Porto Alegre, quinta-feira, 17 de outubro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
26°C
16°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1550 4,1570 0,21%
Turismo/SP 4,1200 4,3700 0,27%
Paralelo/SP 4,1300 4,3600 0,22%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
650548
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
650548
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
650548
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Palavra do Leitor Roberto Brenol Andrade
opiniao@jornaldocomercio.com.br

Palavra do Leitor

Coluna publicada em 19/04/2010

Somente duas opções

Independentemente de pesquisas eleitorais, pela primeira vez na história do nosso Estado (e não está diferente em nível federal) estamos diante de apenas duas opções políticas de gestão. Ou vamos pela gestão técnica ou vamos pela gestão ideológica. A chamada terceira via, da gestão por sustentabilidade com base inicial no ISO 14000, não conseguiu se erguer ainda. Falo de gestão mesmo, em termos de conceitos, critérios, rumos, técnicas, ferramentas e sistemas. A gestão técnica busca a média/alta composição orgânica do capital, induz o capital em harmonia com o trabalho, tem espiritualidade. Esta, encaixada no viés da pós-modernidade gera renda, comunga o modelo Porter das cinco forças etc. A gestão ideológica busca a baixa composição orgânica do capital, paralisa o capital em conflito com o trabalho, comunga conceitos marxistas mitigados, como posição de classe, mais valia, correlação de forças, tem o seu eixo no chamado antineoliberalismo, é materialista etc. Tentar colocar tudo dentro de um pacote único e nivelar por baixo não separando os dois modelos de gestões é apostar na ficção e na ilusão deixando de ser realista. Ambas podem ser eficazes ou precárias, corruptas ou incorruptíveis. O rumo é que importa. O embate será entre esses dois modelos. Vamos ver qual dos dois modelos vai vencer. Estará em jogo o rumo que vamos desejar e os riscos que vamos assumir. O momento da verdade está próximo. (Edson Olliver, PG e MBA em Gestão - edsonolliver@via-rs.net)

Nota da Caixa

Em resposta à carta da leitora Anapaula de Vasconcellos, publicada na coluna Palavra do leitor da edição de sexta-feira (16/4/2010) do Jornal do Comércio, a Caixa Econômica Federal (CEF) informa que a tabela de tarifas está afixada em todas as agências e disponível no site do banco, na internet. A Caixa esclarece ainda que mantém os valores das tarifas regulamentadas pelo Banco Central e vem praticando uma política tarifária adequada à sua estratégia de ser reconhecida como a instituição financeira que pratica as melhores e menores taxas e tarifas do mercado. Essa política, como demonstra o quadro STAR da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), coloca a Caixa entre os bancos que oferecem as menores tarifas, quando comparada às instituições financeiras relevantes do mercado. Convém destacar que, visando a aperfeiçoar o relacionamento com seus clientes, a Caixa promoveu recomposição da cesta de serviços. Dessa forma, caso deseje, o interessado poderá procurar o gerente de sua conta para adesão à cesta mais adequada a suas necessidades. (Assessoria de Imprensa, Caixa Econômica Federal - Regional Porto Alegre/RS - sumac50@caixa.gov.br - www.caixa.gov.br)

Jornal

Parabéns, pelo “novo” Jornal do Comércio. Gostei. Ficou limpo e moderno. (Gladis Berlato, da Fróes, Berlato Associadas Escritório de Comunicação)


Na coluna Palavra do leitor, os textos devem ter, no máximo, 500 caracteres, podendo ser sintetizados. Os artigos, no máximo, 2 mil caracteres, com espaço. Os artigos e cartas publicados com assinatura nesta página são de responsabilidade dos autores e não traduzem a opinião do jornal. A sua divulgação, dentro da possibilidade do espaço disponível, obedece ao propósito de estimular o debate de interesse da sociedade e o de refletir as diversas tendências. 

Na coluna Palavra do leitor, os textos devem ter, no máximo, 500 caracteres, podendo ser sintetizados. As cartas publicadas com assinatura nesta página são de responsabilidade dos autores e não traduzem a opinião do jornal. A sua divulgação, dentro da possibilidade do espaço disponível, obedece ao propósito de estimular o debate de interesse da sociedade e o de refletir as diversas tendências.
COMENTÁRIOS
julio cesar de souza cabral - 19/04/2010 - 08h34
espero que a morte do jovem valtair, nao passe impune. mesmo em ser tratando de brasil onde as coisas nao sao exclarecidas e tampouco punidas.


julio cesar de souza cabral -
19/04/2010 - 08h59
mando meus cumprimentopelo aperfeiçoamento com que esta sendo impresso o nosso queirdo jornal do comercio. jornal que por sinal, nao perde para nenhum em qualidade.


julio cesar de souza cabral -
19/04/2010 - 09h03
espero que o nivel das campanhas eleitorais nao baixe de nivel. que candidato, algum, apele para o vovcabulario de baixo calao. pois nos eleitores devemos de serem respeitados e nao ficarmos a ouvir besteiras.

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Crise
Atribuindo a causa de nossos problemas atuais para nossa "herança portuguesa"
Cais Mauá
Porto Alegre virou uma terra de ninguém
Lei Kandir
Excelente e oportuníssima a matéria de capa do Jornal do Comércio Perdas com a Lei Kandir somam 63% da dívida do Estado
Previdência
O funcionalismo público estadual reluta equivocadamente em aceitar a reforma previdenciária que deve ser feita para que aconteça o óbvio equilíbrio entre arrecadações e benefícios