Porto Alegre, quinta-feira, 16 de julho de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
15°C
17°C
11°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
716647
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
716647
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
716647
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Câmara dos Deputados 24/09/2015 - 18h56min

Líder do PT na Câmara nega ter pedido saída de Cardozo e Mercadante

O líder do PT na Câmara, Sibá Machado, expôs em uma reunião na noite da última quarta-feira (23) a insatisfação de petistas com os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e José Eduardo Cardozo (Justiça) e com a política econômica de Joaquim Levy (Fazenda). Segundo aliados que participaram do encontro, Sibá chegou a afirmar que parte da legenda defende a saída de Mercadante e Cardozo. Sibá nega. "Nunca falei que tem um grupo que defende o afastamento. O que existe, e sempre falei isso, são integrantes do PT descontentes. Isso é verdade", afirmou.

Participaram da conversa, que aconteceu na liderança do PT na Câmara e foi convocada de última hora, os líderes partidários Jandira Feghali (PC do B-RJ), Jovair Arantes (PTB-GO), Domingos Neto (Pros-CE), Rogério Rosso (PSD-DF) e Maurício Quintella Lessa (PR-AL).

No encontro, Sibá ainda sugeriu que os líderes tivessem com a presidente Dilma Rousseff uma conversa "franca" sobre o clima de impeachment na Casa e a reforma ministerial. Ao defender a saída dos ministros petistas da Justiça e da Casa Civil, Sibá ouviu a recusa de alguns líderes, que disseram que seus partidos não apoiariam a ideia. "Foi um desabafo inteligente para ver se conseguia apoio dentro da base", disse um dos deputados.

Quintella Lessa afirmou que o intuito da reunião não foi debater a eventual saída dos ministros. "Jamais houve conversa com esse propósito. Sibá ligou, manifestou preocupação com a própria base sugeriu visita à presidente para discutir a reforma", afirmou.

Sibá defendeu-se afirmando que não há conspiração e que ele tem a responsabilidade de ajudar o governo. "Por conta do clima que está, parece que qualquer reunião é porque a gente está conspirando", disse. "Tenho responsabilidade de ajudar a cuidar do governo pagando o preço que for, como sempre fiz".

Sibá disse ainda que a questão da "dança das cadeiras" ministerial é uma decisão apenas da presidente Dilma. "Quando fala de dança de cadeiras é com ela. Para dizer que tem que entrar fulano ou sair sicrano tem que ter responsabilidade. Isso é de foro íntimo da presidente", disse.

O líder do PT reconheceu que há reclamações em relação à postura de alguns ministros, mas fez questão de defender e se dizer "guardião" de Mercadante. "Respeito o Mercadante e ele sabe que sou o guardião dele aqui", afirmou. "O Mercadante pode ter o defeito que tiver, mas eu tenho um respeito do tamanho do mundo por ele".

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Câmara aprova aposentadoria compulsória aos 75 para servidores
A PEC da Bengala, aprovada no Congresso em maio, aumentou de 70 para 75 anos a aposentadoria compulsória apenas dos ministros de tribunais superiores
Cunha defende manutenção de veto a reajuste salarial do Judiciário
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse hoje (23) que a Casa deve manter o veto da presidenta Dilma Rousseff ao reajuste de até 78% dos salários de servidores do Judiciário
Câmara aprova em segundo turno PEC do Pacto Federativo
O texto aprovado há pouco impede que a União repasse encargos aos Estados e municípios sem antes destinar verba própria para a realização
Executivo da Engevix fica em silêncio na CPI dos Fundos de Pensão
O ex-vice-presidente comercial da empreiteira Engevix, Gerson de Mello Almada, informou aos deputados da CPI dos Fundos de Pensão que vai recorrer ao direito de permanecer em silêncio em sessão na tarde desta terça (22) na Câmara