Porto Alegre, terça-feira, 10 de dezembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
35°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1300 4,1320 0,33%
Turismo/SP 4,0900 4,3400 1,13%
Paralelo/SP 4,1000 4,3300 1,14%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
614474
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
614474
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
614474
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Palavra do Leitor Roberto Brenol Andrade
opiniao@jornaldocomercio.com.br

Palavra do Leitor

Coluna publicada em 11/11/2010

CPMF

Parabéns ao senhor Marcus Vinícius Vieira de Almeida, prefeito de Sentinela do Sul, autor do artigo publicado na edição de 10/11/2010, página 4, do Jornal do Comércio. Esse artigo deveria ser publicado em todos os jornais do Brasil. Ele se opõe à recriação da CPMF e nos relata que existe uma regulamentação de Emenda Constitucional 29 parada aguardando aprovação que seria a solução para os infinitos problemas que assolam nossa população. Seria uma bela campanha para ser encampada por todos nós. (Júlio Willig, Porto Alegre)

Democracia 

O conceito de democracia baseado na maioria é, na verdade, uma forma de relativismo moral, que acaba dando na anarquia ou no totalitarismo. É de indagar se a vontade de uma maioria pode, legitimamente, tudo. Poderia ela tornar lícita qualquer coisa, para depois a todos vincular? Ou seria de se pressupor, por acaso, que a maioria encarne uma razão superior? Ela pode errar gravemente. A história de nossos tempos demonstrou, de forma trágica, que a maioria é corruptível e manipulável. E a liberdade pode ser destruída em nome da liberdade! (Cláudio Jacobus Furtado, advogado, Porto Alegre)

PDT

Qualquer que seja o motivo, o PDT jamais pode fazer parte do governo do PT em nosso Estado. Será que os homens que dirigem o partido se esqueceram do que é fazer parte de governos petistas? Eu não tenho mais cara para responder às perguntas que me fazem todo o dia - que o PDT passou a ser uma sigla de aluguel, tal qual outras que por aí andam. O pouco caso que os nossos dirigentes fazem com o prefeito José Fortunati é de envergonhar a qualquer um. Mas qual o ser unicelular que não sabe: se o PDT entrar no governo, “sepulta previamente” a candidatura de Fortunati? A única chance que temos de manter o partido vivo por mais um tempo. Com estas medidas perversas e tacanhas o PDT mingua, a ponto de perder vereadores, deputados estaduais e federais, prefeitos e nem falo em governadores. Estou pensando seriamente que este pessoal que se arvora desse direito está se lixando para o partido, o que eles querem é estar “bem na foto”. Só que esquecem que o “tiro sai pela culatra”, pois a cada eleição mais difícil se torna se eleger pelo PDT. Tem gente que vem de eleições passadas que se elege “nas sobras”. Este é o triste retrato daquela que já foi uma das agremiações partidárias mais importantes do País. (Nero Buralde, professor - prof.nero@gmail.com)

Políticos

Não dá para aguentar mais a hipocrisia quando muitos políticos dizem que esse ou aquele partido não quer cargos. Claro que querem e como desejam. Parem de mentir, dizendo que desejam apenas “colaborar”. Que besteira, que hipocrisia. (Mauro Paranhos, Cruz Alta/RS)

Na coluna Palavra do leitor, os textos devem ter, no máximo, 500 caracteres, podendo ser sintetizados. Os artigos, no máximo, 2 mil caracteres, com espaço. Os artigos e cartas publicados com assinatura nesta página são de responsabilidade dos autores e não traduzem a opinião do jornal. A sua divulgação, dentro da possibilidade do espaço disponível, obedece ao propósito de estimular o debate de interesse da sociedade e o de refletir as diversas tendências. 

Na coluna Palavra do leitor, os textos devem ter, no máximo, 500 caracteres, podendo ser sintetizados. As cartas publicadas com assinatura nesta página são de responsabilidade dos autores e não traduzem a opinião do jornal. A sua divulgação, dentro da possibilidade do espaço disponível, obedece ao propósito de estimular o debate de interesse da sociedade e o de refletir as diversas tendências.
COMENTÁRIOS
Inácio José da Silva - 11/11/2010 - 10h21
Caro amigo, Roberto Brenol. Li a coluna de que da volta da CPMF, Democracia, PDT e Política. Sou um blogueiro Pernambucano e lógico brasileiro. O pt está sendo retrogado, lendo estas matérias retrojo no tempo e chego a 1964 onde só havia dos partidos: A Arena e o antigo PMB. A nação (nós) temos que tomar posições para impedir este rolo copressor esmagador do PT, veja a necessidade dos meios de comunicação alertar a população dessa mal intencional atitude do pt. Portanto, solicito permissão ao amigo para que eu possa divulgar esta matéria em meu blog, embora o meu blog trata principamente de saúde e correlatos. Deixo o endereço do blog, se lhe apetece o caro amigo amigo entre e veja o tráfego que já consegui, mesmo tendo iniciado o blog em março de 2010. http://saudevida2010.blogspot.com Atenciosamente, Nalcy Loud Recife, 11 de novembro de 2010

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Crise
Atribuindo a causa de nossos problemas atuais para nossa "herança portuguesa"
Cais Mauá
Porto Alegre virou uma terra de ninguém
Lei Kandir
Excelente e oportuníssima a matéria de capa do Jornal do Comércio Perdas com a Lei Kandir somam 63% da dívida do Estado
Previdência
O funcionalismo público estadual reluta equivocadamente em aceitar a reforma previdenciária que deve ser feita para que aconteça o óbvio equilíbrio entre arrecadações e benefícios