Porto Alegre, terça-feira, 31 de março de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
29°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,1790 5,1810 1,52%
Turismo/SP 4,4100 5,2640 1,15%
Paralelo/SP 4,4200 5,1600 1,17%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
173659
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
173659
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
173659
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

TCE Notícia da edição impressa de 02/12/2010

Decisão sobre a construção de presídios no Estado é adiada

Samir Oliveira

GABRIELA DI BELLA/JC
Mileski (d) votou contra a decisão de Miola, que pediu o fim da sessão
Mileski (d) votou contra a decisão de Miola, que pediu o fim da sessão

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) suspendeu ontem o julgamento sobre a construção de casas prisionais sem licitação que o governo de Yeda Crusius (PSDB) pretende implementar.

O pedido para encerrar a sessão foi do relator do processo, conselheiro Cezar Miola, por entender que os documentos entregues pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE) às 14h de ontem constituem fato novo no caso e precisam ser examinados.

Com a decisão, continua em vigor a medida cautelar editada por Miola no dia 5 de novembro, que determina a paralisação das obras de casas prisionais previstas para os municípios de Lajeado, Venâncio Aires, Camaquã, Alegrete, Erechim e São Francisco de Paula. Juntas, somam investimentos de R$ 154 milhões.

A primeira sessão que tratou do tema ocorreu em 10 de novembro, quando Miola foi o relator da medida protocolada pelo procurador-geral do Ministério Público de Contas (MPC), Geraldo Da Camino. Ele exigia que o governo do Estado efetuasse abertura de edital para concorrência pública na construção dos presídios.

Na ocasião, Miola votou pela realização das licitações. Mas os conselheiros Victor Faccioni e Hélio Mileski pediram vista, requisitando mais tempo para analisar o processo.

Por isso o tema foi retomado ontem. Mileski e Faccioni votaram pela autorização das obras mesmo sem licitação, por entenderem que o argumento do governo gaúcho está correto.

Na defesa, a PGE sustenta que a ausência de concorrência pública para contratação das empreiteiras se justifica no decreto de emergência editado por Yeda em outubro de 2008 - após a Justiça ter determinado a interdição de quase 30 presídios no Estado devido às más condições em que se encontravam os apenados.
Depois que Faccioni votou, Miola pediu a suspensão do julgamento, alegando que precisará de mais tempo para analisar as cerca de mil páginas entregues ontem pela PGE.

Para o procurador do Domínio Público Estadual, Bruno de Castro, que representou o governo, o conteúdo dos relatórios não é novo e não possui dados capazes de alterar o entendimento dos conselheiros. Ele alegou que os documentos não haviam sido repassados antes porque o TCE exigiu um prazo de 72 horas para o governo se manifestar. "É um expediente administrativo extenso, não foi possível copiar uma quantidade muito grande de papéis em tão curto tempo."

Entretanto, o prazo de 72 horas foi dado somente antes da expedição da medida cautelar. Ou seja, do dia 5 ao dia 10 de novembro o governo poderia ter repassado as informações, mas não o fez. Restam apenas duas sessões plenárias no TCE até a posse do novo governo. A expectativa da PGE é de que o tribunal conclua a apreciação ainda neste ano. O julgamento só será retomado quando Miola concluir a análise dos documentos fornecidos ontem.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Termo de Adoção de Providências entra em vigor em junho, diz Nunes
TCE poderá aplicar 'termo de ajustamento' a gestores
Conselheiro Pedro Figueiredo (e) relatou processo sobre exercício financeiro do Executivo em 2013
TCE aprova contas de Tarso, mas aponta falhas
Albrecht (d) recebeu escultura das mãos de Algir Lorenzon
Jornalista do JC Fernando Albrecht recebe homenagem
TCE mantém a cautelar contra pagamentos do Siat
Inspeção especial apontou irregularidades na licitação e no Sistema Integrado de Administração Tributária contratado pela Procempa