Porto Alegre, sexta-feira, 18 de outubro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
23°C
16°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1180 4,1200 1,24%
Turismo/SP 4,0600 4,3200 1,09%
Paralelo/SP 4,0700 4,3100 1,14%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
166758
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
166758
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
166758
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Editorial Notícia da edição impressa de 30/03/2010

Na Páscoa, a ressurreição econômica de Guaíba

Foi Friedrich Nietzsche que disse que todos nós devíamos nos tornar aquilo que somos. Pois a cidade de Guaíba, após 10 anos de sentida espera pelo aproveitamento do terreno destinado à instalação da montadora Ford, está se tornando aquilo que ela é. Ou, pelo menos, tem vocação, a de ser um polo agregado à Capital e mais as facilidades de uma cidade pequena, às margens do Guaíba e com fácil acesso ao Norte e ao Sul do Estado. Falar da Ford é tocar em velhas sequelas da cidade, a mais antiga delas sendo a fétida Borregaard. Além disso, o fato é que a Ford, lá em Camaçari, na Bahia, produz cinco modelos de veículos e que nós, gaúchos, compramos e muito. A montadora foi embora porque avaliou o governo de então que havia muitos benefícios para a multinacional e as prioridades eram outras. Para os críticos, o que ocorreu mesmo foi o extermínio de um empreendimento bom para o Rio Grande e ótimo para Guaíba. No entanto, o que passou vai para os livros de história, para a análise que só o tempo, o senhor da razão, poderá nos dar. Pois pensando holisticamente, na totalidade socioeconômica industrial gaúcha e, em plena Páscoa, projetando a ressurreição econômica de Guaíba, a governadora Yeda Crusius anunciou que a simpática cidade terá seis empresas em 358 hectares, do total de 900 hectares do distrito industrial, investimento de R$ 657 milhões. E, o melhor de tudo, dois mil novos empregos.

Um quase segredo do Piratini, mesmo que tivéssemos publicado algumas pistas de que o destino inexorável da área da Ford seria receber outras plantas. O prefeito Henrique Tavares exultou. Com ele, toda a população da cidade que tem muita história, desde a Revolução Farroupilha e culminando com a passagem obrigatória para que se cruzasse o Guaíba através das balsas do Daer, unindo Porto Alegre, seus automóveis, ônibus e caminhões, a Pelotas e Rio Grande, principalmente, de maneira mais fácil e rápida, antes da ponte do Guaíba. Ponte, aliás, que deverá ser duplicada pelo PAC 2, não sem atraso. Porém, antes tarde do que nunca. Foi uma super segunda-feira, 29 de março, plena de notícias, no âmbito municipal, com a carta-renúncia do prefeito José Fogaça, o anúncio do Programa de Aceleração do Crescimento, o PAC 2, e a reativação, depois de uma década de espera, das novas atividades industriais em Guaíba. Estamos carentes de notícias positivas, eis que jornais, rádios e tevês são bombardeados por fatos negativos em termos de corrupção, insegurança e nanismo empregatício. Faz bem à saúde mental dos gaúchos receberem essa boa nova. Uma nova aliança entre o governo do Estado e Guaíba, para que, a partir dela, sejam geradas riquezas. O materialismo não deve nortear a nossa vida, evidentemente. Mas ter um emprego, colocar os filhos na escola e unir-se em família na moradia própria são fatores fundamentais para a construção de uma cidadania saudável, com menos desigualdades. Como o progresso individual tem pouca sensibilidade, devemos buscar a mudança para melhor de toda a coletividade, como agora, no caso de Guaíba. Esse movimento é mais distinto e notável. A cidade teve vultos históricos, momentos decisivos e, agora, o planejamento rumo a uma posição econômica que a deixará entre aquelas que alavancam o progresso gaúcho. Guaíba tem a sua ressurreição simbólica justamente na semana da Páscoa. Isso pode ser a garantia de que, ao não se desesperar na grande crise há 10 anos, Guaíba esperou e confiou. Agora, recebe o prodígio da infinita beneficência de Deus. E do Piratini.

COMENTÁRIOS
Nei Rafael Filho - 30/03/2010 - 12h26
Prezador editor, só de ler o nome do prosaico pensador alemão, Nietzsche ( 1844/1900 ) elevamos às alturas esse último editoral. Parabéns ao jornalista, enfocando o ressurgir do lago mundialmente famoso de Porto Alegre, o Gauíba. De fato, arquitetos e urbanistas, acredite-se, do país e do globo estão de olho em suas águas, ilhas, orlas e nos potenciais de recursos (econômicos ) e humanos ao longo da extensão de sua bacia e entorno. Muito bem, mais um dez para o editorial. Nei Rafael Filho, advogado, profesor, acadêmico de Arquitetura e Urbanismo, colaborador da insigne seção Opinião do Jornal do Comércio de Porto Alegre.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Gaúchos não são realistas e pedem o impossível
A Assembleia Legislativa aprovou o aumento do ICMS de 17% para 18%, mas apenas no governo José Ivo Sartori (PMDB)
Na ONU, Brasil e Vaticano com boas mensagens
"A importância das regras não pode ser maior que o amor", afirmou o Papa Francisco
O debate entre a inação e os reformistas gaúchos
A Assembleia Legislativa está aprovando reformas de base para que o Rio Grande do Sul consiga voltar a crescer
As tarifas e os juros que nos atormentam a vida
Há palestrantes ganhando um bom dinheiro para dizer às pessoas como elas devem administrar as suas finanças