Porto Alegre, terça-feira, 20 de agosto de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
10°C
15°C
8°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0670 4,0690 1,59%
Turismo/SP 4,0100 4,2200 1,44%
Paralelo/SP 4,0200 4,2300 1,43%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
207438
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
207438
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
207438
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Trabalho Notícia da edição impressa de 27/05/2010

Taxa de desemprego na Capital é a menor em 18 anos

Especialistas reforçam escalada da ocupação na Região Metropolitana de Porto Alegre com o crescimento econômico

Patrícia Comunello

A equipe técnica da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) para a Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA) está rindo à toa. A recuperação do mercado de trabalho no pós-crise é acelerada e está pondo por terra a tradição de elevação da desocupação que costuma ser verificada neste período na região. Tanto que a taxa de desemprego, que ficou em 9,6% em abril, foi a menor em 18 anos (toda a série da PED) para o mês. Em março, o índice de 9,8% havia subido levemente frente à largada do ano. No confronto com 12 meses atrás, quando os efeitos da turbulência econômica mundial começaram a ser sentidos com mais força na geração de postos na RMPA, o indicador despencou 20,7%, deixando no passado a taxa de 12,1%.

A ocupação cresceu 2,7% em abril, desempenho semelhante ao mesmo mês de 2010, mas carimbando a curva ascendente de recuperação da abertura de postos. "Estamos com desocupação em baixa quando o efeito sazonal sempre rebaixou o índice. Não será de estranhar se tivermos neste ano a menor taxa da história da PED", declara o economista e coordenador pelo Dieese, Eduardo Schneider.

Reforça a análise a revisão das estimativas de avanço do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, divulgada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). A entidade elevou a estimativa de 4,8% para 6,5% para este ano e de 4,5% para 5% em 2011. Para validar o ritmo local do mercado de trabalho, Dieese e demais parceiros na pesquisa - Fundação de Economia e Estatística (FEE) e Fundação Gaúcha de Trabalho e Ação Social (FGTAS), Schneider cita que a indústria calçadista sustentou a metade da abertura de vagas na indústria de transformação da região. Do saldo positivo de 6 mil postos, 3 mil foram nas calçadistas.

A PED apontou estoque de 195 mil trabalhadores fora da atividade, 4 mil indivíduos a menos que março na disputa pelas ofertas. Enquanto isso, 1,828 milhão de pessoas estavam ocupadas. Até a População Economicamente Ativa (PEA) conspirou positivamente no mês passado ao se manter estável, o que reduz a pressão por postos. O mês de abril terminou como março, com PEA de 2,02 milhões de integrantes. No balanço dos setores, a indústria liderou no saldo de postos, com 6 mil vagas. Em outros setores, que abrigam construção civil, o número foi de mil oportunidades. Já comércio e serviços tiveram saldo negativo no mês, com 2 mil e 1 mil vagas a menos, respectivamente. O rendimento médio e massa salarial ficaram quase estáveis, com leve alta.

Para os próximos 12 meses, os prognósticos são favoráveis ao crescimento da ocupação e da renda, segundo Schneider. As entidades avaliam que a taxa de desemprego deve manter o recuo. No retrospecto de abril de 2009 até o mês passado, construção civil foi a campeã de vagas, com 12 mil novas contratações. Rendimentos e massa salarial também crescem, ao lado da maior oferta de contratações com carteira assinada, trajetória que não sofreu abalo com a crise e reforça dados do Ministério do Trabalho e Emprego.

País possuía 4,6 milhões de empresas ativas em 2008

O Cadastro Central de Empresas (Cempre) elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registrava 4,6 milhões de empresas e outras organizações ativas no País em 2008, que juntas empregavam 44,6 milhões de pessoas. O estudo divulgado ontem faz um raio-x empresarial brasileiro, contendo informações sobre pessoal ocupado, salários e outras remunerações referentes ao total de empresas com CNPJ há dois anos.

Segundo o relatório, do total de pessoas ocupadas, pelo menos oito em cada dez eram assalariados e o restante trabalhava na condição de sócio ou proprietário. Todos esses trabalhadores receberam R$ 700 bilhões em 2008, com o salário médio mensal de R$ 1.413,00, equivalente a 3,4 salários-mínimos em vigor na época.

