Porto Alegre, terça-feira, 27 de outubro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
436568
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
436568
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
436568
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Palavra do Leitor Roberto Brenol Andrade
opiniao@jornaldocomercio.com.br

Palavra do Leitor

Coluna publicada em 23/09/2015

Cais Mauá

Porto Alegre virou uma terra de ninguém. É tanta consulta popular e tudo vai ficando para trás. Há anos, fizeram uma dessas demagógicas ações, a consulta popular sobre o Estaleiro Só. Aí, mais de 20 mil pessoas votaram e decidiram pelo não aproveitamento residencial daquela área. Até hoje está abandonada. O Cais Mauá vai acabar não saindo, investimento de R$ 500 milhões, sem custo algum para a prefeitura da Capital, gerando empregos e, depois, dinheiro para o governo do Estado. É uma vergonha. É a terra do atraso. O Cais Mauá está sem uso há pelo menos 25 anos. Pode isso? (José Pedro Dias, Porto Alegre)

Cais Mauá II

Servidores, políticos e eminências pardas vêm lutando e consentindo o avanço do projeto do Cais Mauá. O presidente da NSG, Luiz Eduardo Abreu, ameaça não fazer as obras (Jornal do Comércio, 22/09/2015). Se o senhor prefeito José Fortunati e simpatizantes dele tivessem partido apenas para a revitalização do Cais Mauá, sem as grandes obras que ele mesmo sabe que afrontam a lei, e revitalizasse só os prédios existentes, isto tudo não estaria acontecendo. (Henrique Wittler, engenheiro civil, Porto Alegre)

Protestos

Estas passeatas estão atrapalhando a vida da cidade. Trancam ruas e avenidas. Está demais e é um desrespeito aos demais porto-alegrenses. Querem tudo sem dar nada em troca. Não pode aumentar ICMS, mas tem que reajustar vencimentos, tem que diminuir o tamanho do Estado, porém desde que não mexa em nenhum órgão. Qual a solução, meus Deus? É tudo demagogia de gente que faz o que quer no serviço público. Enquanto isso, os empregados particulares dão graças a Deus por terem um salário, bem menor, aliás, no final do mês. (Júlia Fioravante, Porto Alegre)

Pilhas auditivas

Preciso usar aparelhos auditivos com pilhas. Fui comprar mais pilhas (pequenas, iguais às de relógio de pulso), e me cobraram R$ 35,00 por uma cartela com seis, em loja de shopping da Floresta. Na empresa Pró-Audição, custam R$ 18,00, mesma marca e seis unidades. Então, pessoas da terceira idade, evitem comprar pilhas para aparelhos de audição em shoppings. (José Carlos Mello, Porto Alegre)

Plano de saúde

O atendimento dos médicos conveniados à Unimed foi bem melhor. Mas isso até uns três ou quatro anos passados. Agora, quando o paciente diz que é convênio, informam que só têm horários para dois ou três meses adiante. Se for consulta particular, aí tem na outra sema

Na coluna Palavra do leitor, os textos devem ter, no máximo, 500 caracteres, podendo ser sintetizados. As cartas publicadas com assinatura nesta página são de responsabilidade dos autores e não traduzem a opinião do jornal. A sua divulgação, dentro da possibilidade do espaço disponível, obedece ao propósito de estimular o debate de interesse da sociedade e o de refletir as diversas tendências.
COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Crise
Atribuindo a causa de nossos problemas atuais para nossa "herança portuguesa"
Lei Kandir
Excelente e oportuníssima a matéria de capa do Jornal do Comércio Perdas com a Lei Kandir somam 63% da dívida do Estado
Previdência
O funcionalismo público estadual reluta equivocadamente em aceitar a reforma previdenciária que deve ser feita para que aconteça o óbvio equilíbrio entre arrecadações e benefícios
Impostos
E a conta sobrou para nós, simples mortais brasileiros