Porto Alegre, quinta-feira, 22 de outubro de 2020.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
466022
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
466022
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
466022
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

RELAÇÕES INTERNACIONAIS Notícia da edição impressa de 23/09/2015

Maduro e Santos põem fim à crise

Presidentes da Venezuela e da Colômbia se comprometeram a normalizar a passagem na fronteira
JUAN CEVALLOS/AFP/JC
Maduro, Tabaré, Correa e Santos apertaram a mão em ação histórica
Maduro, Tabaré, Correa e Santos apertaram a mão em ação histórica

Os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e da Colômbia, Juan Manuel Santos, chegaram a um acordo para pôr fim à crise bilateral deflagrada há quatro semanas pela decisão de Caracas de fechar parte da fronteira comum e expulsar mais de 1.600 colombianos, sob pretexto de combater o contrabando. Os líderes se comprometeram a seguir sete pontos, entre os quais a "progressiva normalização da fronteira" e a coexistência dos "modelos econômicos, políticos e sociais de cada país".

Os embaixadores colombiano e venezuelano retornarão a seus postos na nação vizinha, como forma de mostrar o reatamento diplomático - eles haviam sido chamados para consultas por Bogotá e Caracas em 27 de agosto.

A definição ocorreu na segunda-feira, em Quito, no Equador. Foi o primeiro contato pessoal entre os presidentes desde o início da tensão. O Brasil, apesar de reiteradas ofertas de mediação, não participou das conversas. Ao final do encontro, Maduro, Santos e os presidentes do Equador, Rafael Correa, e do Uruguai, Tabaré Vázquez, posaram para uma foto em que se davam as mãos, simbolizando a parceria e a unidade entre os países.

"Foi uma reunião franca, em meio a um clima de irmandade", relatou o presidente venezuelano. Para Maduro, o diálogo marcou "um novo início" de relações com a Colômbia, "baseadas na cooperação e no respeito". Santos também saudou o encontro. "Estamos unidos na luta contra criminosos, o contrabando e o narcotráfico. Nos une também o propósito de levar o bem-estar aos habitantes da fronteira", afirmou o presidente colombiano.

Ainda estão previstas reuniões de ministros para debater "temas sensíveis". O primeiro encontro deve ser realizado hoje, em Caracas, com Equador e Uruguai dando continuidade à mediação.

O imbróglio entre Colômbia e Venezuela teve início em 19 de agosto, quando Maduro determinou o fechamento da fronteira no estado de Táchira, decretou estado de exceção em cinco cidades da região e passou a deportar colombianos. Outros 16 mil fugiram por se sentirem pressionados pelo Exército venezuelano. O estado de exceção e o fechamento da fronteira foram estendidos há duas semanas ao estado de Zulia.

Maduro alegava que a medida era uma retaliação a um ataque, atribuído por Caracas a contrabandistas e paramilitares colombianos, que feriu três militares a bala na fronteira. Segundo ele, as atividades ilegais estavam por trás do desabastecimento na Venezuela. No entanto, economistas defendem que a escassez é fruto do controle de preços e da perseguição ao setor privado.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Bolívia obtém primeira vitória em reivindicação por acesso ao Pacífico
O tribunal internacional de Haia, na Holanda, decidiu que tem competência para julgar o pedido da Bolívia de obrigar o Chile a negociar um acesso ao vizinho ao oceano Pacífico
Dilma embarca para assembleia da ONU sem anunciar reforma ministerial
As dez pastas que serão extintas e os nomes que vão compor o novo ministério só serão anunciados semana que vem
Venezuela instaura estado de exceção no sul da fronteira com Colômbia
Com a medida, Caracas amplia o controle militar para toda a fronteira do país com a Colômbia
Correa (d) recepciona Maduro em Quito para discutir solução negociada
Maduro e Santos tentam encerrar crise