Porto Alegre, sábado, 27 de novembro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
197855
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
197855
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
197855
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Petróleo 19/03/2010 - 21h04min

Emenda Ibsen terá impacto em cidades de mais seis Estados

A aprovação da emenda Ibsen tem impacto em cidades de outros seis Estados brasileiros, que têm produção de petróleo na plataforma continental, além de Rio e Espírito Santo. Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), são 40 cidades que tiveram uma arrecadação de R$ 124 milhões durante o ano de 2009. A maior parte desse valor, porém, veio de campos terrestres e outras instalações petrolíferas, que não terão mudanças com uma eventual promulgação da emenda.

Os dados da ANP apontam que há cidades recebendo royalties de produção marítima em Sergipe, Bahia, Rio Grande do Norte, Ceará, São Paulo e Paraná. A agência não detalhou quanto do benefício vem de campos marítimos, mas os valores ainda são pequenos se comparados aos na Bacia de Campos. Por isso, não há mobilização entre os governos estaduais, que esperam ganhar um volume maior de recursos com a regra aprovada na Câmara.

Ceará, Rio Grande do Norte e Bahia são os Estados com maior número de municípios beneficiados por royalties de produção marítima, além de Rio e Espírito Santo. No primeiro, os benefícios são provenientes da produção em Atum, Caraúna, Curimã, Espada e Xaréu, e destinados a nove municípios. No Rio Grande do Norte, os campos de Agulha, Aratum, Pescada, Serra, Ubarana, Cioba e Biquara beneficiam sete prefeituras.

Já na Bahia, há grande produção no campo de gás Manati, além de projetos menores como Candeias, Dom João Mar e Itaparica. Nove prefeituras são beneficiadas. O governador do Estado, Jacques Wagner, diz ser favorável a uma redistribuição dos royalties do pré-sal, mas demonstrou preocupação com a perda de receita dos municípios beneficiados do pós-sal.

Posição parecida foi externada pelo governador do Ceará, Cid Gomes, em visita a Brasília esta semana, quando defendeu as novas regras de rateio, mas pediu um sistema de transição para não prejudicar de imediato os municípios produtores. O Grupo Estado procurou os governos de Sergipe e Rio Grande do Norte para comentar o assunto, mas não obteve resposta.

O crescimento das atividades exploratórias na costa brasileira vai ampliar o número de municípios beneficiados com royalties da produção marítima. Esta semana, por exemplo, o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, esteve em Aracaju para anunciar aportes de R$ 1,5 bilhão na exploração em Sergipe, onde a empresa já produz petróleo por meio do campo de Piranema. Na semana que vem, o executivo estará em Itajaí, em Santa Catarina para inaugurar o projeto de produção de Tiro e Sidon, na porção sul da Bacia de Santos, em frente ao litoral do Estado. Não há municípios do Estado recebendo royalties atualmente, mas o início da produção do sul da Bacia de Santos poderá beneficiar cidades catarinenses.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Petroleiros iniciam greve contra propostas da Petrobras com atraso nas operações
A Petrobras informou que "as negociações do Acordo Coletivo de Trabalho 2015 estão em andamento"
Total reduz meta de produção de petróleo para 2017 e anuncia corte de gastos
A empresa reduziu sua meta de produção em 2017 em 200 mil barris por dia, para uma média de 2,6 milhões de barris diários
Dívida da Petrobras sobe mais R$ 100 bilhões
A disparada do dólar, que atingiu nesta terça-feira (22), a maior cotação do Plano Real, agravou ainda mais a situação financeira da Petrobras
Setor de petróleo precisa se ajustar ao preço baixo, diz gerente da Petrobras
Cristina Pinho apresentou dados que mostram que a inflação dos custos de investimento em projetos de produção de petróleo quase dobrou nos últimos 10 anos