Porto Alegre, sexta-feira, 20 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
20°C
11°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1620 4,1640 1,43%
Turismo/SP 4,0900 4,3300 1,40%
Paralelo/SP 4,1000 4,3400 1,40%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
142461
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
142461
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
142461
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Eleições Notícia da edição impressa de 19/04/2010

Fogaça faz primeiro roteiro pelo Interior

PMDB e PDT querem Estado de volta aos trilhos da história

O primeiro roteiro do pré-candidato a governador José Fogaça pelo Interior do Estado foi marcado por um clima de comunhão entre PMDB e PDT. Foi consenso entre as principais lideranças dos partidos que a viagem representou o início da construção de um projeto para os gaúchos, caracterizado pela união e pela colheita de ideias e de experiências. “São dois partidos com uma origem em comum em sua essência”, avaliou o pré-candidato a vice-governador Pompeo de Mattos.

O presidente estadual do PDT, Romildo Bolzan Júnior, ressaltou as afinidades entre os dois partidos - que, originalmente, eram uma única sigla - e a possibilidade histórica de reconstruir uma vertente. “Quando uma aliança começa uma campanha tendo que dar muita justificativa, é um claro sinal de derrota. Nós não temos que explicar a nossa união, porque não temos divergências ideológicas. Fogaça e Pompeo formam uma dupla que, com certeza, vai marcar época no Estado, justamente no momento em que o Rio Grande precisa se revocacionar”, observou.

O líder do PMDB, senador Pedro Simon, disse estar convicto de viver um dos momentos mais emocionantes de sua vida. “Estamos começando uma grande caminhada. A pergunta que fica é: por que demoramos tanto tempo para nos reaproximarmos?”

Na terra dos presidentes (São Borja), durante encontro regional, Fogaça falou da Revolução de 30, um marco na história do Brasil. “Esta é a simbologia que queremos resgatar para a junção de forças que estamos fazendo no Rio Grande do Sul. Curvamo-nos diante do mausoléu do presidente Getúlio Vargas para dizer aos gaúchos que isto que ele fez lá na década de 30 para mudar o Brasil é exatamente o que queremos fazer pelo Rio Grande do Sul.”

Já em Candelária, na última etapa do roteiro, o pré-candidato a governador validou seu compromisso com os gaúchos. “De mim, nunca ouvirão palavras de ódio. A guerra civil entre políticos só prejudica a cidade. É possível haver divergência política, mas é necessário haver cooperação em favor da comunidade. O Rio Grande não pode se transformar numa guerra fratricida. O Rio Grande precisa se pacificar para se unir. O grande momento da história gaúcha foi a Revolução de 1930. Ali, Assis Brasil apoiou Getúlio. O Rio Grande se preparou e se pacificou para liderar o Brasil, transformar a história, transformar o mundo. Não tenho ódio, mas também não tenho medo. Estou pronto para essa luta, estou pronto para vencer e lutar pelo bem comum, pelo interesse de todos, pela pacificação do Rio Grande.”

Juliana Brizola apoia candidatura de Rigotto

A vereadora Juliana Brizola (PDT) anunciou ontem seu apoio público à candidatura do ex-governador Germano Rigotto ao Senado. “O PDT não pode cometer uma ingratidão com Rigotto”, declarou em São Borja, acrescentando que o ex-governador merece apoio inconteste de todos os pedetistas em razão de diversas passagens da sua trajetória. “Antes de chegar ao Piratini, Rigotto fez questão da presença de Brizola para discutir a formação do governo. Como governador, recebeu-o por diversas vezes para discutir os rumos do Rio Grande. Foi dele a iniciativa de dar o nome de Leonel Brizola à avenida que dá acesso à Expointer”, lembrou.

A vereadora também destaca a sensibilidade de Rigotto em relação à construção dos memoriais em homenagem aos trabalhistas, durante audiência em que recebeu a família de Brizola e as lideranças do PDT. “Além da capacidade pessoal de representar os interesses do Rio Grande, por inúmeras razões eu, como pedetista, vejo que Rigotto deve receber o apoio do nosso partido”, frisou.

