Porto Alegre, sexta-feira, 14 de dezembro de 2018.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
34°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8790 3,8810 0,72%
Turismo/SP 3,8600 4,0600 1,24%
Paralelo/SP 3,8700 4,0700 1,24%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
210072
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
210072
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
210072
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Balé Mahavidyas Notícia da edição impressa de 18/06/2010

Comunhão de expressões artísticas

Caroline da Silva

Marcelo G. Ribeiro/JC
Compositor Vagner Cunha e coreógrafa Carlota Albuquerque.
Compositor Vagner Cunha e coreógrafa Carlota Albuquerque.

Não se sabe muito bem quem ganha o presente, mas nesta sexta o aniversário é de Eva Sopher. Administradora do Theatro São Pedro, a alemã nascida em Frankfurt completa 87 anos de idade. No entanto, a apresentação do Balé Mahavidyas - composição de Vagner Cunha - faz parte da comemoração dos 25 anos da Orquestra de Câmara do TSP.

A estreia nacional dessa obra acontece nas noites de sexta e sábado, às 21h, acompanhada pelos bailarinos da equipe de Carlota Albuquerque e com a direção de arte de Voltaire Danc-kwardt. Os solistas são Ney Fialkow e Cristina Capparelli nos pianos, Leonardo Winter na flauta e Diego Silveira na percussão. Mas quem afirma categoricamente ter recebido uma dádiva é a coreógrafa. “Começamos em novembro, foi o nosso primeiro contato, quando escutei parte da música na casa do Vagner, convidada pelo maestro Antônio Carlos Borges-Cunha [pai do compositor]. Fiquei impressionada, me tocou profundamente, porque sou uma pessoa muito visceral. Para pegar um trabalho, preciso estar envolvida emocionalmente”, conta Carlota.

Quem sugeriu o nome da diretora do grupo Terpsí Teatro de Dança para Vagner Cunha foi a própria Eva. A ideia de compor um espetáculo tão inovador é anterior ao aniversário de sesquicentenário do Theatro - junho também é o mês do aniversário do São Pedro. “A história dessa música começou com a antiga diretora artística do Theatro, que tinha contato com a Deborah Colker. Ela ouviu coisas minhas, estava toda empolgada, mas na mesma época ela assumiu a direção-geral do Cirque du Soleil e aí nosso tempo de preparo ficou superlimitado, nos encontramos algumas vezes no Rio, mas a coisa esfriou, porque ficou muito difícil.” Então, o compositor conversou com Eva Sopher, sugerindo montar algo viável, com profissionais locais. “Eu não conhecia a Carlota da cena cultural, vivo num mundo fechado, trabalhando. E aí me apaixonei”, relata.

Depois de muitas audições, os sete bailarinos (que também são chamados de coautores, porque o processo de coreografia é contínuo) ensaiam há três meses. São eles: Angela Spiazzi, Didi Pedone, Francine Pressi, Gabriela Peixoto, Gelson Farias, Raul Vogues e Rodrigo de Almeida. “Sou diretora de um grupo, mas com linguagem de dança teatral e quando o Vagner indica o Voltaire para entrar nessa viagem escutando a música dele, o trabalho se abre”, afirma Carlota.

A coreógrafa diz: “Tem um jogo, Voltaire projeta imagens para influenciar na dança, cujos movimentos já são influenciados pela música”. A partir da comunhão das expressões artísticas do cinema, dança, teatro e música, foi criada uma versão reduzida da Mahavidyas. “A música original tem dois atos, divididos em sete ciclos (cada um com o nome de uma das deusas indianas) e, por vários motivos práticos, decidi encurtar para 70 minutos. Para isso, tive que reordenar, foram escolhidos movimentos da composição inteira e recolocados de maneira com que tivesse unidade. Essa versão tem uma narrativa diferente, ainda que tenha a mesma linguagem estética”, avalia Vagner.

As peças do balé foram livremente inspiradas em deusas do hinduísmo. Mahavidyas são figuras femininas que apresentam potências fantásticas e que se deslocam em tempo e espaços diferentes, impulsionadas por um só coração, de Parvati, a companheira “oficial” de Shiva - um dos três principais deuses do panteão hindu. As imagens das deusas são o pano de fundo para a atmosfera global da composição.

O CD com o formato integral do Balé (cerca de 1h50min, gravado em janeiro de 2009 no palco do São Pedro com a Orquestra) estará à venda no TSP nos dias das apresentações. De brinde, o encarte com a arte de Fabio Zimbres, fazendo a sua leitura da música, e o depoimento de intelectuais.

Balé Mahavidyas
Sexta e sábado, às 21h
Theatro São Pedro (Praça Marechal Deodoro, s/nº)
Ingressos de R$ 10,00 a R$ 50,00
Duração: 1h20min com intervalo de 15min

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR