Porto Alegre, segunda-feira, 25 de maio de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
13°C
16°C
10°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
109312
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
109312
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
109312
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Ônibus Notícia da edição impressa de 14/03/2011

Gularte quer substituir pavimento dos corredores por concreto

Nove estações serão repintadas e suas coberturas, substituída

Cláudio Isaías

ANA PAULA APRATO - JC
Estruturas na zona Leste da Capital sofrem com a ação de vândalos.
Estruturas na zona Leste da Capital sofrem com a ação de vândalos.

Os corredores de ônibus da avenida Bento Gonçalves, um dos locais que mais sofrem com atos de vandalismo em Porto Alegre, começarão a ser reformulados ainda no primeiro semestre deste ano pela Empresa Pública de Transportes e Circulação (EPTC). A estrutura construída no bairro Partenon, na zona Leste da Capital, sofre com pichações e não possui cobertura para proteger os pedestres contra a chuva. Além disso, na parte interna e externa dos abrigos são colados cartazes de espetáculos musicais.

A gerente de transportes da EPTC, Maria Cristina Ladeira, salienta que os trabalhos na avenida Bento Gonçalves serão realizados no trecho compreendido entre as estações da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs) até as proximidades da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal (Ufrgs).

Os recursos para a recuperação dos corredores serão obtidos através de um financiamento da Caixa Econômica Federal (CEF). De acordo com Maria Cristina, o processo de licitação para contratação da empresa responsável pela obra está em fase de conclusão. A previsão é de que a repintura das estações e a troca das coberturas comecem neste mês. Também estão previstas reformas nos corredores das avenidas João Pessoa, Protásio Alves, Farrapos, Assis Brasil e Terceira Perimetral para a retirada de cartazes e pichações. Porto Alegre possui 55 quilômetros de corredores de ônibus e 170 estações.

Para resolver um outro problema dos corredores de ônibus de Porto Alegre, a Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov) enviou um projeto ao Ministério das Cidades que prevê a mudança do asfalto em diversas vias da Capital onde circula o transporte coletivo. O material utilizado na pavimentação dos corredores seria o concreto. O projeto enviado pela prefeitura segue em análise pela equipe do ministério.

O secretário-adjunto da Smov, Adriano Borges Gularte, explica que o pavimento de concreto já é utilizado na Terceira Perimetral. “A durabilidade do material é o principal motivo para sua colocação nas vias que apresentam um grande fluxo de ônibus diariamente”, destaca. A manutenção dos corredores é realizada em trechos das avenidas Protásio Alves, Osvaldo Aranha, Assis Brasil, Bento Gonçalves, Farrapos e João Pessoa. “O problema é que realizamos o serviço e, não demora muito, a via volta a apresentar os defeitos que atrapalham os motoristas”, acrescenta.

A Terceira Perimetral, uma das principais vias de ligação do Norte com o Sul da Capital sem passar pela área central, utiliza o pavimento de concreto ao longo dos seus 12,3 quilômetros. A colocação do material foi motivada pelo grande fluxo de veículos na via. Além disso, foi uma exigência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que investiu US$ 38 milhões no projeto de construção da avenida.

COMENTÁRIOS
José Henrique Fleck - 14/03/2011 - 09h00
Até que enfim alguém assumiu que o pavimento de concreto é muito superior ao asfalto. Essa idéia deveria ser utilizado em muitas vias de nossas cidades! Além de proporcionar maior conforto aos motoristas, a durabilidade é muito maior!

imprimir IMPRIMIR