Porto Alegre, terça-feira, 28 de janeiro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
34°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1890 4,1910 0,45%
Turismo/SP 4,1600 4,4280 1,04%
Paralelo/SP 4,1700 4,4200 0,91%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
739165
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
739165
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
739165
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

Conjuntura 24/09/2015 - 10h40min

Câmbio e inflação presente dominam as previsões de 2016, segundo BC

O Banco Central concluiu que a volatilidade do câmbio e o nível ainda elevado da inflação concorrente no Brasil dominam as previsões inflacionárias para 2016. Em estudo apresentado no relatório trimestral de inflação, divulgado nesta quinta-feira (24), o BC resolveu investigar mais a fundo as determinantes das expectativas de inflação e a inércia inflacionária.

No resultado do trabalho, o BC identificou que os agentes do mercado atribuem maior peso desses fatores de curto prazo nas suas previsões de inflação do que os impactos da política monetária. Isso explica, de acordo com o BC, a maior resistência das expectativas de inflação para 2016 em cair na direção da meta de 4,5%.

Já as expectativas para 2017 e para 2018, que encontravam-se próximas a 5,5% no final de 2014, recuaram para níveis próximos à meta atual de 4,5%. De acordo o BC, os efeitos do atual ciclo de ajuste da taxa básica de juros têm impacto mais forte na redução das expectativas para prazos mais longos.

O estudo do BC mostrou que a inflação corrente depende de maneira importante da inflação passada. Foram encontradas evidências de que as previsões dos agentes para prazos mais curtos são fortemente dependentes de desenvolvimentos recentes, principalmente na inflação e na taxa de câmbio. 

No caso das expectativas para prazos mais longos, ganham importância a postura da política monetária e a meta de inflação. "Esses resultados podem ajudar a explicar por que as expectativas de inflação para 2017 e para 2018 indicam maior convergência para a meta, enquanto as expectativas para 2016 mostram certa resistência", insiste o BC no boxe.

Enquanto a persistência contribui para sua resistência da inflação, o estudo mostrou que a reação às surpresas inflacionárias pode potencializar o processo de convergência da inflação à meta de 4,5%, à medida em que os efeitos cumulativos dos aumentos de juros tenham impacto sobre a inflação.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Recompra de dívidas se torna atraente para bancos brasileiros, diz Fitch
A agência de classificação de risco Fitch apontou em relatório que alguns bancos pequenos e médios brasileiros têm buscado recomprar dívidas abaixo do valor de face
Awazu fala em vigilância para assegurar convergência da inflação à meta em 2016
O diretor de Política Econômica do Banco Central, Luiz Awazu Pereira, afirmou nesta quinta-feira (24) que é preciso manter a vigilância para assegurar a convergência da inflação para a meta ao fim de 2016
Tombini diz que País passa por 3 ajustes importantes: externo, fiscal e monetário
Segundo o presidente, movimento é resultado de uma economia que está em contração, mas também do ajuste de preços, o que reduz a necessidade de financiamento do país em 2015
Massa de renda real habitual fica estável em agosto ante julho
O resultado significa alta de 0,5% em relação a julho e recuo de 3,5% ante agosto do ano passado