Porto Alegre, quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
32°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,3580 4,3600 0,66%
Turismo/SP 4,2500 4,5660 0,70%
Paralelo/SP 4,2600 4,5800 0,88%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
146320
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
146320
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
146320
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

CONSUMO Notícia da edição impressa de 24/09/2015

Venda de Dia das Crianças deve ter queda de até 3,5%

Além do cenário econômico, fator demográfico contribuiu para recuo
MARCELO CAMARGO/ABR/JC
Projeção indica que segmentos de vestuário, calçados e eletrônicos serão afetados
Projeção indica que segmentos de vestuário, calçados e eletrônicos serão afetados

As vendas do comércio varejista no Rio Grande do Sul devem cair de 3,0% a 3,5% no Dia das Crianças na comparação com o mesmo período do ano passado, conforme projeção da Fecomércio-RS. A projeção do Dia das Crianças 2015 confirma tendência de arrefecimento das vendas observada ao longo de todo o ano.

O setor que sofre maior influência na data comemorativa é o de artigos de uso pessoal e doméstico, no qual estão inseridas as lojas especializadas em brinquedos e lojas de departamento. Em menor escala, mas também com influência da data, aparecem as operações varejistas que atuam no segmento de moda infantil (roupas e calçados) e o de equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação, que abrange a comercialização de jogos, aparelhos eletrônicos, celulares e tablets.

Segundo o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, o cenário se apresenta bastante restritivo por conta de uma conjunção de fatores que impactam diretamente as vendas do varejo, entre elas a queda da atividade econômica, que contamina o mercado de trabalho e traz efeitos negativos sobre salários e renda. "Na Região Metropolitana de Porto Alegre, a taxa de desocupação atingiu 4,8% em julho passado e, considerando projeções, tanto a população ocupada quanto os rendimentos médios dão sinais que devem ceder neste semestre", avalia Bohn.

Outro fator que vai impactar o comércio neste ano são as concessões de crédito mais restritas em função da alta de juros e a redução da confiança das famílias no cenário econômico. Além do cenário puramente econômico, o fator demográfico também tem grande influência sobre as vendas, especialmente em relação à data de 12 de outubro. Dados do IBGE mostram que a população de até 14 anos no Rio Grande do Sul chegará em 2015 a 2,2 milhões de pessoas, uma queda expressiva de 17,7% em relação ao ano 2000. "Na comparação com o ano passado, essa redução será de 1,6%, bastante expressiva para um intervalo de apenas um ano", pondera Bohn.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Mandic criou app que hoje tem mais de 14 milhões de usuários
Empresários apoiam consumo compartilhado
Intenção de consumo das famílias cai 2,4% em setembro, diz CNC
Na comparação com setembro do ano passado, a queda chegou a 34,5%, informou a CNC
Nutricionistas e curadoria de produtos são apostas de Lempert
Guru prevê supermercados fornecendo mais informações sobre os alimentos
Setor de bebidas não alcoólicas é o que mais sofre, com recuo de 2,6%
Vendas nos supermercados devem cair 0,3% em 2015