Porto Alegre, sábado, 24 de agosto de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
16°C
23°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1220 4,1240 1,10%
Turismo/SP 4,0600 4,2800 1,18%
Paralelo/SP 4,0700 4,2900 1,17%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
353955
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
353955
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
353955
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Copa 2014 Notícia da edição impressa de 19/08/2011

Funcionária da ONU critica as remoções para obras da Copa

Relatora visitou Porto Alegre para conferir algumas das obras ligadas ao Mundial de 2014
FREDY VIEIRA/JC
Raquel percorreu a Vila Dique na Capital e fez ressalvas ao projeto
Raquel percorreu a Vila Dique na Capital e fez ressalvas ao projeto

O Brasil não está tratando de temas que envolvem condições apropriadas de habitação no preparo para a Copa do Mundo 2014. A sentença é da relatora especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para o direito à moradia adequada, Raquel Rolnik, que está em Porto Alegre para conhecer um pouco da organização da cidade como sede do evento. Apesar de relatar que o País não tem cumprido plenamente seu papel com os cidadãos atingidos pelas mudanças que os megaeventos implicam, a urbanista revela que a Capital está em um caminho melhor na comparação com cidades como Rio de Janeiro e São Paulo.

A relatora da ONU teve audiência com o prefeito José Fortunati, visitou à Vila Dique e se encontrou com o governador Tarso Genro. Além disso, conheceu as instalações do prédio Utopia e Luta, no Centro da Capital. Para Raquel, um dos principais trunfos de Porto Alegre está na proposta para remoção da Vila Tronco, considerada por ela “não excludente”. “Fiquei contente em saber do prefeito Fortunati que a Vila Tronco vai ser removida para os arredores, por indicação da própria comunidade.” Para ela, esse tipo de iniciativa pode colocar Porto Alegre em posição de destaque.

Já sobre a situação na Vila Dique, Raquel fez algumas ressalvas. Ela destacou que muitos moradores não tiveram e não têm conhecimento sobre como o processo está sendo executado, e que a distância entre a área de remoção e as novas habitações da comunidade é um entrave para a atividade dos moradores. “Há uma distância entre o projeto e o que realmente aconteceu”, afirma a urbanista.  “Você vê que tem as casas, mas a escola sequer foi construída, o posto de saúde ainda está sendo construído, na verdade não está implementado.”

Raquel critica o modelo que prioriza as obras do aeroporto em detrimento das moradias. A experiência em Porto Alegre deve ser o embrião de um segundo relatório que será enviado ao governo federal com o panorama da moradia adequada e a relação do tema com os megaeventos esportivos. Raquel relata que esse tipo de evento incide diretamente na habitação, e que desde o anúncio do Brasil como sede da Copa e das Olimpíadas, uma série de denúncias sobre as condições irregulares ocorreram.

A relatora sugere que a preparação para a Copa deve ser aproveitada como uma oportunidade de entrada de recursos para as cidades-sede.

COMENTÁRIOS
benjamin - 19/08/2011 - 10h24
O que tem que ver a ONU com um evento esportivo???????? Ordem Mundial??????


Raquel -
19/08/2011 - 14h10
Bah, sempre tem alguém como esse Benjamin para falar besteira. A ONU tem tudo a ver, principalmente ela que é relatora pelo direito à moradia adequada. A população não tem que aceitar as porcarias que a prefa de POA está fazendo e os desmandos da FIFA para sediar uma Copa. O evento tem que melhorar as pessoas e não deixar IGUAL ou PIOR do que estão. Até porque o $$ das construções, isenções para mega estádios e tudo mais é $$ nosso. Acoroda Brasil!

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Institutos europeus dizem que Brasil ‘perdeu’ com Copa
Para membros da Fifa, o impacto real da Copa no Brasil apenas será conhecido em um prazo de cinco anos
Copa elevou percepção de demanda fraca em serviços
Para a Fundação Getulio Vargas (FGV), que apura o índice, este padrão "confirma o efeito negativo da paralisação parcial das atividades durante a Copa"
Visa divulga gastos com cartões em estádios e Fan Fest
No total, foram feitas 582,3 mil transações financeiras de 12 de junho a 13 de julho nas 12 cidades-sede do mundial
Segundo ANTT, 19 mil turistas chegaram ao País de ônibus na Copa
Os fretamentos internos somaram 6.869 viagens com destino às cidades-sede, o que representa 32% do total de deslocamentos interestaduais realizados no período do Mundial