas eles iriam desobedecer a outra muito maior: a Constituição”, observa, aos 84 anos, o militar, que, à época, trabalhava na seção de equipamentos do esquadrão de caça.

Vasto lembra que, já no domingo 27 de agosto, dois dias após a renúncia de Jânio, 12 dos 16 aviões da base foram equipados com bombas e estavam preparados para levantar voo. E no dia 28 veio a ordem para que os caças decolassem.

Vasto reuniu seus subordinados e disse: “Vocês sabem que esses aviões estão prontos para uma guerra”. De imediato, todos concordaram em resistir à ordem de bombardeio.

Logo após a posição dos sargentos chegar ao comandante do esquadrão de caça, major Cassiano Pereira, soou uma sirene e a voz que saía do alto-falante exigia a presença imediata dos subordinados no hangar da base.

De frente com seu superior, Vasto disse: “Comandante, sabemos que o senhor tem ordens para bombardear o Palácio Piratini e não iremos permitir que isso aconteça”.

Furioso com o desacato do suboficial, o major bradou: “Isso é uma ordem! E ordem se cumpre!”. Ao que Vasto rebateu, certeiro: “Não. Essa ordem não se cumpre”.

Iracundo, o major colocou a mão no coldre de sua arma, pronto para puxá-la. E um oficial que estava ao seu lado apontou uma metralhadora Thompson de calibre 45 na direção de Vasto. “Vamos chumbar o dente do sub”, ameaçou.

Vasto e seus colegas estavam desarmados, sem condições de reagir ao ataque iminente. Foi então que um grupo de sargentos da infantaria e de outras subunidades da base entrou no hangar e debelou o comandante e o oficial. “Aqueles segundos foram uma eternidade”, recorda Vasto, com os olhos fechados e a mão na testa, visivelmente abalado pela intensidade das lembranças.

Com o comandante do esquadrão de caça entrincheirado em sua sala, Vasto e os sargentos organizaram o boicote ao ataque. A solução encontrada foi esvaziar os pneus dos aviões.

“Tiramos 20% do ar em cada pneu e os caças ficaram rengos. Aí conseguimos dormir tranquilos”, conta o militar. E, para evitar que enchessem as rodas, os sargentos providenciaram a “perda” das chaves que davam acesso ao gerador responsável por ativar a bomba que enche os pneus.

Ao recordar tudo o que aconteceu, Vasto percebe que cometeu uma loucura. “Poderia ter levado um balaço. Mas não podia permitir que se derramasse o sangue dos nossos irmãos brasileiros”, comenta.

Na prática, iria sofrer as consequências de sua atuação em 1961 após o golpe deflagrado em abril de 1964. Marcado como um militar “legalista”, foi convidado a passar para a reserva em 1968. “Um oficial amigo meu disse que era melhor eu ir para a casa antes que me acontecesse alguma coisa”, lembra.

Prestes a completar 85 anos, em 2 de setembro, Vasto ainda empunha uma última batalha: a luta pelas promoções a que tem direito. Militar reformado como suboficial, ele busca a graduação que lhe foi negada. Poderia, como muitos de seus colegas da época, chegar a major ou tenente-coronel.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR