Porto Alegre, sexta-feira, 07 de agosto de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
22°C
25°C
13°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
166899
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
166899
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
166899
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Comércio Exterior Notícia da edição impressa de 01/07/2011

Governo estuda medidas para câmbio

Ministro da Indústria, Fernando Pimentel, diz que ‘sinal amarelo está aceso’

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, revelou nesta sexta-feira, em almoço com empresários portugueses na capital paulista, preocupação com o câmbio. "O sinal amarelo está aceso", disse ele, citando que a elevação de IOF para compras no exterior não foi suficiente para reduzir as despesas de brasileiros no exterior. "Vamos ter de tomar medidas adicionais", afirmou o ministro. "No longo prazo, só tem uma forma de barrar a entrada de recursos, que é reduzindo a taxa de juros", reiterou, referindo-se à forte entrada de investimentos estrangeiros atraídos pelas altas taxas pagas no Brasil.

No evento promovido pela Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil, o ministro falou também sobre a crise econômica que atinge os Estados Unidos e países da União Europeia, destacando a posição confortável e sólida do Brasil. De acordo com o ministro, a economia brasileira está forte o suficiente para que a redução nas taxas de juros possa ser tomada. "A economia brasileira é sólida o bastante para iniciar uma trajetória neste sentido", enfatizou.

Palestrando aos empresários portugueses, Pimentel disse que, embora seja problema para as exportações, a valorização da moeda brasileira não deve mudar de patamar. Segundo ele, o grande entrave do setor, hoje, é a perda de competitividade com o mercado asiático. "Temos de recuperar nossa competitividade, sem contar com a ferramenta do câmbio e contando com o aproveitamento dos nossos recursos naturais e com a competição oriunda da inovação", afirmou.

O ministro ainda recomendou que Brasil e Portugal, que possuem uma história em comum com a África, se unam para entrar no continente africano e disputar espaço com os chineses, já que o país asiático tem tido grande participação naquele mercado para a produção de commodities.

Nesta quinta-feira, o dólar consolidou com o menor valor desde janeiro de 1999, cotado a R$ 1,561. Nas quatro sessões da BMF&Bovespa desta semana, a perda acumulada da moeda norte-americana foi de 2,68%. Em junho, a desvalorização chegou a 1,14% e, no primeiro semestre e no ano, o declínio é de 6,19%.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Mercosul ajusta ofertas de acordo comercial que serão apresentadas à UE
Os dois blocos estão negociando um acordo de livre comércio e deverão fazer a troca de ofertas comerciais até o fim do ano
EUA e Índia querem reduzir barreiras para fortalecer comércio bilateral
Os Estados Unidos e a Índia trocaram pedidos de que cada lado remova barreiras para os negócios
Banco Central reduz projeção para déficit em contas externas para US$ 65 bilhões
De janeiro a agosto, o saldo negativo ficou em US$ 46,148 bilhões, contra US$ 65,248 bilhões nos oito meses de 2014. O déficit chegou ao final do ano passado em US$ 103,597 bilhões, o que representou 4,42% do PIB
O próximo encontro realizado no Brasil será em 2017
Rio Grande do Sul quer sediar próximo Encontro Econômico Brasil-Alemanha