Porto Alegre, sexta-feira, 14 de dezembro de 2018.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
30°C
32°C
23°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9070 3,9090 0,72%
Turismo/SP 3,8700 4,0700 0,24%
Paralelo/SP 3,8800 4,0800 0,24%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
634308
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
634308
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
634308
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Urbanismo Notícia da edição impressa de 22/11/2010

Moradores do Moinhos de Vento se manifestam contra demolição

GABRIELA DI BELLA/JC
Audiência no dia 1 de dezembro pode apontar rumos do imbróglio
Audiência no dia 1 de dezembro pode apontar rumos do imbróglio

Uma ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público (MP) gaúcho quer evitar a destruição de imóveis históricos localizados na rua Luciana de Abreu, no bairro Moinhos de Vento, em Porto Alegre. O pedido é para que a Justiça reconheça seis imóveis, que formam um conjunto habitacional, construído entre as décadas de 1920 e de 1930, como construções de valor sociocultural para Porto Alegre.

A audiência de instrução, para que sejam ouvidos pela Justiça moradores das imediações e integrantes da Associação dos Moradores e Amigos do Bairro Moinhos de Vento, a Moinhos Vive, será realizada dia 1 de dezembro, na 10º Vara da Fazenda Pública do Foro Regional da Tristeza. O grupo iniciou uma mobilização em 2002 para impedir a demolição dos imóveis. A demolição seria realizada por uma construtora, com planos de erguer novos edifícios no local.

"Queremos a preservação da condição que o bairro apresenta. Condição essa em grande parte já destruída pela insensibilidade das construtoras e pela omissão criminosa das autoridades", afirma o presidente da Moinhos Vive, Raul Agostini, que no sábado organizou um protesto em frente aos prédios. O episódio de oito anos atrás resultou na criação da associação, o que desencadeou o crescimento dos movimentos de cidadania em Porto Alegre. Questões como essa pautaram as discussões do Plano Diretor da Capital.

Conforme o líder comunitário, a intenção da construtora é erguer no local dois prédios de 16 andares cada. Um abaixo-assinado com mais de seis mil assinaturas coletadas foi entregue ao Ministério Público, que obteve da Justiça medida liminar e de antecipação de tutela impedindo a demolição e obrigando a construtora a zelar pelo patrimônio.

"Com o julgamento da ação civil pública, o MP espera que a Justiça torne definitivas as decisões, impedindo a construtora de demolir os imóveis e o município de garantir a preservação das edificações, que são de interesse sociocultural, por meio de seu tombamento", destaca a promotora de Defesa do Meio Ambiente, Annelise Steigleder, responsável pelo caso.

Em 2008, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) chegou a rejeitar um recurso impetrado pela construtora contra a liminar que proíbe a demolição das seis casas. Com isso, a definição só será dada após a conclusão da Ação Civil Pública. "Os imóveis vivos, que ainda remanescem úteis à sociedade, mas que carregam, consigo, a memória histórica e a identidade paisagística de uma época, podem traduzir bens culturais visíveis, expressões vivas da cultura, revestindo-se de valor arquitetônico e histórico, desembocando no interesse sociocultural em sua preservação", argumenta a Ana Maria Moreira Marchesan, que assina a ação.

Segundo relatos históricos, os seis imóveis, projetados pelo arquiteto alemão Franz Filsinger, foram projetados para abrigar mestres cervejeiros que vieram da Alemanha. Agostini reclama do desrespeito com a comunidade e com a formação urbanística da região. "Eles têm um poder enorme. É muito difícil lutar contra grandes construtoras", conclui.

COMENTÁRIOS
Moinhos Vive - 22/11/2010 - 15h54
A ação das pessoas foi decisiva em 2002 e agora, mais uma vez, fará a diferença. Todos quantos queiram contribuir com esta causa, amigos e moradores, estão convidados a participar(moinhosvive.blogspot.com). Patrícia Waltrich


Sergio -
22/11/2010 - 16h04
É o progresso. O lucro acima de tudo. Deveriam construir um hospital. Otimo local. Benefiaciaria uma grande população.


rrr -
03/01/2011 - 22h46
Gente egoísta , eles querem preservar seu Status no moinhos de vento , não é pela causa história.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Primeiro trecho da intervenção vai do Gasômetro à Rótula das Cuias
Obras na orla do Guaíba devem começar em outubro
Arquiteto deu detalhes sobre o terceiro trecho, que vai até o Beira-Rio
Lerner diz que não cogita mudar projeto da orla
Para Raquel Rolnik, população está mais ciente de ter direito à cidade
‘Só construir casa não resolve’, diz urbanista
Em visita às obras, Zacher afirmou que trabalhos estão 60% concluídos
Revitalização da Praça XV será entregue até novembro