Porto Alegre, segunda-feira, 14 de outubro de 2019.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
17°C
21°C
14°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,1310 4,1330 0,90%
Turismo/SP 4,0900 4,3360 0,88%
Paralelo/SP 4,1000 4,3300 0,93%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
186170
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
186170
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
186170
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa
edgarlisboa@jornaldocomercio.com.br

Repórter Brasília

Coluna publicada em 22/09/2015

Estatuto do Desarmamento

A comissão especial que trata do projeto de lei que revoga o Estatuto do Desarmamento deve votar o relatório do deputado Laudívio Carvalho (PMDB-MG) hoje. O texto em discussão é mais restritivo do que o apresentado pelo deputado Rogério Peninha de Mendonça (PMDB-SC), mas é mais liberal que o estatuto. A proposta ainda vai ser votada no plenário da Câmara dos Deputados, onde a expectativa de vitória é grande.

Não passa no Senado

Mas o texto deve parar no Senado. O presidente, Renan Calheiros (PMDB-AL), já se colocou contrário a qualquer mudança no Estatuto do Desarmamento. "Arma não resolve nada", disse. O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, o gaúcho José Mariano Beltrame, se encontrou com Renan Calheiros para pedir que a proposta, que ele chamou de "verdadeiro descalabro", seja barrada no Senado.

Grandeza na saída

O grande ato da presidente Dilma Rousseff (PT) será o da saída dela. Assim vê o senador Lasier Martins (PDT). "O momento exige um ato de grandeza. A presidente perdeu a capacidade de liderar e, sob seu comando, o País se fragiliza a olhos vistos, diante de uma economia dilacerada. Saber sair de cena talvez seja a grande contribuição que ela pode dar hoje ao Brasil. Nenhum governante tem o direito de ver a nação em agonia, como está, diante do ocaso político. Chegou a hora de o Brasil virar esta página da sua história." De acordo com ele, a solução da crise econômica e política não passa pelas propostas desconexas que o governo anuncia, mas por uma verdadeira reforma da estrutura administrativa do País.

Receita ruim

O senador Paulo Paim (PT) afirmou que o governo cava a própria cova com o pacote de ajuste fiscal. "O foco continua ainda muito pegando o andar de baixo", criticou o petista. De acordo com ele, o governo deixou de lado bandeiras históricas, como a taxação de grandes fortunas e o combate à sonegação, para tentar receitas que vão acabar prejudicando os mais pobres. "No Brasil, a distribuição de renda é uma das piores do mundo. Uma alíquota média de um 1% poderia proporcionar arrecadação superior a 4% do Produto Interno Bruto (PIB). Daria ao governo arrecadação de R$ 60 bilhões taxando as grandes fortunas. Não precisávamos criar a CPMF."

Precariedade de verão


O deputado Alceu Moreira (PMDB) apresentou proposta de emenda à Constituição destinando 0,2% do Fundo de Participação dos Municípios a municípios litorâneos com até 70 mil habitantes.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
COLUNAS ANTERIORES
Golpe e corrupção
A sessão desta quinta-feira na Câmara deverá ser marcada principalmente por duas palavras: golpista e corrupto
Depósitos judiciais
Está sendo discutido no Supremo Tribunal Federal (STF) o uso de depósitos judiciais para pagar despesas públicas
Brasil chinês
A Câmara dos Deputados aprovou a urgência na tramitação do projeto de lei que regula a compra de terras brasileiras por estrangeiros
Segurança Pública
O Senado colocou a segurança pública como atribuição comum da União, estados e municípios