Porto Alegre, segunda-feira, 06 de abril de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
21°C
22°C
14°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,3250 5,3270 1,15%
Turismo/SP 4,5200 5,4100 0,36%
Paralelo/SP 4,5300 5,3000 0,37%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
162117
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
162117
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
162117
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

AGRONEGÓCIOS Notícia da edição impressa de 24/09/2015

Projeto para exportar arroz beneficiado será estendido

Brazilian Rice aposta na qualidade do grão brasileiro para o exterior

Guilherme Daroit

JONATHAN HECKLER/JC
Anele diz que projeto Brazilian Rice ajuda a exportar arroz beneficiado
Anele diz que projeto Brazilian Rice ajuda a exportar arroz beneficiado

Promotor do crescimento da ainda incipiente exportação de arroz brasileiro, o projeto Brazilian Rice, convênio entre Agência Brasileira de Promoção de Exportação (Apex) e empresas e entidades ligadas à produção do grão, terá, pelo menos, mais dois anos de duração. Com investimento previsto de R$ 1,99 milhão, principal meta da iniciativa é aumentar as vendas externas das empresas participantes, que totalizaram R$ 88,5 milhões em 2014, até chegar aos R$ 125 milhões em 2017.

Iniciada em 2013, a primeira etapa do convênio se encerrou no mês passado com 30 empresas participantes, a maioria delas gaúchas. Dessas, 17 já exportam de maneira direta, número que deve aumentar a 25 até 2017. Elas são responsáveis, hoje, por 39% do total da venda de arroz beneficiado, principal foco do projeto por ter maior valor agregado. "Assim, geramos empregos aqui, fugindo da situação da soja, por exemplo, quase toda vendida in natura", argumenta o gerente do Brazilian Rice, André Anele.

Em 2014, o produto beneficiado representou 42% da exportação total do Brasil (o restante se dividiu entre o arroz quebrado, 40%, e o arroz em casca, 18%). A meta é chegar no fim da nova etapa, em 2017, com o produto beneficiado sendo responsável por 50% da exportação. "Se levarmos em conta apenas o arroz de alta qualidade, temos preço competitivo. Temos certificações, garantias de segurança alimentar, nossa indústria é sustentável ambientalmente, que nos diferencia no mercado", argumenta Anele, que cita a Arábia Saudita como um dos países dispostos a pagar mais pelo arroz com essas características.

A nação asiática, aliás, é um dos países-alvo da nova etapa do projeto, junto a Estados Unidos, Panamá, Peru, África do Sul e Angola. Para o analista da Apex ligado ao projeto, Alberto Carlos Bicca, produtos derivados do arroz, como farinha e biscoitos, também receberão atenção especial. "Dentro da tendência de busca por alimentos mais saudáveis, o arroz tem a vantagem de não possuir glúten, podendo atingir esses outros segmentos", comenta o executivo. Outras questões, como embalagens mais rebuscadas e sugestões de consumo serão trabalhadas nos próximos meses, além de participações em feiras e convenções do setor pelo mundo.

Presentes no lançamento da nova etapa do convênio, ontem, representantes das entidades orizícolas foram unânimes a respeito da importância do projeto como forma de consolidar o Brasil como um personagem global na exportação do grão. "Com o projeto, as empresas podem consolidar sua atuação comercial, que tem de ser planejada. Nosso objetivo é deixar de ter clientes para ter fregueses, que compram nosso produto porque o reconhecem", argumenta Mário Pegoraro, diretor-presidente da Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz), instituição que encabeça o Brazilian Rice.

"A iniciativa é de fundamental importância, visto que a exportação pelo Brasil ainda é recente e precisa amadurecer e se qualificar em diversos aspectos", detecta o diretor comercial do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), Tiago Sarmento Barata. A disparada recente do dólar também é apontada como um aspecto, ainda que pontual, que também ajudará na atração de novos mercados. "Ao mesmo tempo em que o Rio Grande do Sul produz mais de 70% do arroz brasileiro, somos o Estado com o menor consumo per capita. Excedentes temos, o desafio é a logística", continua Barata.

O presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Estado (Federarroz), Henrique Dornelles, também concorda que o Rio Grande do Sul necessita qualificar sua infraestrutura, principalmente portuária, caso deseje realmente se consolidar na exportação do arroz. "Temos que tornar nosso transporte mais fácil e competitivo, qualificando um terminal especificadamente para o arroz, que tem exigências diferentes", comenta. A unidade da Companhia Estadual de Silos e Armazéns (Cesa) em Rio Grande é pretendida para esse fim pela entidade, que negocia os termos com o governo há alguns anos. "Com a exportação direta potencializada pelo Brazilian Rice, também conseguimos pulverizar a demanda e ficar menos à mercê das grandes trandings", complementa Dornelles, que descreve o crescimento nas vendas externas como "fundamental" para a rentabilidade do campo.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Valor projetado para setembro é de R$ 0,814 o litro, aponta Conseleite
Preço do leite registra leve queda no Rio Grande do Sul
Aumento da umidade nos próximos dias vai retardar semeaduras
Clima ameaça a produtividade e o plantio
Agricultores participantes têm orientações para melhorar a produção
Programa incentiva boas práticas no meio rural
Frente parlamentar critica paralisação de fiscais agropecuários
A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) fez duras críticas à greve dos fiscais federais agropecuários, iniciada na quinta-feira