Porto Alegre, segunda-feira, 30 de março de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
31°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,1010 5,1030 2,06%
Turismo/SP 4,3600 5,2040 2,15%
Paralelo/SP 4,3700 5,1000 2,20%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
577365
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
577365
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
577365
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

CONJUNTURA 24/09/2015 - 17h58min

Recompra de dívidas se torna atraente para bancos brasileiros, diz Fitch

A agência de classificação de risco Fitch apontou em relatório que alguns bancos pequenos e médios brasileiros têm buscado recomprar dívidas abaixo do valor de face, para preservar suas margens líquidas de juro (NIM, na sigla em inglês), em meio ao "ambiente econômico desafiador do Brasil". A desaceleração na demanda por empréstimos e as pressões sobre a qualidade dos ativos estão pressionando os preços dos bônus dos bancos, segundo a agência. "Porém, a desaceleração no crescimento dos empréstimos está impulsionando a liquidez dos bancos, enquanto expande a capacidade deles para recompra de dívida", aponta a agência.

Os bancos realizando essas operações têm como alvo dívidas de alto custo e denominadas em dólar. Em 8 de setembro, o BMG anunciou a recompra de US$ 100 milhões em papéis que venceriam em 2019 e 2020, enquanto o Banco Votorantim anunciou no mesmo dia uma recompra de US$ 310 milhões em papéis com vencimento em 2020. "Os dois bancos mantêm atualmente níveis confortáveis de liquidez e capitalização", dia a agência.

A Fitch diz que outro fator a motivar a recompra é a mudança na elegibilidade desses papéis como capital Tier 2, no âmbito da convergência do Brasil para as regras de Basileia 3. Outros bancos, a maioria pequenos e médios, também têm recomprado papéis diretamente no mercado secundário.

Para a maioria dos bancos brasileiros, o financiamento de longo prazo no exterior perdeu a atratividade, devido aos altos custos de hedge e à fraca perspectiva de crescimento dos empréstimos. A Fitch diz que, no atual ambiente para as empresas brasileiras e devido à deterioração geral na qualidade dos ativos, o crescimento fraco dos empréstimos deve manter a pressão sobre o lucro de muitos bancos brasileiros. "Porém, nós em geral vemos os bancos brasileiros mantendo níveis de capital em níveis condizentes para os ratings concedidos", diz a agência.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Awazu fala em vigilância para assegurar convergência da inflação à meta em 2016
O diretor de Política Econômica do Banco Central, Luiz Awazu Pereira, afirmou nesta quinta-feira (24) que é preciso manter a vigilância para assegurar a convergência da inflação para a meta ao fim de 2016
Tombini diz que País passa por 3 ajustes importantes: externo, fiscal e monetário
Segundo o presidente, movimento é resultado de uma economia que está em contração, mas também do ajuste de preços, o que reduz a necessidade de financiamento do país em 2015
Câmbio e inflação presente dominam as previsões de 2016, segundo BC
Em estudo apresentado no relatório trimestral de inflação o BC resolveu investigar mais a fundo as determinantes das expectativas de inflação e a inércia inflacionária
Massa de renda real habitual fica estável em agosto ante julho
O resultado significa alta de 0,5% em relação a julho e recuo de 3,5% ante agosto do ano passado