Na comparação com 2007, o Cempre mostra um aumento de 4,2% no total de empresas e de outras organizações com CNPJ, o que representou mais 187 mil registradas no País. Na mesma comparação, o pessoal ocupado cresceu 4,5% - significando mais 1,9 milhão de pessoas no mercado de trabalho - e o salário médio mensal aumentou 3,5%. O mapeamento do IBGE mostrou que em 2008 as empresas representavam 88,5% do total de organizações ativas, enquanto as entidades sem fins lucrativos respondiam por 10,5%, a administração pública, por 0,4%, e outras organizações, por 0,6%.

O nível de emprego seguiu a mesma ordem, com as entidades empresariais respondendo por 73,7%, a administração pública, por 19,5%, as entidades sem fins lucrativos, por 6,7%, e as outras organizações, por 0,1%. O mesmo ocorreu com o pagamento de salários: 62,1%, 31,3%, 6,6% e zero, respectivamente.

As empresas contrataram mais 1,8 milhão de pessoas em 2008, mas o número poderia ter sido maior se a crise econômica internacional não tivesse atingido o País no final daquele ano. A avaliação é de Denise Freire, gerente de Planejamento e Análise do Cempre. Na passagem de 2006 para 2007, o mapeamento do IBGE mostrou um aumento de 2,6 milhões de pessoas assalariadas.

Capital tem menor taxa entre todas as regiões metropolitanas

A Região Metropolitana de Porto Alegre desbancou Belo Horizonte da liderança da menor taxa de desocupação, que vinha sendo mantida há meses. Para a coordenadora da PED no País, Lúcia Garcia, uma combinação de fatores, como demanda interna por produtos aquecida e retomada de exportações, criou condições para a Capital ostentar a menor taxa. BH teve 9,9%. A RMPA vinha se mantendo na segunda posição. Lúcia explica que o comportamento do mercado de vagas local reage ao aumento de maior demanda a empresas gaúchas, que vendem muito para demais regiões, e ao componente externo.

A taxa média em abril nas sete regiões pesquisadas, que agora têm a companhia de Fortaleza, ficou em 13,3%, 0,7% abaixo da de março, que foi de 13,4% e 11,9% menor que a taxa de 15,1% de abril de 2009. "O mercado nacional passa por um bom momento e em crescimento", reforçou a coordenadora da PED nacional pelo Dieese. Salvador manteve a lanterna na pesquisa, com desocupação de 19%, mas abaixo dos 19,9% do mês anterior. As demais regiões apresentaram 10,6% em Fortaleza, 13,3% em São Paulo, 14,2% no Distrito Federal, e 18,8% em Recife.

A ocupação avançou 0,7% no mês, com saldo de 131 mil vagas. A PEA também cresceu, com mais 130 mil pessoas atrás de emprego. Nas sete regiões, a estimativa é de 19,1 milhões de ocupados e população ativa de 22,04 milhões. Construção civil teve expansão de 2,1%, com mais 26 mil postos. Comércio aumentou em 1%, com 32 mil postos, ao lado de 25 mil da indústria (0,9%) e de 11 mil de serviços, 0,1% a mais que março. Já a massa de rendimentos teve retração de 1,6%. Nos últimos 12 meses, Lúcia destacou que é possível detectar maior fôlego da ocupação. A alta é de 4,1% frente a abril de 2009. No período, foram criados 761 mil postos, bem acima das 431 mil pessoas que ingressaram no mercado.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Para Norma Kreling a nova realidade demográfica deve inspirar políticas sociais para os idosos
Cresce população de idosos no mercado de trabalho da Região Metropolitana de POA
Empresa deve ser multada após tramitação de processo administrativo
MTE flagra 263 adolescentes em condição irregular no McDonald’s
Ministério do Trabalho flagra 263 jovens em trabalho irregular no McDonald's
Fiscais do Ministério do Trabalho flagraram 263 adolescentes em trabalho irregular em 14 estabelecimentos em Porto Alegre
Número de horas pagas na indústria recua 1,2% em julho
Com o resultado, o indicador acumula queda de 6,0% no ano e recuo de 5,5% em 12 meses