Porto Alegre, domingo, 15 de dezembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
28°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1070 4,1090 0,36%
Turismo/SP 4,0400 4,2900 0,74%
Paralelo/SP 4,0500 4,2800 0,69%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
191356
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
191356
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
191356
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Religião Notícia da edição impressa de 11/11/2010

Turco que tentou matar o Papa João Paulo II acusa Vaticano de conspiração

Mehmet Ali Agca disse que a ordem para o assassinato partiu de cardeal
PATRICK HERTZOG/AFP PHOTO/JC
Supremo pontífice foi alvejado por três tiros em 13 de maio de 1981
Supremo pontífice foi alvejado por três tiros em 13 de maio de 1981

Mehmet Ali Agca, turco que tentou matar o Papa João Paulo II em Roma, em 1981, disse em entrevista ontem que a ordem para o assassinato partiu do próprio Vaticano. Agca saiu da prisão em 18 de janeiro, após cumprir 29 anos de pena pelo atentado.

“O governo do Vaticano decidiu o assassinato do Papa. Planejaram e organizaram tudo. A ordem ‘matem o papa’ foi dada pelo primeiro-ministro do Vaticano, cardeal Agostino Casaroli”, afirmou Agca, que foi avaliado como mentalmente desequilibrado por uma equipe médica na época do atentado. Ele já afirmara ter conexão com um grupo palestino e chegou a culpar o serviço secreto da Bulgária pela tentativa de assassinato.

João Paulo II chegou a se encontrar com Agca em 1983, para dar-lhe o perdão. Na época, o Papa disse que ele apresentava grande preparo militar e que não deve ter atuado sozinho.

Ele concedeu a entrevista ao canal TRT TV, que foi duramente criticado pela mídia turca – que já boicotara uma entrevista coletiva de Agca logo após sua libertação. Mehmet Ali Birand, editor-chefe da filial turca da CNN, disse que este havia sido o primeiro boicote conjunto da imprensa turca e chamou de “inapropriado” o fato de o canal ter chamado para uma entrevista um homem acusado de matar o editor-chefe do jornal Milliyet, Abdi Ipecki (em 1979).

Agca tinha apenas 23 anos quando tentou matar João Paulo II, em 13 de maio de 1981. Ele disparou quatro tiros e acertou três no Papa, que atravessava a Praça São Pedro do Vaticano, em meio à multidão.

Alguns meses depois, Agca, foi condenado à prisão perpétua e levado para o presídio Montacuto de Ancona. João Paulo II o perdoou ainda no leito do hospital, onde se recuperava dos graves ferimentos do atentado, e o visitou na prisão no dia 28 de dezembro de 1983. O Papa também recebeu a mãe do terrorista em 1985 no Vaticano.

Em março de 1999, Agca escreveu ao embaixador da Turquia em Roma para dizer que tinha saudades da sua terra e queria cumprir a pena pelo assassinato do jornalista em seu país.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Igreja armênia canoniza 1,5 milhões de almas vítimas do genocídio
O genocídio é reconhecido por cerca de 40 países, mas negado por dezenas de outros, incluindo a Turquia
Centenas de católicos comemoram Paixão de Cristo em Jerusalém
Eles repetiram os últimos metros de Jesus antes da crucificação
Vaticano recebe católicos gays em audiência com Francisco
Grupo de lésbicas e gays católicos receberam assentos especiais em audiência geral semanal com o papa Francisco
Igreja anglicana nomeia primeira mulher para cargo de bispo
Libby Lane foi anunciada como bispo da Igreja nesta quarta-feira