Padilha abre mão do Senado em nome da unidade partidária

Visivelmente contrariado o deputado federal Eliseu Padilha (PMDB) anunciou ontem que não levará o seu nome para a convenção do partido em junho. Na sede do PMDB onde passará a atuar intensamente em nome da campanha ao Piratini, o parlamentar garantiu que pesou em sua decisão a unidade partidária. “Há muitas especulações de que a minha candidatura poderia provocar um racha no partido. Contrariando todos vamos mostrar que o PMDB sairá unido nessa campanha”, afirmou.

Segundo ele, há claramente uma predileção por parte do candidato José Fogaça e de lideranças do partido pelo nome do ex-governador Germano Rigotto, tido como candidato natural à vaga pelo Senado na aliança com o PDT. Contudo, Padilha avalia que se a convenção fosse realizada hoje seu nome certamente seria o escolhido pelos correligionários no voto.

Sobre a vaga, acredita que o partido deverá manter em aberto na negociação para atrair mais siglas para aliança PMDB-PDT. Contudo, não acredita na possibilidade de ter o PP na chapa. “O PP está com o governo de Yeda Crusius desde o início. É muito improvável que haja uma aproximação com Fogaça”, disse.

Desde 2006 o deputado vem buscando um espaço na chapa majoritária. Sobre a eleição ele foi pontual. “Não tenho intenção de concorrer”. Há duas possibilidades para ele agora. Concorrer à presidência do PMDB gaúcho ou presidir o partido nacionalmente. A eleição da direção do diretório estadual deverá ocorrer no dia 30 de novembro. Por duas vezes houve acordo para que o senador Simon mantivesse o cargo que ocupa há seis anos.

“É inevitável o embate com Simon. Não tenho dúvida”, afirmou. Ele não acredita na possibilidade de o senador abrir mão da candidatura. “Você já viu alguém que está no poder entregar o cargo?”, avaliou Padilha.
Em relação à participação na campanha de Fogaça o deputado reconheceu o papel do coordenador seu colega em Brasília, deputado federal Mendes Ribeiro Filho. “Não sei como será a minha participação na campanha, mas estarei trabalhando no partido”.

Não há como voltar atrás, como o próprio Padilha avaliou. “A candidatura à Câmara é impossível, pois com a intenção de concorrer ao Senado abri mão da campanha e outros nomes estão postos”, disse, referindo-se ao deputado Alceu Moreira (PMDB). Moreira, que é ex-prefeito de Osório, é um dos candidatos que disputaria votos com Padilha, que na última eleição chegou a fazer 44 mil votos na região do Litoral Norte onde foi prefeito de Tramandaí.

Encontro de mulheres do PPS gaúcho ratifica apoio ao PSDB

Aproximadamente 350 pessoas participaram do I Encontro Estadual de Mulheres do PPS, no sábado, no auditório da Fundação Pão dos Pobres, em Porto Alegre.

Na reunião, que teve como lema Lugar de Mulher é na Política, as militantes vindas de dezenas de municípios gaúchos também ratificaram o apoio à coligação com o PSDB e a candidatura de Yeda Crusius a um novo mandato para governar o Estado.

A governadora Yeda Crusius prestigiou o encontro que contou também com as presenças do presidente estadual do PSDB, Cláudio Diaz, e do presidente estadual do PPS, deputado Berfran Rosado.

Berfran ficou entusiasmado com a maciça participação das mulheres do PPS no encontro. O dirigente partidário também ressaltou o apoio dado pela legenda ao pré-candidato tucano José Serra à presidência da República, salientando que o PSDB foi o mentor do Plano Real e que a governadora Yeda Crusius produziu, com o ajuste fiscal, o Plano Real do Estado.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Lewandowski rebate Cunha e reafirma que normas sobre doação valerão em 2016
Segundo o presidente do STF, a decisão do Supremo será aplicada em 2016 sem que sejam possíveis questionamentos jurídicos sobre a questão
TSE perdoa multa de José Serra
A então relatora, ministra Nancy Andrghi, multou José Serra e Roberto Jefferson em R$ 5 mil cada, além de multar o PTB em R$ 7,5 mil
Partidos intensificam as articulações para 2016
Ao menos 10 legendas cogitam lançar candidato próprio em Porto Alegre
OAB pede que Supremo proíba financiamento empresarial de campanha já em 2016
OAB protocolou ação cautelar no STF para proibir o financiamento empresarial de campanha já nas eleições municipais de 2016