Porto Alegre, sábado, 04 de dezembro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
136779
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
136779
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
136779
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

petróleo 23/09/2015 - 16h38min

Total reduz meta de produção de petróleo para 2017 e anuncia corte de gastos

A gigante francesa Total anunciou que vai bombear menos petróleo do que o esperado em 2017, em meio a uma série de novos cortes de gastos, que têm como finalidade proteger a capacidade da empresa de pagar dividendos aos investidores durante um período de preços baixos.

A empresa reduziu sua meta de produção em 2017 em 200 mil barris por dia, para uma média de 2,6 milhões de barris diários. O diretor-financeiro Patrick de la Chevardière atribuiu metade da diminuição a atrasos em projetos no mundo e outra metade a cortes de investimentos.

A nova meta é um reflexo do dilema enfrentado pelos maiores produtores de petróleo do planeta. Ao lado da Royal Dutch Shell, Exxon Mobil e outras petroleiras, a Total está cortando bilhões de dólares em gastos para conseguir lidar com a queda dos preços do petróleo, que se encontram nos menores patamares desde a crise financeira de 2008.

Se as petroleiras reduzirem demais o ritmo de extração, correm o risco de perder o crescimento da produção e os lucros, quando os preços voltarem a subir. Caso cortem muito pouco e forçarem a produção, podem ser forçados a reduzir o pagamento de dividendos.

Hoje, a Total assumiu o compromisso de proteger o pagamento de dividendos em uma conferência com investidores em Londres, afirmando que uma nova rodada de corte de custos permitiria o pagamento em 2017, mesmo com os preços em tornado US$ 60,00 por barril. A empresa ainda anunciou o aumento na meta de corte de gastos operacionais de US$ 2 bilhões para US$ 3 bilhões.

O anuncio veio um dia depois de a petroleira ter sido acusada de manipulação do mercado de gás natural nos estados do sul dos Estados Unidos. A Total nega as acusações.

A nova meta de produção para 2017 permanece acima dos últimos números da empresa, de cerca de 2,3 milhões de barris por dia. A companhia tem grandes projetos em andamento, incluindo um aumento a produção de gás natural na Rússia. Funcionários também manifestaram o interesse de retornar ao mercado iraniano após a suspensão de sanções econômicas. 

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Petroleiros iniciam greve contra propostas da Petrobras com atraso nas operações
A Petrobras informou que "as negociações do Acordo Coletivo de Trabalho 2015 estão em andamento"
Dívida da Petrobras sobe mais R$ 100 bilhões
A disparada do dólar, que atingiu nesta terça-feira (22), a maior cotação do Plano Real, agravou ainda mais a situação financeira da Petrobras
Setor de petróleo precisa se ajustar ao preço baixo, diz gerente da Petrobras
Cristina Pinho apresentou dados que mostram que a inflação dos custos de investimento em projetos de produção de petróleo quase dobrou nos últimos 10 anos
Petrobras iniciou perfuração do 4º poço exploratório em Libra
A intenção é concluir a perfuração ainda neste ano, porém o trabalho de exploração continuará até 2017. Ao menos mais dois poços serão perfurados