Porto Alegre, segunda-feira, 21 de janeiro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7700 3,7720 0,37%
Turismo/SP 3,7300 3,9300 0,51%
Paralelo/SP 3,7400 3,9400 0,51%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
174209
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
174209
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
174209
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Diplomacia 27/04/2010 - 18h24min

Garcia: ataque a Irã será muito mais grave que o ao Iraque

Agência O Globo

O assessor de política externa da Presidência, Marco Aurélio Garcia, disse nesta terça-feira (27) em audiência pública na Câmara que um ataque ao Irã traria conseqüências muito mais graves do que o ocorrido no Iraque. Ele lembrou que aquela região é de "altíssima explosividade" e que o Irã é um país muito influente no Oriente Médio. Segundo Garcia, essa conjuntura motivou o Brasil a buscar uma solução diplomática para o fato de aquele país ser suspeito de tentar desenvolver armas nucleares.

"Um ataque ao Irã teria efeitos muitíssimo superiores àqueles que teve a ação contra o Iraque nos anos 90 e depois nos anos 2000. O Irã não é o Iraque. São países muito diferentes. O Irã tem enorme irradiação em sua região. É um país com o qual teremos problemas extremamente graves e esta é uma das razões pelas quais nós estamos advogando por uma solução", disse.

Garcia disse que o Brasil tentar evitar que se inicie um processo que levará à invasão do Irã, já que, uma vez desencadeado esse movimento, não há como detê-lo.

"O problema é que quando se começa um determinado movimento, parar esse movimento às vezes é difícil. Você não consegue colocar a pasta de dente de novo para dentro do tubo. Empurrar pra fora é muito fácil", comparou, completando que "já tiraram a tampinha".

Convidado à Comissão de Relações Exteriores para falar sobre o suposto apoio do Brasil a infrações dos direitos humanos em Cuba, Garcia defendeu que questões políticas sejam resolvidas com diálogo, e não com prisão. Ele não quis voltar a polemizar a comparação que o presidente Lula fez entre presos políticos e bandidos comuns, na ocasião da morte do dissidente cubano Orlando Zapata Tamayo.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
No sábado, Dilma participou da última agenda pública de Mujica
Em artigo, Dilma reafirma determinação de avançar na integração com Uruguai
Senado pede ao Legislativo norte-americano documentos relativos ao golpe de 1964
O documento foi redigido e assinado por senadores que integram a Comissão de Direitos Humanos da Casa
Evento faz fez parte da programação da Semana dos Estados Unidos na Capital
Porto Alegre e Tampa, na Flórida, se tornam cidades-irmãs
Dilma determina que Itamaraty atue para solucionar caso de brasileira na Rússia
''Determinei ao Ministério de Relações Exteriores que desse toda assistência à brasileira Ana Paula Maciel, detida na Rússia durante protesto ambiental'', escreveu Dilma, em sua conta no Twitter