Porto Alegre, terça-feira, 20 de agosto de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
12°C
15°C
8°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0540 4,0560 0,31%
Turismo/SP 4,0200 4,2300 0,23%
Paralelo/SP 4,0300 4,2400 0,23%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
142944
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
142944
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
142944
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Coreias Notícia da edição impressa de 27/05/2010

Estados Unidos reiteram apoio a Seul

Tensão entre o Norte e o Sul aumentou com a ameaça de fechamento da fronteira

A Coreia do Norte ameaçou ontem fechar uma passagem fronteiriça e abrir fogo contra alto-falantes se a Coreia do Sul mantiver sua promessa de fazer propaganda ao longo da tensa fronteira entre os dois países, que novamente entraram em atrito após o incidente do afundamento do navio sul-coreano, supostamente causado por um torpedo disparado por militares de Pyongyang.

Após sua chegada em Seul, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, reiterou o apoio total dos Estados Unidos à Coreia do Sul e pediu que a Coreia do Norte interrompa o que os EUA consideram provocações e políticas de ameaças beligerantes. A viagem ocorre um dia após a Coreia do Norte ter rompido laços com a Coreia do Sul e ter ameaçado guerra caso o vizinho cruze suas fronteiras.

Em pronunciamento, Hillary pediu mais clareza no posicionamento da comunidade internacional sobre o tema, frente à seriedade do naufrágio da corveta sul-coreana Cheonan, em 26 de março, que matou 46 marinheiros. Além de reiterar o apoio, inclusive com o auxílio das tropas que os EUA mantêm no país, Hillary chega a Seul com a missão de conquistar mais engajamento internacional com uma dura reação ao regime de Pyongyang. Depois de passar pelo Japão e pela China, onde tentou obter uma posição mais firme em relação à Coreia do Norte, ela indicou que os Estados Unidos estudavam outras opções para estabelecer a responsabilidade do Norte e de seus dirigentes.

Hillary obteve do governo chinês, único aliado de peso de Pyongyang, a promessa de “colaboração” para resolver a crise coreana, mas o governo chinês não condenou o Norte e nem especificou o grau de sua contribuição. “Pedimos à Coreia do Norte que cesse as provocações e sua política de ameaças e de conflitos com seus vizinhos”, afirmou a secretária de Estado, em coletiva de imprensa, depois de se reunir com o presidente da Coreia do Sul, Lee Myung-bak.

Hillary, que retornou ontem à noite aos Estados Unidos, também reiterou o firme compromisso de seu país para com a segurança de seu aliado sul-coreano. “Ficaremos ao lado de vocês neste momento difícil e permaneceremos sempre”, prometeu.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Delegados de ambos os países, Pak e Kim discutiram pontos pendentes
Kaesong ainda não será reaberto
Soldados sul-coreanos montam guarda na região da fronteira; nível de alerta é de “ameaça vital”
Risco de míssil deixa Seul em alerta
Norte pretende reativar reator nuclear
O governo da Coreia do Norte prometeu ontem reativar um reator nuclear que pode produzir material para uma bomba de plutônio por ano
Sul-coreanos realizam exercícios militares juntamente com os Estados Unidos
Norte corta contato militar com o Sul