Porto Alegre, quinta-feira, 23 de setembro de 2021.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
275599
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
275599
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
275599
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

ARTIGO Notícia da edição impressa de 22/09/2015

Crise e oportunidade de mudança

Ari Riboldi

O Brasil mergulha em crise econômica, em contexto mundial desfavorável, agravada por forte abalo de descrédito dos agentes políticos. A hora difícil, de amargos remédios, pode ser a oportunidade ideal para reformas estruturais, inadiáveis e fundamentais para a travessia rumo a novos tempos. Do grego krísis e do latim crisis, o termo significava originalmente momento de decisão, de mudança súbita, hora crucial, na evolução de uma doença, para a cura ou a morte do paciente. Primeiro passo é o reconhecimento da gravidade da crise, o que é unânime. Segundo, hora de reafirmar a democracia e as instituições. Terceiro, união de todos em agenda propositiva, em consensos em torno de reformas na área tributária, fiscal, previdenciária, política, nisso incluindo nova legislação eleitoral. Interesses partidários e eleitorais não podem se sobrepor ao bem comum e adiar, mais uma vez, a tomada de decisões que permitirá, a médio prazo, mudar de fato a estrutura nacional.

O Congresso tem a responsabilidade de assumir o seu papel, acima de interesses corporativos. O único caminho viável, capaz de produzir as reformas estruturantes necessárias, acreditem, é o da via política. A gravidade da doença do paciente exige a união de todos. A política verdadeira, exercício da arte da negociação e da busca de consensos, é a única via para uma travessia, embora dolorida, capaz de apontar para novos tempos. De uma forma ou de outra, em maior ou menor tempo, a crise passará, porém não pode ser desperdiçada a chance única, ideal para a tomada de decisões corajosas. Não agradam à cidadania as reformas de mentirinha, tomadas recentemente, acerca da legislação eleitoral, pois mantêm o mesmo sistema que permite a influência do poder econômico e que apenas reproduz uma representação irreal, divorciada do eleitor e do povo. Crise e mudanças andam juntas. O que vem depois depende da pressão da cidadania e da responsabilidade de nossa classe política.

Professor e escritor

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Acorda, Brasil
A maré da indignação nacional, por força de suas vertentes naturais, rompeu os diques da tolerância popular e se espraiou com a violência de um tufão
O Dia Mundial do Turismo no Rio Grande
Domingo, dia 27 de setembro, será comemorado o "Dia Mundial do Turismo no Rio Grande do Sul"
Dilma: pague a compensação da Lei Kandir
Aprovada em 1996, a lei federal isenta o ICMS de produtos e serviços para exportação
Fusões & Aquisições, oportunidade e risco
Quatro vezes um é igual a um! Essa é ainda a matemática feita pelo investidor estrangeiro em relação ao Brasil