Porto Alegre, quinta-feira, 19 de julho de 2018.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
16°C
28°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8380 3,8400 0,15%
Turismo/SP 3,8100 4,0000 0,24%
Paralelo/SP 3,8200 4,0100 0,24%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
163880
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
163880
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
163880
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Cultura Notícia da edição impressa de 25/04/2011

Redenção de Porto Alegre

Brigida Sofia

MAURO SCHAEFER/ARQUIVO/JC
Livro retrata o parque preferido dos porto-alegrenses.
Livro retrata o parque preferido dos porto-alegrenses.

Possivelmente o parque mais simbólico da Capital, o Parque Farroupilha, ou Redenção, é o tema do livro Redenção (Paiol, 152 páginas, R$ 97,00), de Gunter Axt e Moacyr Scliar, que faleceu durante sua preparação. A obra integra a série Histórias de Porto Alegre. Mais do que um espaço propício para o chimarrão e para o Brique, o local já foi sede ou abrigo de uma infinidade de atividades de lazer, esportivas e econômicas, como corrida de cavalos, touradas, velódromo, exposições, estádio, auditório e universidade. Vários momentos estão registrados pela fotografia de Adriana Donatto, Dulce Helfer, Eurico Sallis, Luiz Eduardo Achutti, Flávio Wild e Pedro Longhi. A pesquisa histórica é de Caco Schmitt.

Axt explica que o entorno do parque é considerado parte integrante, pois a área que inicialmente ia da Praça Argentina até a avenida Venâncio Aires foi sendo ocupada aos poucos por instituições como o Colégio Militar, o Instituto de Educação, o campus da Ufrgs, o auditório Araújo Viana, o Monumento ao Expedicionário. “Vejo a Redenção como um milagre; a manutenção desta área verde até os dias de hoje”, afirma, destacando que o Hospital de Clínicas seria construído lá, o que não aconteceu devido à reação da sociedade porto-alegrense dos anos 1950, que já percebia a importância da manutenção de um recanto natural para a vida na cidade. Também tem o espírito da Redenção, a vida noturna do Bom Fim com o Bar Ocidente, a Lancheria do Parque, o Bar Lola e muito mais.

O Parque Farroupilha tomou forma de jardim nos anos 1940, combinando duas escolas paisagísticas: a francesa, mais ordenadora e aspirando dominar a natureza com jardins mais geométricos; e a inglesa, oposta a outra no sentido de aproximar o homem da natureza por meio de recantos sinuosos. A história oficial conta que em 24 de outubro de 1807 o governador Paulo Gama doou a chamada Várzea à Câmara de Vereadores, que tinha por incumbência medi-la e demarcá-la a fim de que a área não fosse alienada sem autorização régia. Já nos anos 1880, os Campos do Bom Fim converteram-se em ponto de partida para passeios de bicicleta pelos subúrbios. O ciclismo tornou-se a nova mania dos porto-alegrenses. Mas os tempos eram de mudanças, inclusive na política, e o movimento abolicionista teve muitos adeptos em Porto Alegre. Com isto, os Campos do Bom Fim em homenagem à luta em favor dos negros passaram a se chamar Redenção.

Os anos de 1910 foram de grandes transformações na estrutura da cidade, com a introdução de serviços como a coleta de lixo, a guarda municipal, o sistema de abastecimento de água, o serviço de esgotos, os bondes elétricos e outras tantas melhorias. Em 1914, no Plano de Melhoramento e Embelezamento da Capital é proposto um futuro parque, porém somente mais de uma década depois começam a surgir movimentações com o ajardinamento de parte dos Campos da Redenção.

Foi só nos anos 1930 que o Parque Farroupilha surgiu com este nome e como verdadeiramente um parque. Foi em função principalmente da exposição do centenário da Revolução Farroupilha, quando foram planejados cenários hollywoodianos para a área. Os pavilhões deixados pela festa foram removidos em 1938 e a área de lazer começou a tomar forma.

Em aberto

Nos últimos anos, a Redenção passou por mudanças e discussões. O crescimento da violência urbana trouxe a possibilidade de cercamento. O tema já era debatido há tempo quando, em 2010, a morte de um adolescente baleado durante uma briga de gangues relembrou o assunto. Para Gunter Axt, ninguém gosta de ver uma área verde fechada, pois isso restringe mobilidade, a liberdade de entrar e sair por qualquer parte, mas a opção pode ser útil. “É uma escolha difícil. Embora muitos técnicos sejam favoráveis, a comunidade aparentemente é contra e isso deve ser respeitado”, comenta.

Ele acredita que atualmente o parque está mais bem conservado que na década de 1980. A prostituição masculina na José Bonifácio permanece, mas em escala bem menor que nos ano 1990, quando provocava grandes desconfortos pelo tema ser tabu, o que não mudou. E é essa diversidade que marca a Redenção para Axt.  “É interessante ver que múltiplos públicos frequentam. Temos jovens, famílias, esportistas, meninos de rua. Além dos eventos, como a Parada Gay”, diz o autor.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Suspensão de edital da TVE acendeu debate sobre financiamento
Produtores gaúchos lutam por recursos
Joana Burd, do Acervo Independente, participa do Observatório de Economia Criativa
Ufrgs debate a economia criativa
Filósofo Kwame Appiah é atração hoje do curso de altos estudos
Kwame Appiah discute globalização no Fronteiras do Pensamento
Concerto celebra os 90 anos de Eva Sopher, que há quatro décadas luta pelo Theatro São Pedro
Eva Sopher, pequena gigante