Porto Alegre, quinta-feira, 12 de dezembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
31°C
33°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0920 4,0940 0,67%
Turismo/SP 4,0800 4,3220 0,13%
Paralelo/SP 4,0900 4,3100 0,23%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
144925
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
144925
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
144925
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

editorial Notícia da edição impressa de 18/02/2011

Transporte coletivo é pensado de modo errado por gestores

Carros demais, estrutura viária de menos. A mobilidade urbana é a questão que se apresenta como o principal problema para o futuro das médias e grandes cidades brasileiras.

Conforme o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-RS), o Rio Grande do Sul fechou o ano de 2010 com uma frota de 4,7 milhões de veículos. O número representa um crescimento de 6,6% em relação ao ano anterior. Levando-se em consideração os novos emplacamentos, transferências e baixas, 794 veículos entram em circulação por dia no Estado, sendo que, destes, 93 só em Porto Alegre.

Diante desse cenário, que só tende a ganhar dimensões nos próximos anos, e com a impossibilidade, física e financeira, da realização de grandes obras viárias, cresce a importância dos sistemas de transporte alternativo, como as ciclovias, e de transporte coletivo nas metrópoles.

No final do mês de novembro do ano passado, Porto Alegre sediou um seminário sobre mobilidade urbana e inclusão social, promovido pela prefeitura e pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC). No evento, o superintendente da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), Marcos Bicalho, apontou os caminhos para que o atual sistema de mobilidade das grandes cidades, que ele classificou como falido, possa melhorar.

Conforme ele, as políticas públicas têm de ser feitas prioritariamente focando o transporte coletivo. Bicalho enfatizou o fato de, hoje, ser mais vantajoso usar o meio de transporte individual, pois ele é mais rápido, mais confortável e mais barato. O fato é esse: ninguém vai deixar seu carro ou sua moto em casa para utilizar o transporte coletivo se o uso deste não incorrer em vantagens em relação ao daqueles.

O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, e o diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, estavam no evento e acompanharam a apresentação de Bicalho. A recente decisão por aumentar o preço da passagem dos ônibus da Capital em 10,2% mostra que a aula dada pelo superintendente da ANTP não foi aprendida.

Se considerarmos o consumo médio de um carro popular de 1 litro de gasolina a cada 11 quilômetros rodados, e o valor do litro do combustível em R$ 2,55, vemos que a pessoa que faz um trajeto de 22 quilômetros de ida e volta a algum local, gasta, se utilizar o carro, R$ 5,10. Já se for utilizar o ônibus, gasta R$ 5,40. Somente em distâncias superiores a 11 quilômetros por trajeto o uso do ônibus seria financeiramente compensatório. Isso se considerarmos somente carros, pois, no caso de motos, um veículo de 125 cilindradas roda cerca de 35 quilômetros por litro de gasolina.

A declaração do presidente do Conselho Municipal de Transportes Urbanos (Comtu), Jaires da Silva Maciel, após a aprovação do reajuste nas passagens, de que “ninguém gosta de aumento, mas todo mundo gosta de ônibus novos”, é sintomática de como o tema é visto de forma distorcida por quem atua nos órgãos responsáveis pela área. No carro a pessoa tem mais conforto, mais independência, mais agilidade e gasta menos do que se usasse o transporte coletivo.

A conclusão é mais do que óbvia: não se pode cobrar das pessoas que elas deixem seus veículos em casa e utilizem os ônibus enquanto o transporte coletivo não for mais vantajoso do que o individual. Transporte público coletivo tem de ser barato e de qualidade. Se não for assim, não funciona como modo de diminuir o contingente de veículos nas ruas.

COMENTÁRIOS
cristians - 19/02/2011 - 22h40
realmente , a primeira coisa que o usuário do transporte pu´blico insatisfeito com o serviço pensa é : ainda vou ter meu proprio carro .E o resultado : mais carros nas ruas , mais acidentes , mais poluição , etc...lalmentavel ..

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Gaúchos não são realistas e pedem o impossível
A Assembleia Legislativa aprovou o aumento do ICMS de 17% para 18%, mas apenas no governo José Ivo Sartori (PMDB)
Na ONU, Brasil e Vaticano com boas mensagens
"A importância das regras não pode ser maior que o amor", afirmou o Papa Francisco
O debate entre a inação e os reformistas gaúchos
A Assembleia Legislativa está aprovando reformas de base para que o Rio Grande do Sul consiga voltar a crescer
As tarifas e os juros que nos atormentam a vida
Há palestrantes ganhando um bom dinheiro para dizer às pessoas como elas devem administrar as suas finanças