Porto Alegre, sexta-feira, 25 de setembro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
28°C
15°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
198146
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
198146
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
198146
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

EDUCAÇÃO Notícia da edição impressa de 01/03/2010

Decisão trava programa que financia notebooks a professores

Equipamentos seriam adquiridos por docentes do Estado junto ao Banrisul, mas STJ suspendeu o pregão

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Cesar Asfor Rocha, manteve, na terça-feira passada, a suspensão do pregão eletrônico realizado pela Central de Compras do governo do Rio Grande do Sul para a aquisição de notebooks para professores da rede pública estadual. A decisão vale até o julgamento do mérito do mandado de segurança pelo Tribunal de Justiça do Estado (TJ-RS). No pedido de suspensão da proibição, o Estado alegou que a interrupção do leilão causará grave lesão à ordem administrativa, já que há necessidade de se qualificar os professores através do acesso a tecnologias. De acordo o com ministro Rocha, não ficou demonstrada nos autos a grave lesão alegada pelo governo.

Voltemos ao início do imbróglio. No dia 29 de outubro do ano passado a Central de Compras do governo divulgou edital para a aquisição de notebooks. Os equipamentos seriam comprados por professores estaduais através de financiamento junto ao Banrisul. Em dezembro do ano passado o TJ-RS determinou em um mandado de segurança, com pedido de liminar, a suspensão do pregão eletrônico. O pedido foi feito pela Associação Software Livre (ASL), que argumentou que o edital apresentava irregularidades ao exigir que os participantes oferecessem máquinas equipadas com o sistema operacional Windows 7 Home Basic PPP em português do Brasil pré-instalado ou superior e o software Office Pro Plus 2007. Além disso, no momento da escolha dos fornecedores, o projeto ainda não havia sido aprovado pela Assembleia Legislativa, o que ocorreu no dia 8 de dezembro. O Estado recorreu da decisão ao STJ, que manteve a suspensão.

O conselheiro da ONG BrOffice.org Gustavo Pacheco destaca o mérito jurídico da ação. “A licitação foi feita antes que o projeto Professor Digital tivesse uma regulamentação definitiva, tendo em vista que o Legislativo gaúcho não havia votado a matéria. Como o projeto foi modificado e aprovado com diversas emendas, o correto é o cancelamento do pregão e a realização de uma nova licitação”, enfatiza.

O presidente da ONG, Cláudio Ferreira Filho, complementa que a entidade não tem intenção de causar prejuízos aos professores ou mesmo desestimular processos de inclusão digital. “A preocupação é com o aumento de custo do produto e o viciamento em ferramentas fora do padrão da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)”, diz. Para Ferreira Filho, a proposta do governo estadual provoca comodismo, “não permitindo aos professores serem multiplicadores de uma ideia e provocando o viciamento das escolas”.

Segundo as entidades, antes de ingressar com a ação, elas já haviam alertado para irregularidades no edital e protocolado solicitação de anulação do pregão 589, por meio de procedimento administrativo não acatado pela Central de Compras do Estado. Diante da negativa, a ASL, com apoio da ONG, moveu ação de mandado de segurança, apreciada e acatada após a realização do pregão, que teve como vencedora a empresa Lenovo, que propôs o valor de R$ 1.563,00 para cada uma das 80 mil unidades. O valor total da licitação era de R$ 125 milhões.

Conforme o embaixador da ASL, Sady Jacques, faltou habilidade técnica e política do governo para garantir que os professores tivessem acesso aos notebooks, sem ter de aguardar o resultado de uma ação judicial. “O governo ignorou a Lei 8.666/93, que institui normas para licitações e contratos da administração pública, em todos os níveis. De acordo com o texto é vedada a realização de licitação que determine ‘marcas, características e especificações exclusivas’ para os objetos que serão adquiridos. A retificação do edital teria resolvido o problema de uma maneira simples. A ASL e a ONG BrOffice só defenderam aquilo que deve ser previsto em qualquer processo licitatório e o direito do professor de escolher a sua plataforma operacional”, diz.

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Educação (SEC), tanto a pasta quanto o governo não irão se manifestar a respeito da disputa judicial até que o TJ-RS decida sobre a questão, o que está marcado para ser feito no dia 19 de março. Na quinta-feira a governadora Yeda Crusius chamou a decisão do STJ de “retrocesso”. Cerca de 31 mil professores estaduais aderiram ao programa e mais de 80 mil docentes estaduais e 50 mil municipais já manifestaram interesse por meio de cadastro no site www.professor.rs.gov.br.

COMENTÁRIOS
carolina - 05/03/2010 - 11h29
olá gostaria de demonstrar minha profunda indignação a respeito deste travamento no financiamento dos notebooks. No que eu saiba nenhum professor reclamou a respeito dos programas que virão com com os notebooks. e é necessário que os computadores tenham programas atualizados, vistos q a tecnolia muda cada dia. Além do que os notebooks vão facilitar e muito a vida dos professores em saula de aula. O está ocorrendo a meu ver é que os que estão complicando, não tem o q fazer e não querem facilitar a vida das pessoas. Visto que este finaciamento é um passo bastante grande para a qualicação virtual dos professores para com seus alunos.Estou realmente indignada com isto. E dizer que não aprovarem estes financiamentos seria regredir no tempo. A não ser que o desejo destas criaturas que estão atrapalhando no processo, seja que as pessoas que vivem no Brasil não evoluam. É uma pena que no Brasil ainda existam pessoas que não querem que os professores cresçam profissionalmente. Um professor bem atualizado, forma alunos atualizados e com peronalidade. Pensem bem no que estão fazendo! Parem de complicar, porque ninguém que fez o finaciamento está reclamando. Deixem que o Brasil cresça tecnologicamente.


Simone -
07/03/2010 - 19h04
Se o professor naõ estivesse de acordo com os produtos oferecidos não se cadastraria, ninúém foi obrigado a adquirir, foi opção de cada um. Quem resolveu trancar essa negociação só podem ser os concorrentes que não entraram no negócio. Por favor, vamos agilizar isso.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Uso de internet pelo celular cresce entre estudantes e professores, diz pesquisa
Proporção de estudantes e professores que usam internet pelo celular cresceu; entre alunos de escolas públicas, percentual chega a 79%
São oferecidas 4.017 vagas em 91 cursos de graduação
Ufrgs abre inscrições para vestibular 2016
Matemática é área mais preocupante para alunos da alfabetização
Para a avaliação de matemática, o MEC dividiu a aprendizagem em quatro níveis, sendo que o primeiro e o segundo são inadequados
Mais da metade dos alunos de alfabetização teve baixa aprendizagem em matemática
O dado é da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), divulgada hoje pelo Ministério da Educação