Porto Alegre, sexta-feira, 23 de agosto de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
12°C
23°C
12°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0770 4,0790 1,19%
Turismo/SP 4,0100 4,2300 0,95%
Paralelo/SP 4,0200 4,2400 0,95%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
758677
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
758677
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
758677
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ambiente Notícia da edição impressa de 27/05/2010

Estado lidera o desmatamento da Mata Atlântica

O Rio Grande do Sul lidera um ranking nacional. Isso, porém, não é razão de orgulho. Ao contrário, é motivo de vergonha. O Estado é o que teve o maior aumento na taxa de desmatamento anual da Mata Atlântica.

Conforme o Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, produzido pela Fundação S.O.S Mata Atlântica em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), divulgado ontem, o Rio Grande do Sul aumentou a taxa de desmatamento anual, desflorestando 83% a mais. A taxa, que era de 1.039 hectares/ano no período 2005-2008, passou para 1.897 hectares, de 2008 a maio de 2010. Originalmente, possuía 48% do seu território (13.759.380 hectares) no bioma e, atualmente, restam apenas 7,31% (1.006.247 hectares).

A sexta edição do Atlas revela que, de 2008 até maio de 2010, dos nove estados analisados, os que possuem desflorestamentos mais críticos são Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina, que perderam 12.524, 2.699 e 2.149 hectares, respectivamente. Aos números do desflorestamento destes três estados, somam-se outros 1.897 hectares no Rio Grande do Sul, 743 hectares em São Paulo, 315 hectares no Rio de Janeiro, 161 em Goiás, 160 no Espírito Santo e 154 hectares no Mato Grosso do Sul, totalizando 20.867 hectares de floresta nativa suprimida.

COMENTÁRIOS
***Cláudio Fortes Carpes - 27/05/2010 - 19h08
A ganância, e falta de conhecimento da natureza, fazem com que esta, mostre o erro humano, em não controlar a natalidade, onde políticos, querem somente o voto e não orientam camadas mais pobres, de como controlar a natalidade. Camisinhas não adiantam. Faltam os Partidos Políticos, se mexerem assim como os demais Órgãos, na agilização, do que realmente o povo precisa.***Comissário de Polícia-Músico(OMB25461-RS), aposentado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Desperdício de água no país equivale a seis Cantareiras, diz instituto
As comparações foram apresentadas nesta quarta-feira, pelo presidente do Instituto Trata Brasil, Édison Carlos
Em 16 anos, desmatamento da Amazônia Legal foi quase o tamanho de Ssão Paulo
Sobre os demais biomas brasileiros, segundo a pesquisa, a Mata Atlântica já teve 85,5% da área desmatada
Maiores aquíferos do planeta estão sob ameaça de esgotamento
Um terço das maiores bacias de águas subterrâneas do mundo estão sendo esgotadas pelo consumo humano, diz Nasa
Os vetos não foram apresentados durante a cerimônia de sanção da lei, que ocorreu hoje
Dilma sanciona lei que regulamenta acesso à biodiversidade