Porto Alegre, domingo, 22 de setembro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
11°C
22°C
11°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1510 4,1530 0,26%
Turismo/SP 4,1200 4,3600 0,69%
Paralelo/SP 4,1300 4,3700 0,69%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
172243
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
172243
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
172243
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Palavra do Leitor Roberto Brenol Andrade
opiniao@jornaldocomercio.com.br

Palavra do Leitor

Coluna publicada em 30/03/2010

E agora, eleitor?

“E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora José?” Na poesia José, de Carlos Drumond de Andrade, encontramos a inspiração para projetar a figura desolada de nós, eleitores, após a festa democrática das eleições com a possível vitória do nosso candidato no final do mês de outubro deste ano. A pergunta que fica: Será que ele vai cumprir o que prometeu em seu programa eleitoral? Como sempre acontecem para atrair a simpatia de nós eleitores nos meses que antecedem as eleições, alguns candidatos na ânsia de conseguir chegar ao poder de qualquer maneira prometem que irão solucionar todos os problemas relativos à segurança, saúde, transporte e educação, mas alguns dos ora candidatos e futuros políticos, ao terminar a apuração e conhecendo o resultado, esquecem de nós eleitores por quatro anos. Onde reclamar o que foi prometido e não cumprido? Qual o órgão fiscalizador que irá nos proteger? Criar figuras folclóricas como João Buracão, colocar faixas e cartazes, contatar com a imprensa através de colunas do leitor e opinião ou telefonemas para emissoras infelizmente na maioria das vezes não alcança êxito. Resta aguardar o próximo pleito para poder usufruir de algumas promessas de campanha concluídas às pressas e assistirmos a inauguração de alguma pedra fundamental ou painel de uma futura obra que sabe-se lá quando será concluída. (Ronaldo Sindermann, advogado - sindermann@terra.com.br)

Caso Nardoni

Estou convicta de que o casal Nardoni não é autor desse crime, pois sou médium vidente, com experiência de longa data. Com base nessas evidências paranormais, vejo que a menina foi assassinada por um homem vestindo roupa escura, que seguiu a família Nardoni desde o supermercado em que se encontrava. No segundo dia do julgamento do casal, acordei enxergando a menina pedindo-me insistentemente que dissesse que não foram seu pai e sua madrasta que a mataram, mas sim um homem, cujo rosto não consegue ver, mas que eu o reconheceria, em função do que vi com minha mediunidade. (Tânia Souza, Porto Alegre -tanialutcho@hotmail.com)

BR-116

 Para reduzir os congestionamentos na BR-116, no trecho entre Canoas e Porto Alegre, poderia o Dnit proibir, temporariamente, a circulação de caminhões pesados, enquanto as obras da Rodovia do Parque/BR-448 estiverem em andamento. Seria de segunda a sexta-feira, das 6h às 9h, e das 18h às 21h, inclusive na av. Guilherme Schell em Canoas. Nos demais horários, seria permitida a circulação de caminhões. (Carlos Eugenio Brittes)

Drogas

 A descriminalização do consumo de drogas está por sair. Sua manipulação será feita exclusivamente pelo governo federal em seus laboratórios e distribuída gratuitamente aos doentes, via receita médica (tarja preta) com identificação do paciente e dado a ele a chance de cura, através de hospitais especializados, sem custo. Se gastaria muito menos do que em armas para combate a este crime (até hoje sem solução), sem falar em perda das vidas dos policiais, que seriam poupados. O tráfico deixaria de existir. (Miguel, leitor)

Azenha

A avenida Azenha, durante a semana, tem muito movimento. No entanto, os pedestres cruzam a movimentada artéria fora das faixas de segurança, que estão muito distante uma da outra. É melhor fazer mais uma, facilitando o cruzamento. Já morreu gente ali. Vamos evitar uma nova tragédia. (Terezinha de Alencastro, Porto Alegre)

Árvores

As árvores, as lindas árvores de Porto Alegre, continuam escondendo sinaleiras e a sinalização vertical na Capital. Deve ocorrer poda. Além disso, postes estão sujos e há placas velhas, enferrujadas. Além da sinalização horizontal, vamos cuidar mais da vertical. (Paola Monteiro de Barros)


Na coluna Palavra do leitor, os textos devem ter, no máximo, 500 caracteres, podendo ser sintetizados. Os artigos, no máximo, 2 mil caracteres, com espaço. Os artigos e cartas publicados com assinatura nesta página são de responsabilidade dos autores e não traduzem a opinião do jornal. A sua divulgação, dentro da possibilidade do espaço disponível, obedece ao propósito de estimular o debate de interesse da sociedade e o de refletir as diversas tendências. 

Na coluna Palavra do leitor, os textos devem ter, no máximo, 500 caracteres, podendo ser sintetizados. As cartas publicadas com assinatura nesta página são de responsabilidade dos autores e não traduzem a opinião do jornal. A sua divulgação, dentro da possibilidade do espaço disponível, obedece ao propósito de estimular o debate de interesse da sociedade e o de refletir as diversas tendências.
COMENTÁRIOS
juliocesar desouzacabral - 30/03/2010 - 09h01
a condenaçao do casalnardoni,foiocumprimentoda justiça,para aqueles dois desumanos.osquais espero paguempelocrime cruel ao qualpraticaram.

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Crise
Atribuindo a causa de nossos problemas atuais para nossa "herança portuguesa"
Cais Mauá
Porto Alegre virou uma terra de ninguém
Lei Kandir
Excelente e oportuníssima a matéria de capa do Jornal do Comércio Perdas com a Lei Kandir somam 63% da dívida do Estado
Previdência
O funcionalismo público estadual reluta equivocadamente em aceitar a reforma previdenciária que deve ser feita para que aconteça o óbvio equilíbrio entre arrecadações e benefícios