Porto Alegre, sexta-feira, 20 de maio de 2022.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
19°C
15°C
7°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 5,5230 5,5250 1,61%
Turismo/SP 4,7300 5,8120 0,44%
Paralelo/SP 4,7400 5,6700 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral / Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas
ASSINE  |  ANUNCIE  
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
484468
Repita o código
neste campo
 
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
484468
Repita o código
neste campo
 
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]  
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
484468
Repita o código
neste campo
 
 
imprimir IMPRIMIR

aviação 21/09/2015 - 10h06min

Com concessões, Governo espera arrecadar R$ 1 bilhão de aeroportos em 2016

JOÃO MATTOS/JC
Leilões de aeroportos com o Salgado Filho, de Porto Alegre, devem ocorrer em 2016
Leilões de aeroportos com o Salgado Filho, de Porto Alegre, devem ocorrer em 2016

O governo conta muito com as concessões de infraestrutura em 2016 não apenas pelo efeito econômico, de aumento de investimentos privados e melhora da qualidade de serviços, mas também pelo impacto fiscal. Com o aprofundamento da recessão e as quedas sucessivas na arrecadação tradicional de impostos, a equipe econômica tem buscado todo tipo de receita extraordinária para melhorar as contas públicas. Neste caso, as privatizações de aeroportos e campos de petróleo, no ano que vem, estão entre as principais apostas.

Por determinação do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, novos programas de parcelamento de impostos atrasados, como o Refis, estão descartados. Essa foi a principal fonte de recursos extraordinários usada pela equipe antiga, liderada por Guido Mantega, que usou o Refis para melhorar os indicadores fiscais de 2009, 2013 e 2014. Sem essa saída, as concessões ganham ainda mais importância.

Por isso, o Tesouro Nacional já preparou mudanças nas regras dos leilões de aeroportos para fazer com que os consórcios privados que vencerem as licitações dos terminais de Porto Alegre, Salvador, Florianópolis e Fortaleza, previstos para ocorrerem em 2016, paguem uma parte da outorga à vista. Com isso, segundo estimativas internas, o Tesouro espera arrecadar quase R$ 1 bilhão no ano que vem.

Depois do pagamento à vista, as empresas vencedoras dos leilões fazem pagamentos parcelados, anuais, ao governo, da outorga. Esse dinheiro é transferido ao Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac), que originalmente nasceu, em 2011, "blindado" do superávit primário. A ideia da presidente Dilma Rousseff era fazer que o fundo servisse para impulsionar a aviação regional e a reforma e melhoria de aeroportos da Infraero.

Esse ainda é o objetivo do Fnac, mas uma mudança inserida em uma medida provisória de dezembro de 2013 permitiu que os recursos "parados" no fundo ao final de um ano poderiam ir para a Conta Única do Tesouro. Com isso, reforçariam os cofres federais, servindo de colchão de liquidez.

Assim, em 2016, o governo terá o dinheiro das concessões antigas, como os aeroportos de Viracopos (SP), Brasília (DF), Confins (MG), Guarulhos (SP) e Galeão (RJ) e também a parcela à vista dos novos leilões.

Além disso, o governo espera arrecadar com campos de petróleo e gás, segundo estimativa do Tesouro, cerca de R$ 4,2 bilhões no ano que vem. As projeções oficiais apontam para uma arrecadação total de R$ 10 bilhões em concessões e demais receitas "prováveis" para 2016.

O objetivo principal de Levy é fazer com que o mix entre cortes de despesas públicas e aumento de arrecadação produza um esforço fiscal de 1,2 ponto porcentual do PIB. Isso permitirá ao governo zerar o déficit de 0,5% do PIB previsto na proposta orçamentária de 2016 enviada ao Congresso Nacional no fim de agosto e, ainda, levar ao superávit de 0,7% do PIB, originalmente previsto para o ano que vem.

Levy entende que essa é a última chance de o governo evitar um novo rebaixamento de sua nota de crédito junto às agências de rating, depois da perda do grau de investimento pela Standard & Poor’s.

COMENTÁRIOS
Nenhum comentário encontrado.

imprimir IMPRIMIR
TEXTOS RELACIONADOS
Companhia é a primeira da América Latina a adotar sistema
Azul é primeira a monitorar voo em tempo real
Participação da Delta no capital social da Gol chega a 9,48%
Com a operação, a participação da Delta no capital social total da Gol passou de 2,93% para 9,48%
SkyWest assina pedido firme para 18 jatos E175 da Embraer
Os aviões serão operados pela SkyWest Airlines por meio de uma emenda no acordo de compra de capacidade com a United Airlines
Companhias tentam encontrar oportunidades de fazer mais com menos recursos
Aéreas apostam em inovação para ganhar eficiência