Porto Alegre, sexta-feira, 13 de dezembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
31°C
33°C
17°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0920 4,0940 0,67%
Turismo/SP 4,0800 4,3220 0,13%
Paralelo/SP 4,0900 4,3100 0,23%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
153083
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
153083
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
153083
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Artigo Notícia da edição impressa de 11/11/2010

A perpetuação do abuso sexual

Ricardo Breier

Especialistas que se dedicam a estudar as circunstâncias que envolvem os casos de abuso sexual apontam as diversas consequências deste trauma para crianças e adolescentes. A maior preocupação relaciona-se com a privação do desenvolvimento sadio da personalidade das vítimas. A Universidade de São Paulo divulgou pesquisa, fruto da área da psiquiatria, sobre uma das possíveis causas de abusos sexuais: vítima com tendência de tornar-se futuro agressor sexual. A amostra da pesquisa é relativamente pequena, mas dá conta de como pode se perpetuar o impacto do abuso sexual em crianças e jovens. Ela aponta para a criação de um ciclo de violência sexual, que só pode ser interrompido com a devida prevenção e tratamento específico.

O tratamento de agressores sexuais pelo modelo atual relaciona-se apenas com a pena de privação de liberdade, sem o devido acompanhamento e tratamento psiquiátrico. Segundo estatísticas, justamente pela falta de tratamento, o agressor, após o cumprimento de sua pena (com bom comportamento), volta ao convívio social e tende a reincidir no abuso sexual. Como política de prevenção de abusos sexuais, não basta  apenas a punição, é essencial a mudança de cultura punitiva. A sociedade tem que entender que a simples vingança não impedirá novos abusos, pelo contrário, há de se aprofundar as pesquisas para melhor orientar os tratamentos como medida eficaz de redução de casos. O tema merece uma reflexão de todos, pois não podemos simplesmente explicar as agressões sexuais como um fato isolado, sem um passado. Entender as causas que levam ao abuso sexual não significa apenas justificá-las, mas compreendê-las. A melhor política de segurança pública não é apenas punir, mas também tratar o caso como problema de saúde mental, pois, como insinuou a pesquisa, é grande a possibilidade de que em algum momento de sua vida o agressor também possa ter sido vítima de abuso.   

Presidente da Comissão de Direitos Humanos OAB/RS 

COMENTÁRIOS
cristiane - 12/11/2010 - 08h58
PArabéns pelo artigo , é necessário refletir e buscar as causas , prevenção e tratamento psicológico auxiliam .

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil