Porto Alegre, sexta-feira, 10 de julho de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
16°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
841375
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
841375
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
841375
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

CONJUNTURA Notícia da edição impressa de 15/08/2011

Brasil quer abrir novas fronteiras de exportação

Meta é entrar com força no Sudeste da Ásia, com foco na Índi
Ana Paula Aprato/JC
Teixeira diz que estudo vai orientar estratégica comercial do País.
Teixeira diz que estudo vai orientar estratégica comercial do País.

O Brasil mira novos países com o objetivo de abrir fronteiras de exportações para intensificar as relações comerciais. Para isso, os ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), da Agricultura e das Relações Exteriores e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) vão realizar missões comerciais com o intuito de alcançar o Leste Europeu, a América Central, o Caribe, o México e a África.

Outra região em que o Brasil tem interesse, apesar de demandar mais empenho para ingressar, é o Sudeste Asiático, mais especificamente a Índia. Segundo o secretário-executivo do Mdic, Alessandro Teixeira, o Brasil vai “entrar forte” nesses países e não “vai brincar de fazer negócio”. Ele destacou um estudo detalhado intitulado Estratégia Nacional de Exportações 2011-2014, que também faz parte do pacote de estímulo ao setor industrial, anunciado pelo governo federal no início do mês.

“O estudo tem toda a análise do comércio exterior por produto e por fator agregado. Mostra como vamos chegar a cada mercado, o que nós vamos exportar, para onde a gente quer crescer, quais os principais países. Tem muita inteligência comercial aqui, vamos com objetivo definido”, disse.

O levantamento identificou oportunidades de negócios para empresas de diversos segmentos como os de açúcar e álcool, adubos e fertilizantes, automotivo, de bebidas, de café, de carnes, de couro e calçados, de equipamentos médicos, farmacêutico, de máquinas agrícolas, de móveis, de produtos metalúrgicos e de químicos e têxteis.

Para este mês, estão previstas visitas à América do Sul. Entre os dias 22 e 30 de agosto, representantes de 43 empresas brasileiras dos setores de máquinas e equipamentos, casa e construção e moda e saúde vão participar das rodadas de negócios em Bogotá (Colômbia), Lima (Peru) e Santiago (Chile). Em novembro, as missões comerciais seguem para a África. Empresários brasileiros de 30 empresas vão a Angola, a Moçambique e à África do Sul buscar estratégias comerciais nas áreas de agronegócio, alimentos e bebidas, casa e construção, máquinas e equipamentos, e tecnologia e saúde.

Segundo dados da Apex-Brasil, cerca de 20 mil empresas brasileiras são exportadoras. O diretor de Negócios da agência, Rogério Bellini, destacou que o Brasil vai focar em inovação, design, tecnologia e sustentabilidade para agregar valor ao produto nacional. “O nosso desafio é levar a indústria brasileira exportadora a se distinguir e se posicionar pelo produto brasileiro, com cara brasileira. A gente acredita que vai fazer isso via design e inovação”, afirmou.

Para Bellini, esse diferencial vai fazer com que o Brasil se sobressaia na competição com outros países, principalmente a China, que tem expandido cada vez mais seu mercado de atuação. “A ideia é tornar o produto mais sofisticado. A China tem coisas muito próximas ao que produzimos atualmente, para eu continuar me mantendo equidistante da China, quero levar design, inovação”, destacou.

COMENTÁRIOS
GENTIL MAICÁ - 15/08/2011 - 09h13
Olá bomdia Achei ótimo o discurso. mas e setor de láctos o que esta sendo feito para articular exportações?


Eduardo Lopes -
15/08/2011 - 09h24
Sim. Enfim a decisão de vencer pela inovação e design. É assim que os outros fazem e estamos atrasados 100 anos nesta solução. Commodities não enchem barriga, hoje o que vale é agregar valor e o design contribui para isto. O maior problema aqui consiste em como viabilizar inovações e design quando tanta burocracia dificulta os financiamentos em P&D. Por favor, para bem do País, melhorem isto, JÁ!

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Recompra de dívidas se torna atraente para bancos brasileiros, diz Fitch
A agência de classificação de risco Fitch apontou em relatório que alguns bancos pequenos e médios brasileiros têm buscado recomprar dívidas abaixo do valor de face
Awazu fala em vigilância para assegurar convergência da inflação à meta em 2016
O diretor de Política Econômica do Banco Central, Luiz Awazu Pereira, afirmou nesta quinta-feira (24) que é preciso manter a vigilância para assegurar a convergência da inflação para a meta ao fim de 2016
Tombini diz que País passa por 3 ajustes importantes: externo, fiscal e monetário
Segundo o presidente, movimento é resultado de uma economia que está em contração, mas também do ajuste de preços, o que reduz a necessidade de financiamento do país em 2015
Câmbio e inflação presente dominam as previsões de 2016, segundo BC
Em estudo apresentado no relatório trimestral de inflação o BC resolveu investigar mais a fundo as determinantes das expectativas de inflação e a inércia inflacionária